pensando nessa gente da vida...

Reflexões de um educador que escreve para que não lhe falte o ar...

Marcel Camargo

"Escrever é como compartilhar olhares, tão vital quanto respirar"

MENINAS BOAZINHAS VÃO PARA O CÉU, MENINAS MÁS VÃO PARA ONDE QUISEREM

Quem vive satisfeito consigo mesmo não se condena à perdição eterna, como dizem por aí, pois não tem tempo para praticar o mal, tampouco para bisbilhotar a vida alheia. Gente bem resolvida e sem medo de ser feliz é quem realmente merece o céu, pois já experimentou o paraíso em vida e conhece o caminho até ele como ninguém.


113489_Papel-de-Parede-Meninas-Malvadas-Mean-Girls--113489_1600x1200.jpg

Nossa sociedade ainda se prende a preceitos machistas, por mais que se veiculem discursos acerca da igualdade de direitos entre eles e elas nos vários setores sociais. Comprovam tal constatação, por exemplo, tanto os dados de pesquisas várias indicando que as mulheres recebem proventos menores do que os homens ocupando cargos iguais, quanto as censuras impositivas ao comportamento feminino, tão presentes também em nossa cultura ocidental.

Da mesma forma, valores pautados tão somente em ideários religiosos arcaicos permeiam o olhar da sociedade sobre as atitudes tomadas pelas mulheres e pelos homens, de forma condescendente para com estes, ao passo que reprimem com mais incidência as mulheres, condenando-lhes jeitos de ser emancipatórios ou inovadores que tão somente são resultado da contemporaneidade dos pensamentos e ideias que engrenam o desenvolvimento social como um todo.

Nesse contexto, as mulheres parecem ainda ter que submeter seus comportamentos de acordo com regras de etiqueta prescritas em manuais e receituários, tão em voga em séculos passados. E, ainda que os discursos das pessoas apregoem a igualdade de direitos e o incentivo à libertação feminina, as censuras e reprimendas indignadas de grande parte da sociedade àquilo que denominam inadequado, ultrajante e imoral acabam por revelar a hipocrisia e o retrocesso que grassam em nossa sociedade.

Não importa o que digam, mulheres que não se prendem a amarras doutrinadoras, que não se deixam cercear os movimentos nem reprimem aquilo que sentem, expondo-se verdadeiramente em toda a sua transparência exuberante, fascinam, atraem nossas atenções e os holofotes em sua direção, destacando-se em meio às multidões. Nunca passam pela vida em vão, pois acreditam sobretudo na força das convicções que carregam.

meninas-malvadas-musical2.jpg

Mulheres que se lançam ao encontro dos próprios sonhos e anseios, desnudando-se com autenticidade, resolvidas em sua sexualidade, sem se importar com opiniões contrárias de quem não possui significância em suas vidas e sem ferir a dignidade alheia, convencem as pessoas certas a confiarem em suas verdades e a apoiarem as suas atitudes. Amam-se, inspiram e transpiram confiança, tornando-se essenciais aos ambientes por que circulam, pois descontrõem positivamente paradigmas que emperram o avançar necessário das relações sociais.

Embora intimidem muitas pessoas, em razão da força esmagadora irradiada pela reverberação de suas verdades, adentram de forma avassaladora na vida daqueles que se permitem compartilhar com elas os passos das jornadas diárias. Mulheres empoderadas nos ajudam a lutar pelos nossos propósitos com mais segurança, pois são exemplos de que podemos - e devemos - tomar o espaço que é nosso por direito, a despeito da distância que tomemos de convenções sociais retrógradas e limitadoras.

Muito provavelmente, os ranços culturais que emperram avanços sociais desejáveis infelizmente demorarão a perderem a força, perpetuando o ideário machista que relega mulheres decididas e autênticas a julgamentos condenatórios, que as rotulam como imorais, como más companhias ou péssimas influências, muitas vezes as condenando ao fogo eterno. No entanto, viver as próprias verdades, amar quem se deseja, dizer o que se pensa e agir sem mediações e sem carregar culpas nos abrirá o caminho em direção à satisfação plena dos prazeres da vida, tornando-nos pessoas melhores e mais felizes. E quem vive satisfeito consigo mesmo não se condena à perdição eterna, como dizem por aí, pois não tem tempo para praticar o mal, tampouco para bisbilhotar a vida alheia. Gente bem resolvida e sem medo de ser feliz é quem realmente merece o céu, pois já experimentou o paraíso em vida e conhece o caminho até ele como ninguém.

*O título deste artigo faz referência a uma frase cuja autoria é atribuída à atriz Mae West.


Marcel Camargo

"Escrever é como compartilhar olhares, tão vital quanto respirar".
Saiba como escrever na obvious.
version 13/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Marcel Camargo
Site Meter