questão de gênero

Sob um campo de ideias

Sandra Frietha

Poetisa. Louca por Rock'n Roll. Amante da escrita libertina. Que vezes se perde nesse emaranhado de letras, decifrando (como se fosse possível) frivolidades desse mundo belo e repleto de caos.

Hey Dude!

Irmãos Coen – Onde os fracos tem vez


COEN.jpg

Não tente compreende-los.

Este não é um relato da filmografia, apenas uma pausa para vislumbrar o sub mundo, delineado na visão desses irmãos onde em questão de segundos transformar um cidadão pacato a inclinações vis e fracassado é algo milimetricamente calculado.

Conhecidos profissionalmente por Irmãos Coen, os cineastas estadunidenses Joel e Ethan cresceram em St. Louis Park, Minnesota, um subúrbio de Minneapolis. Tidos por “duas mentes brilhantes”, eles escrevem, produzem, editam e dirigem seus próprios filmes conjuntamente

Em 1984 escreveram e dirigiram seu primeiro longa juntos, “Blood Simple” (Gosto de Sangue) e a partir dai, para nosso desconforto em seus enredos temos filmes como: Fargo (1996); Arizona nunca mais (1997); Barton Fink (1991); Onde os fracos não tem vez (2006), e o cute “O Grande Lebowski” entre outros (fazem parte indispensáveis do acervo ou na lista de filmes cult-clássicos-contemporâneos que antes de morrer devemos assistir ou imputados de um mínimo de dignidade, rever.

ondeos.jpg Onde os Fracos Não Têm Vez

O oculto de nossas verdades, vontades mais secretas se apossam de maneira pitoresca numa equivocada liberdade, visto que, sem intensão diante a realidade bucólica remete à valas do ser. O desenvolvimento de seu estilo e as características mais marcantes se dá a cenas bem calculadas, fotografia impecável, diálogos irreverentes, chegando a bizarrice.

Bang! Bang!

fargo2.png.jpg Fargo

Entre nomeações e premiações em festivais, empoeirados na prateleira esta pelo reconhecimento de um júri, configurado exatamente pela inovação criatividade e talento desses moços, prêmios com Palma de Ouro e Oscar.

Para alguns o cinema dos Coen causa estranheza, fugindo do cliclê hollywoodiano refletido em seus mocinhos que por algum infortúnio se veem a margem da lei. Não esperem heróis ou detetives durões, pra eles o que predomina é o indigesto e atípico.

lebowski2.jpg O Grande Lebowski

A incompreensão humana levando à queda da moral. Caricaturas da sociedade. Pacatos cidadãos, pessoas de certa forma inseguras se veem a margem da criminalidade. As personagens vão de tipos como bonachões ao de esquizofrenia a lunáticos e perfeitos idiotas. Oficiais ou matadores de alugueis sempre impiedosos que a qualquer preço tendem a deixar o rastro de sangue em quem atravessar seu caminho. Alias, Sangue, marca registrada e indispensável em suas tramas.

Um abominável inconsciente inóspito que repulsivamente rejeitamos, mas que em questão de segundos, não se sabe a hora, passamos de vitima, protagonizando o vilão.

Cada povo dá o que tem. De certo uma critica acida, porém para o bom apreciador do cinema desses caras, um verbete.

Em se tratando do cinema norte-americano, sabe-se que são carregados de violência, sadismo e loucura, nada além do que se vê nos noticiários policiais. Assim como os irmãos Coen, diretores aclamados como Martin Scorsese, Quentin Tarantino, David Lynch, carregam em suas tramas a evidência do fascínio ao terror e violência explicita.

Fuga libertadora dos problemas sócios econômicos e dimensão que a loucura reflete em detrimento ao mal, caracterizando-o como algo possível. Os irmãos Coen, trafega pelo absurdo, surreal do nosso inconsciente ainda não desmembrado pela ciência. Transformando brilhantemente o cotidiano cru em pistas para o que pode vir a tornar maldito, alternando na película da comédia, drama ao humor negro.

Tal qual uma obra de arte, eles se apoderam de situações corriqueiras e despejam na tela um balé idiossincrático de pura estranheza.

Barton-Fink.jpg Barton Fink


Sandra Frietha

Poetisa. Louca por Rock'n Roll. Amante da escrita libertina. Que vezes se perde nesse emaranhado de letras, decifrando (como se fosse possível) frivolidades desse mundo belo e repleto de caos..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/cinema// @obvious, @obvioushp //Sandra Frietha
Site Meter