Talita Baldin

Psicóloga por profissão, artista mais por vocação do que por profissão. Nas horas vagas atua, desenha, e rabisca um verso e outro.

Sobre casinhas brancas e um pouco de sossego

Pode ser difícil de acreditar, mas tem gente que sonha – SONHA, isso mesmo! – com uma vida tranquila, com sossego, com paz de espírito, com paz consigo mesmo.


sunflower-868119_1920.jpg

Há dias em que você se sente cansado, não é mesmo? Aqueles dias em que a energia se esgota, a cabeça dói, e você começa a se perguntar para que é que serve tudo isso. Quem nunca se pôs à prova que atire a primeira pedra. Quem nunca se questionou sobre seus títulos, seu status, seu bom salário, a cobertura de frente para a baía. Quem nunca se perguntou sobre a vida agitada em uma cidade que oferece tudo o que alguém poderia querer, sobre todo o reconhecimento que tantos queriam ter e que só você e outra meia dúzia de privilegiados têm. Quem nunca se perguntou sobre essas coisas todas, provavelmente nunca esteve atento àquele vazio que chega com o cair da noite e o chegar do final de semana. Sortudo, se nunca sentiu. Iludido se, assim como eu, finge não ver.

Mas a verdade mesmo, e esse é o segredo que hoje eu tenho para contar, é que dói muito aquele instante em que você começa a perceber que todo mundo já sabe tudo o que você quer da sua vida, menos você. E a tendência é de que doa ainda mais a partir daí. Como é possível que todos vejam seu futuro como uma cartomante que lê as linhas da mão e você olha para aquilo ali e só vê, realmente, linhas?! Pois é... É que a vida fica muito mais doída quando você se abre para a possibilidade de acreditar que você não sabe mesmo é de nada. Não sabe nada, em um mundo onde todo mundo sabe tudo. Sobre eles e sobre você.

E se você nega? E se diz que não, que não gosta disso ou daquilo, que não tem o seu perfil.... E insistem em dizer que você não se conhece, que você não quer ver o que está à frente de seus olhos, que você é só sucesso. Como se sucesso tivesse tudo a ver com títulos, status, dinheiro e reconhecimento. Pois, não é. Não tem. Às vezes, a única coisa que você quer mesmo é ter sossego. Nada de ternos, gravatas, edifícios e saltos altos. Acho que isso acontece naquele momento da vida em que você começa a perceber que sucesso mesmo, tem aquele que chega ao final do dia, deita e dorme, grato simplesmente pelo seu dia. Não diz respeito ao seu carro do ano, sua casa de 200m², tampouco com seu cargo máster em uma multinacional qualquer.

É difícil acreditar, mas tem gente que sonha – SONHA, isso mesmo! – com uma vida tranquila, com sossego, com paz de espírito, com paz consigo mesmo. Por que não é possível acreditar que “eu queria ter na vida simplesmente um lugar de mato verde pra plantar e pra colher, ter uma casinha branca de varanda, um quintal e uma janela para ver o sol nascer”? Acho incrível como alguém optar viver das suas escolhas, das suas certezas, dos seus desejos e em sua simplicidade pode incomodar tanta gente.


Talita Baldin

Psicóloga por profissão, artista mais por vocação do que por profissão. Nas horas vagas atua, desenha, e rabisca um verso e outro..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Talita Baldin