Natalia Cola de Paula

Escrever é fazer arte, é dividir conhecimento, é aprender com cada frase, é libertar-se.
Faço textos diversos e inéditos sob encomenda. Interessados entrar em contato no e-mail: [email protected]

  • unnamed-61.jpg
    Não se compare, inspire-se!

    Todas as comparações incorrem em erros, pois todas pessoas são diferentes e não possuem a mesma vida e nem as mesmas experiências. Se for para comparar-se, compare sua versão presente com a do passado.

  • os-fins-nao-justificam-os-meios.png
    O objetivo é o crescimento pessoal, o amor pode ser um incidente no caminho.

    Nosso objetivo é ser melhor a cada dia, o amor pode ser um incidente facilitador do percurso.

  • mensagem-de-fernando-pessoa-2-638.jpg
    Reflexões de fim de ano

    Seja em 2019 a mudança que você quer ver no mundo.

  • e10e02cd24cd0504ba9b337b01526779.jpg
    A liquidez do amor

    Uma conversa acerca dos reflexos da modernidade nas relações humanas.

  • cordabamba-1024x821.jpg
    Em busca de equilíbrio.

    Todos nós precisamos de mais de um pilar para nos mantermos firmes emocionalmente. O motivo é bem simples, se um dos pilares desmoronar você terá os demais para apoiar-se. Sem dúvidas o sofrimento virá nos visitar perante fracassos e decepções, isso é inevitável, porém, dependerá de nós fazê-lo ou não morada em nossas vidas.

  • 20171203_152150.jpg
    O egoísmo por detrás do eu lírico

    Muito comenta-se dos desdobramentos, reflexos, bem como benefícios do hábito da leitura. Porém, pouco se menciona a respeito dos reflexos que o ato de escrever exerce sobre o autor. É sobre isso que esse artigo fala. Mostra que o eu lírico do escritor não é puramente altruísta, havendo uma face egoísta, uma vez que o autor precisa da escrita para viver, para afirmar-se como ser humano. Na verdade, o escritor precisa da escrita tanto quanto ela precisa do mesmo para existir.

  • As pessoas deixam de viver não quando morrem, mas sim quando desistem de sonhar.

    Em síntese, vamos tratar de sonhos com certa maturidade e realismo, vendo-os como fruto de nossos esforços e não simplesmente como fatos utópicos, mas sem perdermos a vontade de sonhar e perseguir nossos objetivos, sem perder a determinação de realizar nossas quimeras.

  • FB_IMG_1500921854303.jpg
    Aprender a gerenciar suas emoções e ser líder de si mesmo é preciso.

    Não podemos deletar nossa memória, tudo que vivemos fica armazenado em nosso consciente ou inconsciente, não temos ferramentas para apagar o passado, todavia, podemos sim lidar de maneira saudável com elas, reescrevendo-as de uma forma que não nos causem mais ferimentos. Devemos tomar a efetiva posse de nossas vidas, decidir nossos caminhos e gerenciar nossos sentimentos de modo a amenizar nosso sofrimento e problemas. Não podemos deixar-nos sermos vítimas do destino, seres determinados pelo meio ambiente e pelas situações, como representado no romance naturalista " O Cortiço " de Aluísio Azevedo. Temos que fazer as escolhas possíveis para realizarmos nosso melhor sempre, mesmo perante circunstâncias adversas. Temos que escolher acerca daquilo que nos cabe fazer uma escolha, e deixar as contingências para o destino.

  • alegria-ou-felicidade.jpg
    Eudaimonia

    Diariamente as pessoas acordam e partem em busca de seus sonhos e metas. Desempenham suas tarefas cotidianas, como trabalho e estudo em meio a uma rotina acelerada, em que não há tempo designado para parar, sentar e refletir sobre o que realmente buscamos com nossas atitudes. Fazemos tantos esforços e sacrifícios para a concretização de certos objetivos, como o esmerado diploma do curso superior, um carro novo, uma casa nova, subir de cargo no emprego, obter o sucesso, adquirir cada vez mais e mais dinheiro e bens, que nos esquecemos de nossa real busca: a felicidade, porque no fundo todos queremos viver momentos felizes, estar bem conosco e com as pessoas ao nosso redor.

  • Mario Quintana.jpg
    Sanidade X Loucura

    O objeto de debate desse artigo contempla um embate entre a sanidade e a loucura no âmbito literário e como isso está mais presente em nosso cotidiano do que pensamos e de como a loucura e a sanidade são conceitos subjetivos e assim continuarão sendo, pois não há definição que diga perfeitamente o que é um comportamento maluco ou “normal”. No final entende-se que a loucura nada mais é do que um momento esplêndido de alcance e vislumbre da mais pura e verídica realidade.