José Silveira

Professor universitário, bon vivant, hedonista e feliz com a vida

O fracasso é um trapaceiro com um aguçado senso de ironia e astúcia

A história de sucesso é a mesma: sonhos seguidos de fracassos, seguidos de lições aprendidas, depois sucesso.


KFC_logo.svg.png

Dizem que antes do sucesso chegar à vida de alguém, essa pessoa certamente encontrará muitas derrotas temporárias e fracassos. Normalmente, quando sobrevém a derrota, a coisa mais fácil e mais lógica a fazer é desistir. É exatamente o que faz a maioria das pessoas.

“Todo sucesso real, todo prêmio que vale a pena provavelmente será conquistado à custa de alguns fracassos. Fixamos nossa intenção e tentamos várias vezes, até atingirmos o objetivo. O teste máximo, entretanto, não é se finalmente alcançarmos a meta, mas como nos conduzimos durante o processo. Se às vezes o caminho é íngreme demais para prosseguirmos até o topo, devemos acreditar que o esforço em si valeu a pena e nos prepara para novos testes, sabendo que, como o clérigo Henry Ward Beecher disse há mais de cem anos: "estamos sempre na forja, ou na bigorna; através das provações, Deus está nos moldando para propósitos mais elevados".

Nesse mesmo sentido, vemos a crença de Napoleon Hill: “Todo fracasso traz nele a semente de um benefício equivalente”.

Certa vez, li que o fracasso é um trapaceiro com um aguçado senso de ironia e astúcia. Ele se diverte muito fazendo a pessoa tropeçar quando o sucesso está ao alcance da mão.

Trago algumas histórias de pessoas que fracassaram para aprender as lições que fizeram deles sucessos:

Harlan Sanders, o Coronel

rede-americana-kfc-inaugura-primeira-unidade-na-triplice-fronteira-5bcbcf1e05e59.png

Harlan Sanders era proprietário e administrador de um motel e café bem sucedido em Corbin, Kentucky. Mas, quando a nova rodovia interestadual foi construída, ela não passou pelo endereço de Sanders. Em pouco tempo, seu estabelecimento faliu, deixando-o com pouco mais que sua receita de frango frito e um jeito de prepará-lo rapidamente em uma panela. Aos 62 anos de idade, o Coronel, como as pessoas o chamavam teve que encontrar um novo meio de vida. Foi quando o ingrediente mágico, a imaginação, entrou na receita. Ele decidiu que não venderia mais frango frito. Em vez disso, venderia seu método para prepará-lo. Ele pôs a receita e a panela no porta malas do carro e pegou a estrada para mostrar seu frango frito a outros proprietários de restaurante. Nos primeiros dois anos, conseguiu vender cinco franquias. Dois anos depois, tinha vendido duzentas. Quatro anos depois, estava perto de ter seiscentos endereços, quando foi procurado por um grupo de investidores que queria comprar sua empresa. Reconhecendo que a magia não somente estava na receita, os novos proprietários pediram ao Coronel Sanders para permanecer como porta-voz da companhia, o que ele fez até sua morte em 1980. Hoje existem quase doze mil endereços do KFC em mais de oitenta países, com vendas de quase US$ 10 bilhões ao ano.

Howard Schultz

STARBUCKS.jpg

Em 1982, Howard Schultz foi trabalhar como diretor de marketing de uma pequena importadora atacadista de café chamada Starbucks, que só tinha uma loja no Pike Place Market em Seattle. Era uma loja modesta sem grandes ambições. Durante uma viagem à Itália, Schultz teve a brilhante ideia de que a cultura de cafeteria que ele viu em Milão poderia ser transposta para o cenário do centro de Seattle. Convenceu a empresa a tentar. Sua ideia de cafeteria foi um sucesso tão grande que Schultz se empenhou e levantou o dinheiro para comprar a empresa. Cinco anos depois de ter entrado para a Starbucks, ele era CEO de uma companhia com dezessete lojas. Quinze anos mais tarde, a cultura de cafeteria de Schultz estava em todas as esquinas dos Estados Unidos e havia mais de sete mil Starbucks no mundo todo.

20191005-STARBUCKS @ Boulevard 14-32 _ foto Caio Graça-Bebok-9.jpg

Clarence Saunders

Piggly_Wiggly_Alabama-promo_0.png

Clarence Saunders era funcionário em um pequeno varejo. Um dia, ele estava de pé com uma bandeja nas mãos, esperando sua vez em uma lanchonete. Ele nunca tinha ganho mais de US$ 20 por semana antes disso, e ninguém jamais havia notado nele alguma coisa que indicasse habilidade incomum, mas algo aconteceu em sua mente. Enquanto ele estava na fila, algo fez sua imaginação funcionar. Ele teve a ideia de que aquele mesmo conceito de autoatendimento também funcionaria no mercadinho. Clarence Saunders levou a ideia para o chefe. O chefe ignorou a ideia maluca de Saunders. Então Saunders largou o emprego, levantou o dinheiro e abriu a primeira mercearia self-service. Chamou de Piggly-Wiggly. Clarence Saunders, o funcionário de mercearia que ganhava US$ 20 por semana rapidamente se tornou o novo milionário, dono de uma cadeira de mercearias dos Estados Unidos.

“O sucesso é ir de fracasso em fracasso sem perder entusiasmo” (Winston Churchill).

Fonte: HILL, Napoleon. Quem pensa enriquece – o legado. Porto Alegre: CDG, 2018.


José Silveira

Professor universitário, bon vivant, hedonista e feliz com a vida.
Saiba como escrever na obvious.
version 5/s/recortes// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //José Silveira