Priscila David

Geminiana em fuga. Apaixonada e imaginativa. Cheia de interrogações e reticências... Escrevo porque preciso.

Sobre Amor e Bicicleta

Quem aprendeu a andar de bicicleta e nunca se machucou que prove o contrário: amar faz doer! Tomba-se aqui, perde-se o equilíbrio ali... Até os mais experientes, quando se distraem com a paisagem ou quando surge um bueiro inesperado no caminho, beijam o chão! Mas... há quem diga que não valeu a pena?


tumblr_kyqcb3k8jl1qb0w4uo1_500.jpg

“Quer amor? Levante e vá buscar.” A frase do nobríssimo poeta* que escreve cartas de amor me intrigou!

Como assim, quer amor? Todos queremos amor. “All we need is Love” – já dizia um Beatle. Mas… buscar? E amor se busca? Onde? Como?

Não, amor não se persegue, não se caça! O amor simplesmente acontece. Às vezes basta uma troca de olhares e de sorrisos... Às vezes pede um pouco de empenho, quando uma das metades demora a se render... Em outros momentos, requer atenção, pois volta e meia assume uns disfarces pouco prováveis. Mas sair por aí procurando amor, isso não.

O amor é vivo demais para se deixar capturar. Ele simplesmente vem, como que atraído por espíritos livres, sadios e plenos. Dizem que tem empatia por aquelas almas leves, pelas criaturas de riso fácil e pelas mais espevitadas também. Os românticos e sonhadores são os que mais se aproximam de sua rota secreta , mas o amor é esperto e os atrai e inspira com poemas e canções e esses, ingenuamente, se desviam do caminho. Mas o importante é que ele chega para todos. Não precisa afobação! Mais cedo ou mais tarde acorda os distraídos, dá uma rasteira nos intelectuais, desbanca os poderosos, e coloca um riso bobo no rosto dos ranzinzas.

O nobre sentimento só não consegue construir seu ninho em corações como o do menino que por medo do tombo, desistiu de aprender a andar de bicicleta... E cresceu sem cicatriz no joelho, mas deixou de sentir o frio na barriga de descer a ladeira sem as mãos no guidom e perdeu a diversão que é apostar corrida com a turma. Ficou vendo os amigos da janela e cada vez que alguém caía se enchia da certeza de que era melhor não tentar. Aprender a andar de bicicleta dá trabalho e pode machucar!

Amor também dá trabalho (aqui o poeta e eu concordamos)... E pode machucar... Amor às vezes vai embora antes da hora, às vezes pede pra esperar... Às vezes murcha porque faltou algo e às vezes cresce tanto que sufoca o outro e a gente mesmo. Amor leva tempo pra maturar e, às vezes, simplesmente não vinga. Amor não é pura adrenalina, não é festa o tempo todo. Quem não caiu, cairá; quem não chorou, chorará; quem não sofreu, sofrerá, ao menos uma vez. Faz parte... Mas vale a pena!

O importante é não ser como a inocente criança que nunca se deu conta de que o risco tornava a brincadeira muito mais alegre e que o machucado parava de doer e a marca deixada se transformava em história pra contar. Vencer o medo, aprender a equilibrar-se e sentir o vento batendo no rosto a cada pedalada compensavam tudo! Mas o menino nunca se permitiu e cresceu sem saber que seu tempo de menino poderia ter sido mais feliz, com mais risos e emoção...

tumblr_n41ln0M0aY1rnzhh3o1_500.jpg

Se o amor não esbarrou em você ainda, aproveite então a primavera, coloque uma roupa leve e saia pedalando por aí... Mais cedo ou mais tarde, acontece...

*André J. Gomes in https://www.facebook.com/andre.gomes.988373?fref=ts em 19 de setembro de 2015.


Priscila David

Geminiana em fuga. Apaixonada e imaginativa. Cheia de interrogações e reticências... Escrevo porque preciso..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious //Priscila David