As influências de Hélio Oiticica

Os trabalhos de Hélio Oiticica mantém um caráter plural, em trabalhos que são inspirados desde em elaborações teórica-artísticas, políticas-sociais, até experimentos que requerem a participação ativa do público.


Relevos espaciais de Helio Oiticica

Hélio Oiticica redefiniu o conceito de arte e da interação do público com o objeto de arte. Ele aspirou superar a arte conformista e estática, sobretudo a arte elitista, a qual condicionava e limitava o processo de estímulo-reação, configurando-se como um instrumento de domínio intelectual e comportamental. Oiticica rompe com este formato tradicional de lidar com a arte no Brasil, e torna-se um dos artistas mais ousados da cena artística nacional.

O artista carioca redefiniu o conceito do objeto na arte, assim como o conceito do observador da arte, o qual, para o artista, era mais do que um mero espectador, era também parte da arte, uma vez que sua interação complementava a obra. Ele propunha experiências com a percepção do participador, investigando possibilidades de dilatamento de suas capacidades sensoriais, desenvolvendo o conceito que chamou de "suprassensorial".

Helio Oiticica

Suas influências foram muitas, desde a filosofia alemã até o seu avô - também filólogo e anarquista - muito influenciou sua formação e visão sobre o mundo à sua volta. Em 1954, Hélio Oiticica inicia seus estudos de pintura com Ivan Serpa, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro - MAM/RJ. Essas aulas são essenciais porque possibilitam a Oiticica o contato com materiais variados e a liberdade de criação.

Em 1959, o artista marca o início da transição da tela para o espaço ambiental, explorando as potencialidades de uma arte mais interativa, a arte experimental, como faz com seus trabalhos Relevos Espaciais, suas primeiras obras tridimensionais. Nessa época, produz textos sobre seu trabalho, sobre a arte construtiva e pensa sua produção em relação à Teoria do Não-Objeto, de Ferreira Gullar.

Helio Oiticica

Seus projetos era um conjunto de propostas inovadoras para interagir com os objetos e com a arte, sem manipulações de conceitos anteriores. O observador de sua obra tinha total autonomia para interpretá-la, e mais..para agir e reagir a ela. Uma de suas maiores influências foi o conceito de duração da cor, por Henri Bergson. A cor, e suas movimentações, é capaz de definir o caráter da obra em questão, enquanto sua interaçãom com o observador durar.

Penetraveis Helio Oiticica

Penetraveis Helio Oiticica

Em meados dos anos 60, com um cenário político-social em forte mudança, o desejo por uma transformação social e comportamental manifestava-se em suas obras. Para Hélio, que era um intelectual, as palavras de Nietzsche tiveram grande influência e foram a grande base de apoio para suas experimentações. Nietzsche associava o homem a um conjunto de valores culturais que apregoava o conformismo, a massificação, o estereótipo, em suma, a escravidão e a ilusão da conservação das formas (sociais, institucionais, religiosas, etc). Logo, contra a lógica das determinações, o filósofo e tantos outros artistas que o seguiram, neste ponto, inimigos daqueles saberes institucionais, descobriam e investigavam a redenção imanente do homem: a criação artística.

Nucleos 1966 Helio Oiticica

Penetravel Filtro1972 Helio Oiticica

Oiticica_Portugal_2.jpg

Nucleo.jpg


version 4/s/arte experimental,arte no brasil,artistas brasileiros,cor,Hélio Oiticica,interação,núcleos,obras,observador,teoria,trabalhos,Arte// //