olhar agridoce

Um olhar amargo e doce de tudo o que é, ou abriga V I D A.

K. Fonseca

Afetada por tudo que desperta meu afeto, um clichê inconstante e, por vezes, uma completa contradição.

A cultura dos sentimentos fake

O mundo, cada vez mais, tem se tornado esse lugar horrível, onde ficamos constrangidos em demonstrar afeto real, mas não temos vergonha de enganar a pessoa com a qual selamos um compromisso, seja ele qual for, fazendo com que esse ciclo vicioso de pessoas geladas e vingativas cresça de uma maneira que assusta. É triste ver quantas pessoas, hoje, não tem mais a ousadia de dizer a alguém um simples “eu gosto de você”, “pô, que saudade!”, “vem me ver?”.


Hoje em dia existe essa cultura egoísta e babaca que ensina as pessoas a “praticar o desapego” sem que essa gente se dê conta de que fazendo isso eles não estão abrindo mão de fazer alguém feliz, mas estão abrindo mão de serem mais felizes também, não se permitindo viver tudo o que poderiam.

1.jpg

E não digo isso por achar que a felicidade depende de alguém para satisfazer seu ego, colocando um anel no seu dedo ou se declarando com frases da Clarice Lispector e do Caio F. de Abreu. Muito pelo contrário! Sou contra a dependência de outro ser humano para que alguém se sinta inteiro. O que eu acho bacana é que o mundo entenda: apaixonar-se é legal, é ‘de boas’, e é perfeitamente normal. Isso não quer dizer que você tenha que sair soltando esse monte de palavras vazias que não significam realmente nada se não forem ditas no momento certo, da maneira certa, na medida certa e, principalmente, para as pessoas certas. Isso não vai te fazer o Don Juan ou a princesa do amor, no entanto, tem grandes chances de torná-lo artificial, sem que você ao menos perceba.

3.jpg

Cadê a emoção de você quebrar a cabeça para colocar em palavras, ou num gesto, a alegria que a pessoa somou à sua vida? Tudo se tornou automático. Frio. Calculado para que pareça bonito. E isso é um tédio! As pessoas perderam a noção do meio termo. Extremistas demais, ou ficam como idiotas esperando sempre que o outro o procure para não dar o braço a torcer, ou mergulham no poço do romance meloso copiado e colado ao invés de sequer tentar pensar em algo real pra dizer a alguém.

Eu mesma tenho dificuldades com isso, e me incluo nessa parcela de pessoas que têm dificuldades em deixar que as coisas durem, em criar laços. O pior é que fugir não te poupa de tudo, talvez até funcione por um tempo, mas tem sempre um momento onde você baixa a guarda por um instante e aí, quem sabe o que pode te atingir?

5.jpg

Ninguém é, e nem jamais será perfeito, mas todos podemos nos melhorar como pessoas. Cabe a nós tentar não nos contaminarmos com essa bobagem toda que pregam por aí: “quem tem sorte é soRteiro”, ou essas frases românticas forçadas. Esses patéticos clichês tornam a coisa toda tão sem graça que dá vontade de desligar o "canal" e ir dormir até acabar essa fase ruim.


K. Fonseca

Afetada por tudo que desperta meu afeto, um clichê inconstante e, por vezes, uma completa contradição..
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 3/s/recortes// @obvious //K. Fonseca