Francisco Fernandes Ladeira

Mestre e doutorando em Geografia. Especialista em Ciências Humanas: Brasil, Estado e Sociedade. Articulista do Observatório da Imprensa. Autor de três livros.

Sobre a política de Barbacena (pior que tá, fica)

Este texto faz uma breve reflexão sobre a atual cojuntura política do município mineiro de Barbacena.


Imagen Thumbnail para 88f6fe9e-7e99-42ea-b0b7-47ba94eafc41.jpg

Nos últimos cento e poucos anos, Barbacena tem sido dominada politicamente por duas únicas famílias: Bias Fortes e Andrada.

Primeiramente, os clãs em questão estiveram unidos por questões estratégicas. Quando os Andradas chegaram ao município, na segunda metade do século 19, precisavam se aliar a algum grupo político local, no caso, os Bias Fortes.

Após a Revolução de 1930, os rearranjos políticos em âmbito estadual e federal colocaram Bias e Andradas, aparentemente, em campos opostos.

Sendo mais específico, a nomeação feita pelo interventor mineiro (espécie de governador da época) de um prefeito de Barbacena pertencente à família Andrada causou a indignação dos Bias.

De maneira astuta, as duas famílias perceberam que, se alimentassem o mito de uma rivalidade política, poderiam "dividir" o poder local nos bastidores. Melhor ainda: dificultariam a ascensão de outras lideranças. Surgia uma lógica bipolar: ou se é Bias; ou se é Andrada.

Qualquer indivíduo com aspiração política deveria escolher um dos lados (que, na prática, estavam do mesmo lado do espectro ideológico).

Diante desse quadro de dominação, é natural que parte da população se rebele.

No entanto, a ânsia por eleger alguém "nem Bias, nem Andradas" fez com que chegasse a prefeitura um nome que consegue ser pior do que as duas famílias, pois é ligado ao que há de mais retrógrado na política: fundamentalismo religioso e bolsonarismo.

E o pior: "ter livrado Barbacena de Bias e Andradas" (o que é falso) dá ao atual prefeito um álibi forte por suas ações (ou melhor, para sua inércia). Assim, Barbacena corre o risco de ter o pior prefeito da História, "mas pelo menos tiramos Bias e Andradas".

É de praxe: votar no "mal menor", sempre leva ao "mal maior"

Pela popularidade do atual prefeito nas redes sociais, corremos o risco de ter saído de uma oligarquia e ter entrado em uma teocracia. Os "duminions" são a versão barbacenense dos bolsominions.


Francisco Fernandes Ladeira

Mestre e doutorando em Geografia. Especialista em Ciências Humanas: Brasil, Estado e Sociedade. Articulista do Observatório da Imprensa. Autor de três livros. .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// //Francisco Fernandes Ladeira