olhos no mundo

Olhares que se abrem em palavras.

Rita Palma Nascimento

Olha para o Mundo com os teus olhos e não com os olhos do mundo.

Sem rei nem lei

O ódio sempre teve pressa e nunca soube respeitar lugares, tempos e espaços (à semelhança de alguns). Num atropelo voraz, avança sobre quem se lhe não agrada, diferencia, ou confronta, na ânsia de se lhe derrubar os pilares.
Num espaço sem rei nem lei [ as redes sociais ], onde a promoção da intolerância é gratuita e onde a supremacia às massas (não pensantes) pertence, o discurso incendiário a nada mais serve se não ao proveito político dos seus defensores, tanto em democracias liberais, como nos regimes autoritários.
Frequentemente confundida com liberdade de expressão, a maledicência padronizada e assente na desinformação e desrespeito pelos direitos e valores fundamentais, exacerba posições de resistência e/ou intolerância face ao "outro", sem que sobre espaço à reflexão sobre quem, afinal de contas, o é.


"A minha liberdade termina onde começa a liberdade do outro".

É cada vez mais frequente o ataque, a crítica infundada, o destilar ódio em todas as frentes, a retórica tantas vezes enfurecida com que se ataca, uns e outros, no conforto das trincheiras [ atrás de um ecrã ].

Num espaço sem rei nem lei [ as redes sociais ], onde a promoção da intolerância é gratuita e onde a supremacia às massas (não pensantes) pertence, o discurso incendiário a nada mais serve se não ao proveito político dos seus defensores, tanto em democracias liberais, como nos regimes autoritários.

Frequentemente confundida com liberdade de expressão, a maledicência padronizada e assente na desinformação e desrespeito pelos direitos e valores fundamentais, exacerba posições de resistência e/ou intolerância face ao "outro", sem que sobre espaço à reflexão sobre quem, afinal de contas, o é.

O "outro" somos nós, todos e cada um, numa ou em várias circunstâncias da vida. Com lugar atribuído, o "outro", que não é contrário à pluralidade humana, nem serve de base à violência irracional e defendida por quem se considera em patamar superior, vê-se estrangulado por críticas, ataques, ofensas directas, ameaças, suposições, boatos e inverdades lançadas à luz da nova Inquisição, num único propósito: o enfraquecimento, afastamento e silenciamento do "opositor" (enquanto o ruído mesquinho e crescente impede a voz da decência, da verdade e da informação).

O ódio sempre teve pressa e nunca soube respeitar lugares, tempos e espaços (à semelhança de alguns). Num atropelo voraz, avança sobre quem se lhe não agrada, diferencia, ou confronta, na ânsia de se lhe derrubar os pilares (falemos dos democráticos, familiares, profissionais ou outros). É pois, óbvio, que em tempos que avançam tecnológica e cientificamente, sem que acompanhá-los "em directo" seja possível, o Homem recue, numa irracionalidade gritante e preocupante, quantas vezes claustrofóbica e egocêntrica, corroendo os valores partilhados, a estabilidade e a dignidade humanas.

odio-nas-redes-sociais.png


Rita Palma Nascimento

Olha para o Mundo com os teus olhos e não com os olhos do mundo. .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// //Rita Palma Nascimento