precisamos falar mais sobre isso

No fundo, o que escrevo, já estava dentro de mim.

Camila Duarte

Sou Camila Fernanda,psicóloga por vocação e por força do destino.Minhas satisfações mundanas têm muito a ver com sentimentos, só me interesso por aquilo ou quem desperta alguma sensação em mim.Se quer me conhecer melhor, conheça a si próprio,a experiência é a base de tudo.

A Caverna do dragão e a incompletude do ser humano

A caverna do dragão, a metáfora do grande e desconhecido inconsciente, lugar em que passado, presente e futuro irão se conectar, trazendo um entendimento das faltas humanas, do vazio que carregamos até atingirmos o estado do nirvana. A Marvel ludicamente nos convida a viajar nesse universo do desenho, não será estranho sentirmos um vazio logo após assistirmos a caverna do dragão, pois é apenas a vida sendo ela mesma.


A caverna1.jpg

Assistir desenhos sempre foi uma atividade infantil, neles a fantasia é misturada à realidade, em que qualquer indivíduo pode ser qualquer coisa. Os desenhos são entretenimentos, mas possuem um caráter lúdico, ensinando crianças e também adultos, a re-significar situações de suas vidas.

Na década de 80, surgiu um desenho chamado: A caverna do dragão. A história desse desenho se passava num universo em que personagens como magos, unicórnios, demônios, mágicas, monstros, um mundo real inalcançável e seis jovens, entre 10 à 18 anos compunham o elenco.

Presume-se que esses seis jovens representam uma determinada personalidade: Hank é a parte vaidosa e segura, assemelhando-se a auto estima e também a figura paterna, como uma lei e um modelo a se seguir. Eric, o inseguro e covarde, equivalendo-se ao medo nosso de cada dia. Diana, como a representação do intelecto. Presto como a parte sarcástica, ou seja,o rir de si mesmo, bem como o ser irônico consigo. Sheila,a protetora, como uma figura materna. Bobby, o mais imaturo,a parte primitiva do ser humano. Juntos formando o grande Eu. Já o restante do elenco como o mestre dos magos, é o superego, aquele que trava, controla ,não deixa ir além do que podemos. Já os dragões, o dominador, o unicórnio, são partes desse contexto e o misterioso inconsciente. O dilema que esses jovens enfrentam, é que alcançar o lado aconchegante, sem perigo, nunca foi possível. A cada episódio era um novo desafio, e o mestre dos magos ( superego) ditava as regras e dava a rota a seguir.

Colocando o desenho como a vida humana, podemos perceber que vários são os desafios da vida e suas respectivas conquistas: uma gravidez, complicada ou não, gerando um filho ou o perdendo. Um exaustivo curso superior, técnico e consequentemente uma profissão. Um companheiro (a), um possível casamento. Uma árdua pesquisa científica, uma nova descoberta de cura. Muitos são os desafios, conquistas e derrotas, que sempre deixam lacunas, instalando em nós uma angústia, ao saber que os desejos não são capazes de gerar a tão sonhada completude.

"Na teoria freudiana, o encontro com a diferença genital do sexo oposto é algo que não se complementa, pois o encontro com a diferença é o próprio encontro com a impossibilidade da existência do Todo."

O que acontece é que todas as buscas na vida não preenchem, por isso a sensação de vazio depois de passar um tempo de realizado o desejo,de falta existencial que cada ser humano presencia em si mesmo. Pode ser decepcionante, mas a verdade é que,como no desenho, se esses jovens alcançarem o mundo dito aconchegante, acaba-se o desenho. E na vida real é assim, se fechar o ciclo e não houver um vazio, há uma morte, de corpo ou não. A chama acesa da vida humana deve ser constantemente acesa e fortalecida, para que o desejo cumpra seu papel. Sísifo e seu mito, assim como os seis jovens da Caverna do dragão, podem nos ensinar como encarar com menos sofrimento e mais possibilidades, essa nossa passagem aqui na terra. Cabe a nós escolhermos a a forma de viver, seja ela com varinhas, seres míticos ou um rotineiro levantar pela manhã.

caverna 3.jpg


Camila Duarte

Sou Camila Fernanda,psicóloga por vocação e por força do destino.Minhas satisfações mundanas têm muito a ver com sentimentos, só me interesso por aquilo ou quem desperta alguma sensação em mim.Se quer me conhecer melhor, conheça a si próprio,a experiência é a base de tudo..
Saiba como escrever na obvious.
version 10/s/sociedade// @obvious //Camila Duarte