Amanda Moura de Carvalho

Estudante e amante da Filosofia, vivo numa utopia interna e tento esclarecer determinadas verdades todos os dias da minha vida.

Carta à filha de minha neta

Carta à filha de minha neta, do filósofo Marcelo Pelizzoli, suscita uma imensa reflexão ao tratar da contemporaneidade e propõe um diálogo íntimo com o interlocutor.


Li o texto "Carta à filha de minha neta" do filósofo Marcelo Pelizzoli, algum tempo atrás nas aulas de filosofia, é um texto que suscita uma imensa reflexão ao tratar da contemporaneidade e propõe um diálogo íntimo com o interlocutor.

2-escher1.jpg

“Querida Sofia, agradeço à vida por ter esse dom esporádico de poder olhar pela fechadura do tempo e ver um pouco do futuro, a partir das coisas ocultas no presente. Só assim pude escrever esta carta para você, conseguindo ler o passado no presente e o futuro interligado a estes. Fiquei realmente admirado em poder sentir um pouco de você, filha de minha neta, através do que vocês têm explicado aí como visão quântica da mente, nessa teia vital onde as ligações ultrapassam a localidade fragmentada e o tempo linear. Para nós, em 2006, isso ainda era uma coisa misteriosa demais, ou de cientistas meio complicados, de filósofos e místicos, ou então das videntes que consultávamos de vez em quando, com certo ar de surpresa. Estávamos no início da era da mente e das neurociências e do novo paradigma, a grande virada de consciência, da (des)sociedade industrial de consumo ilimitado para o novo tempo.

Vocês sabem aí bem o que foi a “era cartesiana”, e o modelo de biotecnologia e de biossocialização que se expandiu mas também foi sendo desmascarado; é um pouco a história de uma cidade que vira uma montanha de lixo. Que bom que há um novo renascimento cultural e a ciência sistêmica e sustentável da humanidade cresce de fato, incorporando grandes saberes e tradições do passado, indo além da mera aplicação de técnicas e interesses econômicos lamentáveis que penetraram na nossa vida e na nossa mente. Moça, talvez tudo seja como um castelo de areia: afinal de contas, o que é que não muda? Você sabe disso pelo estudo da história e principalmente de como se deu as décadas da crise - da qual vocês estão ainda se reerguendo. Mas nós que vivemos naquele período dos primeiros anos do novo século XXI, travamos uma luta dolorida, e tivemos infelizmente o desprazer de contribuir para muitas catástrofes em cada ação que fazíamos ou produto que usávamos e não tínhamos coragem de mudar; mas também, por outro lado, começamos a contribuir para a visão ecológica e humanista, que você minha bis-neta está começando a viver. Como foi isso?

Imagem 4.jpg Imagem: fcsh.unl.pt

É uma longa história. É a história de um paradigma ou padrão cheio de fascínios e perigos, e de um modo de olhar o mundo que estava contaminado com nossos medos e desejos, o olhar e o mundo contaminados, de modo que agíamos mental e emocionalmente enraizados numa cultura predominantemente destrutiva, que inclusive comprava a cada momento nossos melhores cérebros, e por vezes até a alma e o coração de alguns. O filme Matrix, que deixei para sua avó, mostra um pouco dessa metáfora, de como nós fomos ficando cegos de tanto brilho, de tanto fascínio com as coisas que iam sendo transformadas velozmente, uma avalanche de consumos e meios artificiais, de mediações de mediações que nos impediam cada vez mais de viver o presente. Querida, nós ficamos cegos e obsessivos, ansiosos e deprimidos e solitários, e com uma produção vertiginosa de desejos, com a ideia de que deveríamos a cada momento renovar, trocar de produto, descartar e corrigir a natureza humana e não humana. Era a chamada cultura de progresso material ilimitado e tecnocentrismo, cultura do melhorismo artificial, os primeiros passos da biotecnologia cartesiana, quando tentamos decifrar (e até eliminar !) todo poder e auto-organização da natureza e do corpo, e ter um controle matemático-físico sobre a própria mente, sobre o nosso próprio inconsciente,aquilo que nos resguarda como seres humanos, ambíguos e abertos, complexos no entendimento mas simples para viver a vida. Graças a muita luta e sofrimento, a grandes choques que algumas pessoas desta geração tiveram que assumir já no século XX, vocês estão conseguindo aí contornar esse padrão, e unir o passado com técnicas sustentáveis cientificamente, politicamente, economicamente, ou seja, o social e o ambiental. E acho incrível como vocês incorporaram o saber espiritual para além de qualquer religião; a verdadeira Ciência da Vida não pode mesmo se afastar disso.

A-energia-define-o-rumo-da-sociedade-humana.jpg Imagem: forum.xcitefun.net

Minha querida, apesar de ter entrado na humanidade na época do século XVII, a visão materialista e reducionista e fragmentaria, se cristalizou propriamente apenas no século XIX e XX. Havia um clima de positivismo, apoiado numa pretensa objetividade dos fatos - reforçado pelas técnicas que começavam a funcionar - e isso impressiona não é? – fatos e objetos isolados que poderiam ser manipuláveis até a essência (átomo, molécula, gen...), como peças de um automóvel. Ao mesmo tempo, um clima de mal estar, que nos levava também a um niilismo, a uma descrença na vida e no ser humano. Você deve estar rindo disso, mas era assim que funcionava moça ! O corpo era visto apenas por partes e de modo químico-fisicoexperimental, um pouco mais que uma máquina ou aglomerado de células e elementos químicos que deveriam ser consertados e trocados. As pessoas olhavam para os objetos como se eles não dependessem do seu olhar, da sua mente. Fomos perdendo a idéia de Cosmos e Natureza, e a crença na vida natural. Os nossos filmes de futuro tinham um imaginário futurístico-tecnológico árido, seco, calculado e caótico ao mesmo tempo, mas profundamente mitológico, e onde não havia mais natureza humana ambígua e mundana, animal, ou espiritual, ou mesmo a natureza natural. Chegávamos ao absurdo de pensar em colonizar outros planetas porque o nosso poderia se tornar inviável ! Imagine você vivendo dentro de uma bolha artificial como um ET ? Nossas angústias existenciais foram aumentando tanto – na medida do próprio fascínio tecnológico e transformação das cidades em consumo – tanto que começamos a imaginar seres vindo à Terra, ou que havia outros planetas com vida e que fariam algum contato. Inclusive lançamos foguetes contendo arte,feitos e obras humanas para que outros seres possam achar. Que louca e nostálgica angústia de evasão, não é mesmo minha filha ? Parece que estávamos prevendo os momentos de catástrofes que estavam acontecendo aos poucos.

Mas, minha amada, nunca perdemos a fé no amor; amei você - acredite - nos olhos e no sorriso de sua avó, minha filha, que corria livre e espontânea sem saber o mundo que a esperava, sem saber quanta dor pairava no ar, quanto mentira e covardia, quanta falta de sensibilidade e quanto falta de inteligência em nome da crença nas máquinas e no mercado. Ela cutucava meu coração a cada palpitação, pois as crianças todas reluziam no brilho de seus olhos; a extrema fragilidade que vi em minha filha me evocava a nossa fragilidade, seres humanos e não-humanos, e vi como somos facilmente fascinados e vencidos pelo comodismo, pela auto-defesa, pela inércia e pela preguiça. Via ali o sofrimento das crianças do meu país; via ali sonhos lindos que mais tarde iriam se despedaçar em nome da competitividade, em nome da grande desordem da ordem burguesa vigente, em nome dos interesses de poucos e de um estilo de vida destrutivo, que “segurava as pontas” de um verdadeiro apartheid social. O olhar de Sofia me consumia por dentro, pois quanto mais eu estudava e pesquisava, mais se abriam coisas assustadoras na minha frente, e se tornava muito difícil convencer as pessoas e lutar dentro da Matrix, ou prisão, pois as vezes, era melhor fazer de conta que não enxergamos, e então dormir, dormir e... morrer aos poucos. Mas o choro, os gestos frágeis e tão humanos das crianças, como o olhar de Sofia, um apelo silencioso, uma extrema fraqueza na força humana, uma alegria na tristeza e uma confiança sincera e pueril no olhar e na palavra do pai e da mãe, e de cada pessoa que encontrava, tudo isso me fazia arder o coração. Quando eu a abraçava, sentia o palpitar de seu coração, e num sublime momento de êxtase e dor, eu sentia como se o seu sangue estivesse em todo lugar como a água do planeta, e como se os movimentos de sua respiração fossem todo o ar que nos envolve e penetra, e como se o calor de seu corpo fosse o calor de todas as pessoas, e um pouquinho do Sol dentro da gente.

Imagem 5.jpg Imagem: yogui.co

Sofia, tive que presenciar muita gente passando frio ou torrando ao sol pedindo esmolas ou vendendo pequenas coisas, enquanto “os de cima” andavam em carros importados com ar, se protegiam em apartamentos com vigias, cachorros, câmeras e grades sem fim, e armas; e iam do trabalho para casa e nos shoppings fechados no fim de semana: mesmo assim, eles não aguentavam muito, e as vezes iam a um parque aberto ou a uma praia com segurança semiprivada. Tive que presenciar o tempo de acumulação de dinheiro de uma forma absurda e completamente anti-ética, mas ao mesmo tempo tudo considerado legal! Acompanhei as privatizações e a desmontagem do poder regulador dos Estados, e como a Lei da produção e do Mercado acirraram todas as contradições e invadiram quase todos os espaços da natureza e do corpo, mercantilizando gens, ar, água, terras, idéias, e tudo o que se possa imaginar. E vi ainda como tudo isso levou à catástrofe, da violência social, da poluição química em todos os níveis, do uso da doença para lucrar e de medicações não para ir às causas e à cura, e quanto menos a prevenção, mas para manter as pessoas sempre com doenças. Mas nunca duvidei de que: onde surgem grandes doenças, surgem grandes curadores! Eis você aí ! Eis meus colegas de luta aqui, muitos deles sendo considerados radicais. Viva os radicais filha !, pois eles têm raiz, eles sustentaram a seiva da vida futura, eles pensaram além de si mesmos, de seus corpos e egos e assumiram a dor e a energia do mundo e da verdadeira evolução. Infelizmente, vi uma medicina baseada na evidência dos lucros farmacêuticos e de equipamentos e suprimentos, buscando desacreditar toda sabedoria e todas as práticas naturais e medicinas tradicionais, em nome de uma falsa cientificidade. Buscando tirar a autonomia de saúde que as pessoas e comunidades sempre tiveram o poder de desenvolver; buscando ver o corpo fragmentariamente, e mais absurdo ainda: menosprezando causalidades emocionais e psíquicas – mentais – das doenças.

Vi o crescimento dos gastos e pesquisas com grandes doenças, que seriam curadas geneticamente, e que depois, você sabe, desembocaria num grande golpe econômico que privilegiaria alguns, uma verdadeira eugenia e algenia, e que para muitos traria efeitos teratogênicos, e engodos, em nome do lucro, pois logo em seguida começamos a lidar cientificamente com a complexidade e interdependência de fatores, e a visão começou a mudar e pudemos recuperar conjuntamente os saberes socioecológicos e a visão integral. Cheguei a ver coisas fantásticas na Saúde, que me marcaram muito, como estudar e conviver com medicinas e práticas tradicionais, e mesmo orientais, onde as pessoas eram tratadas como seres humanos integrais, onde se evitava e curava doenças ditas incuráveis, mas ao mesmo tempo a luta com um modelo biomédico que se armava contra tudo o que lhe ameaçava seu paradigma, suas técnicas e seus imensos capitais. Vi países serem enforcados economicamente por causa da medicina da doença e por condições de saneamento e ambientais precárias. Vi as universidades terem suas pesquisas quase todas financiadas por grandes grupos econômicos de falsa ética, e reforçar uma tecnociência que visava a produção contínua de consumo e mediações artificiais infindáveis e não os modos de vida simples e sustentáveis; vi laboratórios financiando pesquisadores, e invadirem os consultórios médicos com fármacos novos, manuais, presentes e congressos, onde pensamentos diferentes, alternativos ou mesmo tradicionais custavam muito a penetrar. Era a época da imagem e do marketing. Você não imagina, mas havia uma infinidade de estratégias disso, acadêmicas ou fora da academia; havia uma avalanche de imagens e de simulacros tidos como reais, de modo que não tínhamos mais tempo para pensar, para sentar, meditar, para sentir o pulsar da vida e conversar, e até nos relacionarmos como pessoas.

Imagem 6.jpg Imagem: www.ideiademarketing.com.br

O que mais me entristecia nesse momento? A HIPOCRISIA; é ver como os discursos que eram feitos em nome da moral ou mesmo da bioética, eram na maioria das vezes inócuos, moralistas e faltavam proposições práticas efetivas, que fossem além das formações disciplinares e partidas, ou dos hábitos perniciosos da Matrix e do modelo de consumo da elite. Não conheciam realmente a própria contaminação do seu agir, ou se conheciam não conseguiam dar passos significativos adiante, mudar o olhar e as práticas, ver de onde eles mesmos se erguiam e levantavam a voz, ver o próprio niilismo. Os melhoramentos empregados eram na maioria dos casos uma exigência de certificação e justificação aos novos procedimentos e invasões do mundo da vida e da cultura local com o poder das máfias mercantis. No início do século XX, acredite, estávamos num tempo ainda de grande conservadorismo e preconceitos, onde os desprovidos, os sem-terra, os transviados, os loucos, os radicais, os rebeldes, os questionadores, os desordeiros, os esquerdistas, os alternativos, tudo isso era sinônimo de ameaça; onde tudo era rotulado e assim colocado dentro de uma caixinha ou expulso da chamada vida econômica e do normal. Tempo de normose, a patologia sutil e gigantesca da falsa normalidade e ordem.

Querida menina, hoje percebo um pouco melhor o quanto a nossa corrida, não apenas a armamentista, mercadológica ou de competitividade, mas a nossa corrida do dia a dia, não tinha um rumo muito claro. É como o conto budista do cavalo corredor. “Um homem montado num cavalo passa correndo por outros e estes perguntam ao homem: para onde vai com tanta pressa, desse jeito louco ? E o cavaleiro responde: por favor, pergunte ao cavalo!” É tragicômico, não é mesmo ? Percebi o quanto se corre de si mesmo, o quanto se foge para mundos imaginários que se materializam em técnicas sobre fantasias, os chamados objetos de desejo, e o quanto isso mesmo nos evita de estar presente em cada momento e em viver a vida com intensidade. Filha, não vivemos o presente, parece que estamos passando por ele; parece que precisamos passar por um grande choque ou parada forçada, como um ataque cardíaco, ou um câncer maligno, um aviso da natureza humana e do planeta, para que a gente pare, simplesmente pare, e faça cada coisa em seu tempo, e esteja presente em tudo, e veja até que ponto estamos presos e dormentes, até que ponto somos marionetes de demandas que não são saudáveis mental e biologicamente. Eu não falo de esperança Sofia, comecei a olhar para mim e para o presente, como me concebo como ser humano e como concebo o outro. O Agora é o único que tenho, é o único que conta, sei que vocês dependem dele, do que acontece em cada segundo de nossa vida aqui.

capitalismo.jpg Imagem: yogui.co

Filha, comecei a recusar aos poucos a servir esse Senhor maldito. Não comprava mais venenos químicos, não comprava mais transgênicos, gordura trans; não comprava mais açúcar branqueado com clorados ou sulforados, não comprava mais excessos de embalagens; não comprava mais doces químicos e porcarias, como coca-cola, ou margarinas e todo um monte de merda legitimada pelos órgãos de proteção do consumidor idiotizado e dos lucros bestiais. Em todo caso, sempre fui feliz e nunca isso me escravizou, e encontrei nas comidas e coisas simples uma diversidade enorme e prazerosa, até numa boa bebida nordestina. Aprendi a fazer pão integral em casa, a comer coisas cruas cada vez mais, a comprar na feira ecológica e dos sem-terra, a economizar água e energia de todo tipo. Aprendi a comer de modo a evitar doenças; acima de tudo comecei a aprender a meditar e um mundo novo se abriu para mim, e estava ali, bem dentro de mim e no olhar das pessoas que, no fundo, são todas muito preciosas. E o que fazia não era só para minha sobrevivência e qualidade de vida de meus filhos, era a real efetivação de uma nova sociedade, a qual sobreviveu graças a isso e outras coisas mais. Comecei a me organizar em ONGs e na política local.

Aprendi que poderia cultivar amor cada vez mais me abrindo aos outros e diferentes, que poderia ceder lugar, que poderia ser mais generoso e dar mais, que poderia ter respeito profundo pelos seres humanos e não-humanos; que poderia usar bem menos drogas químicas; que poderia sofrer sem culpa e sentir dor pois sou um ser humano como qualquer outro. Aprendi que poderia andar mais a pé, respirar melhor, ajudar os necessitados, dar de meu tempo a minha filha e às pessoas e não só ao meu trabalho formal; aprendi a duvidar de tudo, tudo mesmo, e a me sentir de dentro para fora, e ser senhor das minhas escolhas. Aprendi a pedir desculpas e dizer que também sou fraco, mas cada vez mais ser sincero e dizer o que penso. Um grande ensinamento para mim foi que, apesar de ir me encaminhando para a raiz das coisas, vi que seria uma grande ilusão me considerar um milímetro que seja a mais ou melhor que os outros. Todos temos o mesmo valor, apesar das diferenças, todos temos e somos deuses dentro da gente; todos temos o diamante que é nossa mente-coração. E a pesardisso, somos muito diferentes. Viva a diversidade ! Viva o amor. É ele no fundo que a tudo dissolve e ao mesmo tempo nos mantém e motiva...”

“Carta à filha de minha neta” Ecologia. Um outro mundo é possível... Do Livro Bioética como novo paradigma – M.L. Pelizzoli (org.) Ed. Vozes


Amanda Moura de Carvalho

Estudante e amante da Filosofia, vivo numa utopia interna e tento esclarecer determinadas verdades todos os dias da minha vida..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/literatura// @obvious, @obvioushp //Amanda Moura de Carvalho