palavra a páquelavra

Como a enxada lavra a terra, a palavra lavra sulcos para plantar sementes nas imaginações.

Suzana Oliveira

Uma peregrina na terra, que ama as palavras, a história, a interpretação de texto e a transformação de vidas

Somos todos peregrinos

Uma reflexão interpretativa do quadro “O peregrino sobre o mar de névoa”, de Caspar David Friedrich (1818), símbolo do romantismo do século XIX. Um convite para parar um pouco e contemplar, a ser um viajante, que observa e valoriza os detalhes, porque sabe que a vida é breve e não avisa quando irá findar.


O peregrino sobre o mar de névoa, de Caspar David Friedrich, (1817-1818). O peregrino sobre o mar de névoa, de Caspar David Friedrich, (1817-1818).

A todo o momento estamos lidando com a brevidade da vida. A todo o momento vemos a morte bater a porta de quem menos a esperava, ou mesmo, de quem já aguardava a sua chegada. E independentemente da crença, concluímos: sim, realmente estamos aqui só de passagem.

O que há de tão certo e óbvio como a morte? Mesmo assim, ela sempre consegue nos surpreender, nos ensinando ou apenas nos lembrando de nossa impotência perante ela. É aquela que vence nossa avidez, paralisando-nos na correria.

Em momentos como esse nos deparamos com sentimentos sombrios, como a tristeza e a solidão. Sentimentos estes, expressos com maestria pela alma do artista, destacando aqui, as pinturas do Romantismo do século XIX.

Um século turbulento. Marcado por revoluções sociais e econômicas. Nele, o Romantismo surgiu como uma crítica à confiança do homem em sua capacidade individual e racional de interferir e dominar a natureza.

Um estilo marcado pela irracionalidade, pelos sentimentos individuais, pelo misticismo em detrimento da razão, e pela ligação do homem com o mundo natural.

Centrado no igualitarismo e no individualismo, se expandiu para um ataque aos sistemas de poder vigente, e contribuiu poderosamente para a eclosão de movimentos, como a Revolução Francesa e a luta pelos direitos civis igualitários, que mais tarde, dariam origem à democracia como hoje a conhecemos.

Dentre os autores desta época, temos Caspar David Friedrich, conhecido como um dos melhores paisagistas de todos os tempos e o mais puro representante da pintura romântica alemã.

Suas paisagens primam pelo simbolismo e idealismo que transmitem. Embora fosse um pintor renomado durante sua vida, Friedrich caiu de moda ainda antes de morrer, pois suas pinturas contemplativas não acompanharam o impulso da modernização, sendo consideradas relíquias de uma era finda. Mas será que findou mesmo? Por vezes, a impressão que temos é que as tecnologias avançam, mas as ideologias permanecem no passado.

Em sua mais conhecida obra “O peregrino sobre o mar de névoa”, de 1818, atualmente exposta no Kunsthalle Museum em Hamburgo, na Alemanha, ele consegue retratar, já em sua época, a atual condição do homem, que na prepotência e insistência em afirmar seu domínio sobre a natureza e sobre tudo o que cria, vê-se agora isolado, destituído de qualquer controle, vê-se impedido de enxergar com nitidez aquilo que ele pensava conhecer tão bem. Ele está só e o mundo lhe parece estranho.

Este quadro, além de tantas outras impressões e interpretações possíveis, pode ser lido como uma alegoria da vida humana, principalmente nos tempos trabalhosos em que vivemos.

A imagem embaçada e repleta de mistério nos fala do desconhecido da vida, da imensidão do universo, do isolamento do homem, perplexo diante daquilo que não controla, nem alcança.

Claridade e neblina, cores frias e ácidas se misturam diante de um anônimo, um viajante que observa. Alguém, que pelo anonimato, pode ser cada um de nós. No entanto, não vemos o seu rosto, não sabemos sua expressão, nem pensamentos diante de tudo o que vê. Talvez esteja angustiado, aflito, melancólico. Talvez falte esperança, faltem forças para caminhar.

Num mundo em que estar feliz é uma regra e onde a reflexão antes da fala é escassa, um homem como esse não caberia. Talvez, por isso, ele parece está desprendido, em relevo ao que contempla.

Assim como o anônimo da pintura, ficamos, por vezes, perplexos diante das novas de cada dia, nos sentimos deslocados em meio a tanto sofrimento e desamor.

Cada um de nós tem um peregrino dentro de si, um viajante que sabe que não estará aqui para sempre. E sendo assim, qual deve ser nossa posição diante da vida? Cada um responda para si. Tendo em mente que somos aqueles que fazem o uso responsável de tudo, porque breve partiremos e outros virão após sairmos.

Se somos peregrinos, enquanto aqui estivermos sejamos pacificadores, em meio as guerras travadas diariamente, fazendo conhecidos e dando voz ao anônimo e ao esquecido. Dando voz a outros peregrinos, que tiveram suas vozes abafadas pelos gritos dos poderosos.

Que de vez em quando andemos mais devagar, desacelerando o ritmo, afinal, para onde vamos com tanta pressa? Parece que Caspar nos faz sempre essa pergunta quando olhamos suas obras.

Muitos gostam da frese “não fale o óbvio”. Mas a maneira como temos vivido, a liquidez das relações, a banalização do bem, o não estranhamento diante do perverso, o discurso de ódio, tudo isso tem nos obrigado a dizer o óbvio, ou melhor, a desvelá-lo. Sim, mais do que dizer, temos de explicar o porquê, revelar, tirar o véu, fazer o altruísmo e a sensibilidade renascerem.

E é esse o convite do peregrino: quando viajamos, cada detalhe parece importante e digno de registro fotográfico. Não existe distância grande demais para visitar o lugar tão almejado. O cansaço no final do dia não traz reclamações, somente gratidão pelo vislumbre do novo. Porém, ao voltar para casa, para rotina e correria diária, o viajante, antes tão entusiasmado, é agora um frustrado.

Por fim, não esqueçamos: a vida é breve, é brevíssima, é bonita, merece reflexão e registro. Somos viajantes, precisamos parar um pouco, contemplar, e seguir o caminho, buscando dar sempre os melhores passos. Vivendo a arte e a humanidade que ela nos traz.


Suzana Oliveira

Uma peregrina na terra, que ama as palavras, a história, a interpretação de texto e a transformação de vidas .
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/artes e ideias// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Suzana Oliveira