palco marte

Tablado de ideias, cultura e arte!

Isabela Martins

19 anos de música diária, livros na cabeceira e de flores ao meu redor. Futura jornalista, gosto de ler e ouvir histórias reais e fictícias, de chocolate e das surpresas do dia a dia.

Ulrike Rosenbach: Dança para uma mulher

Voltada para uma arte experimental, Ulrike Rosenbach faz da arte, palco para o movimento feminista, a libertação do machismo, ponto de encontro e reflexão sobre o verdadeiro papel da mulher na sociedade alemã na década de 70.


img_5680.jpg Uma jovem artista, por volta dos seus 30 anos, estuda disciplinadamente seu projeto, analisando formas, músicas e movimentos. A preocupação com a forma, a métrica, é essencial para que sua obra esteja completa, para que o vídeo de 7 minutos e 51 segundos prenda a atenção do espectador nos mínimos detalhes e trilhe seus pensamentos e reflexões. Ulrike Rosenbach, vídeo artista alemã, checa os últimos detalhes e enfim põe em prática sua obra ao rodopiar suavemente, simulando uma valsa, solitária valsa, de uma mulher só. 121341.jpg Nascida em Bad Salzdetfurth, no distrito de Hildesheim, no ano de 1943, Rosenbach é pioneira e importante figura na vídeoarte. Militante do anarcofeminismo, termo criado após a "segunda onda" do movimento feminista, a artista buscava ressignificar o papel da mulher em uma sociedade machista e patriarcalista. Para isso, Ulrike utilizava instalações, performances, fitas de vídeos,suportes eletrônicos e outros meios, transitando entre as mídias para levar sua crítica ao mundo.

No ano de 1964, Rosenbach iniciou sua formação artística como escultora na Academia de Arte de Dusseldorf -importante faculdade estadual de arte da Alemanha, berço de ideias e movimentos como Fluxos, movimento que tem como vertente o próprio anorcofeminismo- aprendendo com grandes mestres como Norbert Cricket (1922-1984), um dos representantes do modernismo pós-guerra na Alemanha, e Joseph Beuys (1921-1986), escultor, artista performático e teórico de arte. bild.jpg Em 1970, a artista passa a trabalhar profissionalmente começando a produzir seus primeiros vídeos, performances e exposições. Neste ano, Rosenbach formou o grupo de produtores ATV, TV alternativa, juntamente com Klaus vom Brunch (1952-) e Marcel Odenbach (1953-), ambos vídeo artistas. Durante sua vida profissional, Ulrike também se dedicou a educação fundando a escola para o feminismo criativo e lecionando na Academia de Belas Artes de Saarbruken, aposentando-se em 2007.

Suas composições mostravam estratégias de autodeterminação, muitas vezes com funcionalidade documental. Outras, no entanto, discutiam o sexismo com um certo radicalismo, não tão explícito como nas obras da também video artista, Valie Export, mas dialogando com questões religiosas e culturais contrapondo e interrogando o espectador o verdadeiro papel feminino na sociedade.

A obra que intitula este artigo é simplesmente geniosa. Fraz für eine Frau (Dança para uma mulher), gravada em 1974, sintetiza as características principais da artista: a preocupação com a métrica, a construção e a desconstrução na formação do sentido e a utilização de instalações simples. Na obra, Rosenbach utiliza a simbologia do movimento circular -presente também na música- quebrando sua perfeição com formações quadradas e ovais, dando asas a imaginação e interpretação do espectador.

Extremante complexo, este vídeo requer do espectador atenção constante aos detalhes, principalmente que este esteja atento ao significado de todos os elementos da cena, e ao modo de fazer o vídeo. Esta é uma característica importante da videoarte: a metalinguística, o pensar a imagem para fazer a imagem, trabalhar a forma de fazer a filmagem dentro dela mesma. Essa particularidade lembra o cinema Dadaísta, onde o processo e a ressignificação é tão importante quanto o produto final. rosenbach_w.jpg É por sua originalidade que Ulrike Rosenbach é uma das artistas alemã mais aclamadas e premidas do mundo. Desde 2012 a artista é a atual presidente do GEDOK, federação de comunidades de artistas e patronos de arte. Ainda em atividade, a senhora ruiva de 71 anos, que realizou cerca de 23 exposições em sua carreira, trabalha como freelancer.


Isabela Martins

19 anos de música diária, livros na cabeceira e de flores ao meu redor. Futura jornalista, gosto de ler e ouvir histórias reais e fictícias, de chocolate e das surpresas do dia a dia. .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/artes e ideias// //Isabela Martins