outras frequências

Constantes inquietações que transbordam e vibram em outras frequências.

Pessoas pela metade e sua falta de entrega

Pessoas pela metade pensam pela metade. Sorriem pela metade. Amam pela metade. Vivem pela metade. E a única coisa inteira nisso tudo é a falta de entrega.Mas de que adianta viver pela metade se temos o mundo inteiro?


Falta de Entrega.jpg

Cada vez mais as pessoas são pela metade. Pensam pela metade. Sorriem pela metade. Amam pela metade. Vivem pela metade. E a única coisa inteira nisso tudo é a falta de entrega!

Sinto falta de pessoas que se jogam, sem se preocupar com a maré; de pessoas que mergulham, sem se preocupar com a profundidade. Mas é justamente isso que ninguém quer hoje em dia: remar contra ventos fortes e sair da superfície. Só eu tenho incapacidade da vida prática e gosta do que tira o fôlego? Eu espero que não! Está tudo assim meio fora do lugar, tudo parece tão impessoal.

Há uma falta de entrega em tudo, ninguém quer se comprometer. Com nada. Com ninguém. E isso parece uma epidemia, que cada vez mais contamina as pessoas. Porque ninguém quer ser profundo, dá muito trabalho. Ser superficial é mais fácil, ser pela metade não tem tanto desgaste, sabe?!

E eu vejo essa falta de entrega por todos os lados: nos relacionamentos, ambientes de trabalho, na sociedade, em tudo. Parece um medo de se envolver e querer agir apenas como expectador. Há sempre um resquício da dúvida. E isso é meio assustador porque quando a pessoa não está entregue é uma meia pessoa que produz meias verdades, meios carinhos, meios amores, quando deveria ser tudo inteiro e de verdade.

A sensação que eu tenho é que existe uma espécie de blindagem em todo mundo hoje em dia, uma barreira invisível e resistente que não te deixa alcançar a verdadeira pessoa que está por trás dessa fortaleza de meios sentimentos e meias emoções. As pessoas não estão dispostas à cumplicidade. E é como se elas não sentissem necessidade disso. A bolha em que elas estão, basta. Talvez por isso tudo pareça ser tão fugaz e inalcançável. É como se interpretassem um papel que não as pertence.

Acho até que as pessoas vivem em uma espécie de poda de si mesmas: querem ser, mas acham que não podem; querem ir, mas acham que não devem. É uma falta de entrega até em querer se entregar. Ah, devo confessar que pessoas pela metade me cansam, não suporto meio termos. Não gosto de voar de pés no chão. Não faço a linha mais ou menos.

Aí nessas horas sempre aparecem àquelas teorias (que pra mim são feitas por pessoas pela metade) que dizem que temos que ficar na defensiva para nos proteger. Uma metade vive e a outra não se compromete e se mantém intacta. Mas de que adianta viver pela metade se temos o mundo inteiro?


deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 2/s/recortes// //Manu Marques