provocações literárias

A arte literária, em uso com as palavras, provocam com sutileza o que há de mais sublime: viver.

Kamila Alves

Kamila Alves, graduada em psicologia e atrevida na arte da escrita.

Intolerância: Um novo paradigma?

O presente artigo provoca reflexões a respeito da intolerância, palavra e atos que tem sido proferidos com frequência na atualidade.


20071222033305!Michelangelo_Caravaggio_065.jpg

Ao dizer sobre paradigma, relaciona-se seu significado como um novo conceito, modelo e padrão que estabelece durante um período de tempo. Costumeiramente, esta palavra é utilizada para interrogações a partir de uma investigação científica, a qual busca resultados para outras formas de interpretações possíveis, diante algum outro conceito que já não é possível ser sustentando. O paradigma é amparado em um conjunto de experiências, crenças e valores, segundo o qual o sujeito relaciona sua realidade e o mundo a ser assimilado.

Assim sendo, quando questiona a intolerância como possibilidade de um novo paradigma, a coloca como uma forma de relacionar e qualificar a posição de um sujeito diante o outro, o social e sua cultura.

Por este modo, desenrolo minha escrita como forma de escuta e construção a partir dos discursos manifestados nas redes sociais, os quais são demonstrados por algumas pessoas em formas depreciativas e moralistas para julgar uma pessoa por suas causas e orientações políticas, religiosas, sexuais, sociais, marcas de diferença no outro, que em palavras e atos ofendem e provoca assédio.

Na atualidade é possível verificar os progressos que os movimentos sociais fizeram para adquirir mudanças para quem em outrora já esteve excluído, marginalizado e repartido.A diferença tem sido temática e estado em evidência, sendo possível falar de igualdade de diretos e certificar que a diferença é que faz o laço social e sua sobrevivência.

Entretanto, há ainda a resistência, as quais são manifestadas através do discurso intolerante, não a quem demonstra discordância de opinião.

Desta forma, cabe perguntas, o que dizer sobre a intolerância e do sujeito que a mantém?

O ato discursivo intolerante pode ser compreendido por uma manifestação de ofensa destinada ao outro como uma função reativa do ego (eu) em forma defesa para um suposto equilíbrio psíquico, para a preservação e integridade deste aparelho.

Em outras palavras, é um estranho-familiar, pois o que não se tolera é aquilo que pode ser visto em si de diferente, mas não sendo possível revelar. Há um ataque justificado e projetado no outro, que pode ter sido na história particular uma identificação inconsciente. Tais proposições podem ser encontradas no livro de Anna Freud em “O ego e os mecanismos de defesa (1946)”.

Há uma frase que é circulada frequentemente: “ Quando Pedro fala de Paulo, sabe-se mais sobre Pedro do que de Paulo.” Tal fala pode ser compreendida que as reações de alguns incômodos ditos sobre alguém é possível que haja conteúdos particulares daquele quem profere a palavra. Sendo assim, quem não se tolera?

É evidente que não pode generalizar, é preciso de escuta e atenção sobre o desenrolar na linguagem que um sujeito anuncia e a qualifica como intolerância.

Todavia, na expressão de ofensa de alguém, o incômodo causado foi primeiro visto estranho em si. Por isso, uma análise no meio do caminho torna-se importante. Pois, o dito de Descartes, há controversas: “Penso, logo existo”. Para Lacan: “Penso onde não existo, e existo onde não penso.” Sinalizando um sujeito do inconsciente e a terceira ferida narcísica do ser humano, nem sempre somos donos da própria casa.

Contudo, a música de Vanessa da Mata – As palavras - faz caber neste texto em seu encerramento. “(...) As palavras fogem, se você deixar. O impacto é grande demais. Cidades inteiras nascem a partir daí, violentam, enlouquecem ou me fazem dormir. Adoecem, curam ou me dão limites. Vá com carinho no que vai dizer.”


Kamila Alves

Kamila Alves, graduada em psicologia e atrevida na arte da escrita..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/sociedade// @obvious, @obvioushp //Kamila Alves
Site Meter