página livre

Sociais e Humanas

Kaique Barros

Escritor entusiasta de crônicas, contos, poesias, artigos de opinião, fatos sociais e cotidianos.

A VEIA ARTÍSTICA DO AUTOR É SEU ESTILO


24115571_1120644918067092_1451822266_o.jpg

A Gramática estuda detalhadamente a estrutura da linguagem de um idioma: as letras, frases e suas construções, variações, formas-padrão da língua vigente em um país, as relações entre si, assim como seus defeitos. Esses estudos são denominados: Morfologia, Sintaxe, Morfossintaxe, Fonética, Semântica, e variantes: pontuação, concordância, regência, etc. Já a Estilística estuda, pormenorizadamente, o estilo, que é a forma de escrever, personalíssima. Nesse âmbito congregamos o ritmo, o modo oracional, o padrão de desenvolvimento de conteúdo, características de neolinguagem, etc.

Cada autor tem o seu estilo. Isso não significa dizer que a forma pessoal de escrita é exatamente um estilo. Se alguém tem hábito em escrever formas oracionais inválidas pelo padrão culto da língua; se, por defeitos de linguagens, redige textos erroneamente ou com vícios não significa que esse é o estilo de linguagem. Estilo é arte. Bastasse somente a Gramática, no entanto, há que se respeitar a maneira individual-redacional com que preza cada qual com suas construções frásicas.

Literatos são, em geral, exímios escritores. Em alguns deles há evidência de estilo, em outros, o que se evidencia é a forma constitutiva de conteúdo, sobre como olha para determinado assunto, ou como tem a capacidade de discernir aspectos humanos contados nas personagens. Um literato pode ser bom em construir ideias (filósofo), narrar histórias (narrador), descrever ou criar personagens (dramaturgo), desenvolver conteúdo linguístico (gramático), ou, simplesmente, em produzir simpatizantes textos que fascinam pela forma ou ritmo (estilista).

E aqui é chegado o ponto interessante. Na poesia, o estilo é mais livremente abordado. E os poetas possuem uma diversificação de possibilidades maior. Há quem acredite que o bom poeta é aquele capaz de produzir excelentes métricas, como se poesia fosse sinônimo de métrica. Uma poesia pode ser elaborada com métrica ou não. Só que pra isso, é necessário ter estilo. E pra ter estilo é preciso ter a didática, a hermenêutica ou a gramática como consciência e a arte como essência. Precisa ser um escritor artista.

Leandro Karnal, historiador, crítico da inteligência, da atualidade e das redes sociais, diz que hoje existe a geração que mais escreve desde todos os tempos. As pessoas estão muito habituadas ao WhatsApp e Facebook, há uma profusão de blogueiros. Não importa se a escrita seja ao modo “rede social”, sucinta e abreviada: as pessoas escrevem bastante e o dia todo. Isso não dá a elas a capacidade de serem artistas da escrita. O estilo é a arte do escritor, entusiasta ou profissional, mas que ama o que faz por ser a sua arte, sua expressão máxima.

A teoria, a fórmula e as regras servem como lapidação, possibilitam maior consciência e desenvolvimento. A arte de escrever vai além da Gramática. Por vezes, o estilo de um autor pode estar caracterizado pelo uso de regionalismos tal qual de neologismos. Formação artística é mais que estrutura, base e teoria, é desenvolvimento dinâmico de um potencial a que chamo de veia artística que, quando desenvolvida, encanta.


Kaique Barros

Escritor entusiasta de crônicas, contos, poesias, artigos de opinião, fatos sociais e cotidianos..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// //Kaique Barros