patrícia dantas

Crônicas das nossas realidades e ficções

Patrícia Dantas

Sou aquela que acredita que as palavras podem salvar o mundo de todo o tédio que existir nessa vida.
Convido a visitarem meu blog em total liberdade: http://emtotalliberdade.blogspot.com.br/

Viagem para todos os sentidos

Já não precisamos de roteiros compactados para conhecer seus arrondissements, quando temos hoje, além poemas, relatos, romances e crônicas já consagradas, sites de busca e superblogs de pessoas viajadas pelo mundo, que indicam com ricas descrições os incontáveis pontos de Paris para se conhecer antes de morrer.


tumblr_lo0y25yTKK1qbf3qso1_500_large.jpg

Bistrôs aquecidos, baguetes quentinhas, a umidade cinzenta e fria da cidade e luzes que se guiam pelas tonalidades ofuscantes que acendem o finalzinho das tardes. Além de Paris já falar por si para que veio, do imaginário dos mais afoitos flâneurs ao mais desatento transeunte, como nos relata Hemingway, em Paris é uma festa e Baudelaire, em O Esplim de Paris.

Já não precisamos de roteiros compactados para conhecer seus arrondissements, quando temos hoje, além poemas, relatos, romances e crônicas já consagradas, sites de busca e superblogs de pessoas viajadas pelo mundo, que indicam com ricas descrições os incontáveis pontos de Paris para se conhecer antes de morrer.

Falando assim, como não amar nossa era da informação, que nos presenteia com o universo na palma das nossas mãos? Sim, temos Paris, a Índia, a China, a Transilvânia, o Polo Norte ao nosso alcance, bastam alguns cliques curiosos ou um roteiro de viagem para as próximas férias. Sem ironias com a modernidade, partamos já com nossas mochilas nas costas e alguns trocados no bolso. E que tal, antes de soltar a mochila no primeiro quarto de um hostel ou hotel barato, conhecer de cara o primeiro bistrô apontado em nossa direção?

Lembro que, em uma das minhas primeiras viagens de férias, com o pouco dinheiro que juntara desde que soube que o próximo destino seria um tour por algumas cidades da Europa – incluindo Paris! - fiquei tão extasiada não só pelas paisagens vistas nos filmes, mas também pelos vinhos de que iria tomar - Bordeaux, Borgonha, Côtes du Rhônes -, daquelas regiões que você já ouviu falar, e sempre salivou quando via algum rótulo de lá. Nem é preciso tomar daquela safra rara, que tem mais de cem anos, basta mesmo um vinho da casa para você saber que está diante de uma relíquia que faz história e desperta os sentidos de muita gente, inclusive o seu.

Confesso que não sou conhecedora de vinhos safrados, vencedores de prêmios internacionais, das ‘denominações de origem controlada e garantida’, da alta gastronomia mundial, das notas, apreciações, aprovações dos críticos e da mídia. Meu grande e maior segredo é que costumo me dar por inteira às experiências que, por acaso, chegam sem nenhuma intenção de provocar além do que já me permiti.

O negócio é que um novo vinho, conhecido ou não, venha de onde vier, acaba desestruturando algo dentro da gente, é como se fosse um novo estranho, uma pessoa que depende da nossa aceitação, da última aprovação para entrar no círculo. E os Plat du Jour? Existe coisa que atice mais os sentidos? Bem, nem precisa falar. Folheava os cardápios com um frenesi no estômago, com a curiosidade e fome com que se lê um envolvente romance de García Marques.

Preciso dizer que já conquistei a regra: novas sensações para tudo!

Imagem do filme Meia noite em Paris


Patrícia Dantas

Sou aquela que acredita que as palavras podem salvar o mundo de todo o tédio que existir nessa vida. Convido a visitarem meu blog em total liberdade: http://emtotalliberdade.blogspot.com.br/ .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Patrícia Dantas