olhos no mundo

Olhares que se abrem em palavras.

Rita Palma Nascimento

Olha para o Mundo com os teus olhos e não com os olhos do mundo.

Saber Perder

Durante a vida, são muito mais as vezes em que perdemos do que aquelas em que ganhamos, sendo que o primeiro passo para manutenção do equilíbrio, deverá passar pela aceitação da realidade dos factos.
Porque qualquer que seja o nosso insucesso, a lição passará sempre por aprender com ele, utilizando o acontecimento como oportunidade de melhoria e evolução, em prol do crescimento pessoal. Nunca a falha deverá ser sinónimo de derrota, mas sim de transformação.


Na sociedade actual a aceitação e a tolerância ao erro são cada vez menores. Saber lidar com a frustração da derrota tornou-se, por isso, uma das nossas maiores lacunas estando ela, no entanto, presente em múltiplas situações da nossa vida.

O “estar bem” deixou de ser um caminho pessoal para se tornar uma imposição social.

As fragilidades do ser humano deixaram de ter lugar, assim como a consciência de que somos falíveis, de que erramos, choramos, sofremos, passamos por dificuldades num ou noutro momento, de que a tristeza é tão válida quanto a alegria e não acordamos nem adormecemos perfeitos, tão pouco 100% realizados e sem quaisquer problemas na vida.

1566057006037.jpg

Nas redes sociais multiplicam-se os discursos e a montra das vaidades, e as livrarias estão repletas de livros que nos querem ensinar a ganhar, a ser melhores, a atingir um determinado patamar de vida e financeiro (quantas vezes utópico), a ser heróis, a formar a família perfeita ou a construir a relação ideal... por entre páginas e páginas de relatos e histórias de vida nem sempre reais.

É esta "falsa felicidade" que tantas vezes cria, em quem assiste, um sentimento de inadaptação ao meio, frustração por não conseguir atingir determinados patamares de plenitude, objectivos que parecem tão fáceis de serem alcançados, desalento por não se ser tão bem sucedido quanto outros, o sentimento de culpa pela falta de realização pessoal e por falhar no caminho para a aceitação, segundo parâmetros que a mim me parecem questionáveis.

De facto, são mais os livros que visam o ensinamento da vitória, do que aqueles que nos ensinam a lidar com a frustração da derrota ou insucesso, fazendo-nos pensar e motivando a acção (ao invés da pacividade de nada fazer perante exemplos pouco reais de vencedores que no fundo sabemos não poder igualar).

Realisticamente falando, durante a vida, são muito mais as vezes em que perdemos do que aquelas em que ganhamos, sendo que o primeiro passo para manutenção do equilíbrio, deverá passar pela aceitação da realidade dos factos. Só essa aceitação nos alimentará a paz interior. Porque qualquer que seja o nosso insucesso, a lição passará sempre por aprender com ele, utilizando o acontecimento como oportunidade de melhoraris e evolução, em prol do crescimento pessoal. Nunca a falha deverá ser sinónimo de derrota, mas sim de transformação.

Porém, à velocidade estonteante a que a sociedade (sobre)vive, preferimos os "falsos" resultados a curto prazo (ou movediços), do que aprender a traçar metas reais e mais consistentes a longo prazo, sob a ameaça dos ventos contrários e percalços no caminho. Mas, trabalhar nessas metas, aprendendo a respeitar e a aceitar o tempo de cada etapa, assim como retirando dos tomboas a devida lição, vai ser o que nos permitirá saborear, algumas vezes, a leveza da realização.

Porque já dizia Lavoisier: "Na Natureza (tal como na vida) nada se perde, tudo se transforma."


Rita Palma Nascimento

Olha para o Mundo com os teus olhos e não com os olhos do mundo. .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// @obvious, @obvioushp //Rita Palma Nascimento