rasgando a pele

Compartilhando reflexões sobre a vida como ela é

Demy J.

Obcecada em dissecar o universo sombrio da vida como ela é

Os suicidas e os outros

Uma breve reflexão sobre as dores mentais insuportáveis que levam à metástase do sofrimento solitário vivido pelo suicida rumo ao ato final e a incompreensão dos outros diante do único problema filosófico verdadeiramente sério segundo Albert Camus.


obvious.png

Embora o assunto incomode profundamente muitos, a verdade é que “só há um problema filosófico verdadeiramente sério: o suicídio”, como já escreveu Albert Camus. E, por isso mesmo, é preciso refletir sobre o apoio dado ao suicida possibilitando um diálogo aberto sobre as suas dores mentais insuportáveis que levam à metástase do sofrimento solitário invadindo cada parte da sua alma, do seu ser, aniquilando a sua vitalidade até transformá-lo num zumbi à mercê do avanço implacável dos pensamentos destrutivos. Só assim será possível segurá-lo pelas mãos quando ele estiver à beira do abismo prestes a despencar. O suicida não nasce pensando em terminar logo com a própria existência, muito pelo contrário, ele protela o máximo que pode, enquanto este câncer mental vai corroendo toda a sua sanidade até atingir a sua saúde física. O mal estar é tão grave que afeta aspectos essenciais do seu cotidiano como o seu sono, pois ora não consegue dormir e se deixa contaminar por uma angústia existencial excruciante, ora tudo o que ele quer é dormir, dormir, dormir, deixando-se dominar por uma impotência visceral diante da vida. Qualquer ação, por mais banal que seja, torna-se insuportavelmente difícil para se colocar em prática, desde comer alguma coisa ou mesmo tomar banho e escovar os dentes. O suicida afetado, implacavelmente, por doses cavalares de depressão sente como se uma força gravitacional muito maior do que a própria gravidade o sugasse para o centro da terra, tornando-o pesado, lento, rastejante. E se sente terrivelmente só. Nas raras vezes em que se vê obrigado a socializar em razão do trabalho ou do convívio familiar, o suicida oculta os pensamentos intrusivos que ferem a sua mente dissimulando um comportamento tido como normal, entretanto, seu olhar é evasivo e sua fala é reticente, ostentando, por vezes, um sorriso melancólico incongruente com a devastação que assola a sua alma. Não é à toa que muitos se surpreendem quando o suicida leva a efeito os seus planos, porém, no coração dos mais íntimos a verdade daquilo que suspeitavam emerge com toda a sua força brutal impingindo-lhes a dor máxima da culpa. Quem descreve lindamente esta condição, se é que se pode utilizar este advérbio neste contexto, é Andrew Solomon em “O demônio do meio-dia”. É um livro extremamente honesto. O escritor não poupa detalhes sobre os pensamentos mais íntimos que assolam as crises depressivas e as dificuldades de lidar com um constante estado de ânimo contra o qual tem que lutar e vigiar frequentemente. Inclusive, discorre sobre a depressão e a intenção suicida sob uma ótica científica e sob o olhar de psicanalistas, médicos e de pessoas que passaram por tais situações. Recomendo a todos que se identificam com essa doença ou que, ao menos, queiram lidar melhor com aqueles que estão passando por isso e que preferem não fechar os olhos e fingir que o suicida está apenas “chamando a atenção” e porque, afinal de contas, falar sobre isso é jogar um elefante cor-de-rosa sobre a mesa de jantar. A vida torna-se séria, muito séria, e a comida engasga goela abaixo.

livro andrew.png

Entretanto, não falar sobre o assunto é sempre uma péssima estratégia quando se trata de um problema pontual e profundo como esse. Trata-se de um sofrimento longo, intenso, de anos, que permeia a estrada do suicida que planeja o ato final. Certamente, ele tentou resistir ao plano dia após dia, procurando razões para permanecer vivo e, ao mesmo tempo, se sentindo um covarde por não conseguir se desvencilhar dos pensamentos repetitivos que martelam a sua mente dizendo-lhe, dentre tantas outras insanidades, “você não vale nada, você é um lixo”. Não há como compartilhar estes sentimentos com as pessoas que, superficialmente, dizem ao suicida que ele tem uma vida boa, apontando fatos banais como uma cama confortável para dormir, comida farta e um trabalho decente. Não entendem que não há clareza no raciocínio dos suicidas. Estes enxergam as coisas, no entanto, apenas com vários graus de miopia, distorcendo-as. Então, não adianta apontar ao suicida que o céu é azul. Ele vê a cor, entretanto, não a percebe. Somente quando aqueles que pretendem ajudar o suicida entenderem essa “miopia” crônica e, com empatia e coragem suficientes, estiverem dispostos a ouvi-lo verbalizar os seus pensamentos, segurando-o nas mãos quando os momentos críticos ocorrerem, é que será possível ajudá-lo a sobreviver às crises agudas. É claro, enquanto o suicida também faz o tratamento médico e psicoterapêutico necessários para que os pensamentos destrutivos se tornem cada vez menos frequentes e mais administráveis. No entanto, o fato é que é mais fácil se afastar do campo magnético negativo que o suicida emite a todos os que lhe são próximos. Incomoda cuidar e olhar por aqueles cuja doença é invisível sob o ponto de vista físico. Não é como o câncer que mostra as chagas da doença debilitando a carne a olhos vistos. Os pensamentos suicidas são invisíveis e habitam a mente do seu hospedeiro. As pessoas só enxergam os sintomas e não a doença por si só. E se afastam porque o suicida se tornou uma pessoa difícil para se conviver. E, depois, lamentam, hipocritamente, porque ele se foi. Para finalizar, a palestra de Andrew Solomon no “TED Talks” sobre a depressão é um alento para aqueles que fazem esta travessia no mar escuro dos pensamentos depressivos e suicidas. E, para aqueles que orbitam ao redor deles, sugiro que encarem o elefante cor-de-rosa. É possível tirar a arma das mãos daqueles que estão prestes a desistir de tudo. Basta coragem e uma certa dose de compaixão.


Demy J.

Obcecada em dissecar o universo sombrio da vida como ela é .
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 4/s/sociedade// @obvious, @obvioushp //Demy J.