Rafael Nogueira

Historiando Histórias.

A nova classe trabalhadora

O que a nova classe trabalhadora almeja para si em seu futuro? Em uma palavra: autonomia.


A dita esquerda brasileira não se livrou da arrogância das esquerdas pelo mundo afora de se colocar como a representante máxima da classe trabalhadora. Pois a mesma seria uma classe amorfa e sem nenhuma consciência de classe sendo facilmente manipulada por aquilo que a esquerda chama de classes dominantes. Sendo assim a esquerda se achou e ainda acho no direito de se autodeclarar vanguarda suprema dos trabalhadores no Brasil. Dito de outra forma a esquerda sempre buscou no Brasil o monopólio sobre a classe trabalhadora. Por muito tempo o discurso funcionou de certa forma. Entretanto os tempos mudaram. Infelizmente a esquerda não mudou. Ficou presa em si mesma.

Sempre quando houve tentativas de reforma ou de novas alternativas de pensamento, a esquerda brasileira usava velhas premissas com roupagem de novidade teórica. Acontece que a nossa esquerda não aprendeu que surgiu nos últimos anos uma classe operaria formada fora dos sindicatos e demais organizações que se dizem em defesa do trabalhador. Com efeito a esquerda ainda não conseguiu entender seja por teimosia ou falta de noção que essa nova classe de trabalhadores quer ter um carro zero quilometro, uma boa casa, que seus filhos estudem em colégios de ótima qualidade e principalmente terem a chance de empreender. A possibilidade de ter autonomia com a sua própria empresa é algo que os interessa mais do que ficar dizendo que o capitalismo é mal.

Vamos pensar num exemplo mais didático sobre essa forma de pensamento da esquerda: um jovem de 18 anos, trabalha em uma empresa de metalurgia, ele não frequenta sindicatos ou mesmo se interessa pelas questões trabalhistas e ainda é evangélico. Nesse sentido além do preconceito antes de tudo poderíamos sugerir segundo a esquerda que é um jovem totalmente alienado e que não possui qualquer consciência social de classe, principalmente por ser evangélico. Penso ao contrario que esse jovem pode não sentir vontade de ser militante de nenhum grupo se a sua consciência diz isso a ele. Também não acho ele inócuo se prefere ir à igreja do que a greve. Não vejo esse jovem do exemplo como alguém alienado e sem capacidade de saber a situação de sua classe. A esquerda precisa entender isso o mais rápido possível se ainda quiser continuar viva como alternativa política no Brasil.

Operários - 1933. Tarsila do Amaral.jpg

Quadro "Operários" de Tarsila do Amaral de 1933.


Rafael Nogueira

Historiando Histórias..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/sociedade// @obvious //Rafael Nogueira