Natalia Cola de Paula

A escrita pulsa em mim, ela é capaz de transformar as pessoas, emocionar, transmitir conhecimentos e sensações. Por isso que escrever é sinônimo de compartilhar saberes, e sonhos. Ademais, é uma experiência que proporciona prazer e aprendizagem a quem escreve.

  • As pessoas deixam de viver não quando morrem, mas sim quando desistem de sonhar.

    Em síntese, vamos tratar de sonhos com certa maturidade e realismo, vendo-os como fruto de nossos esforços e não simplesmente como fatos utópicos, mas sem perdermos a vontade de sonhar e perseguir nossos objetivos, sem perder a determinação de realizar nossas quimeras.

  • As pessoas deixam de viver não quando morrem, mas sim quando desistem de sonhar.

    Em síntese, vamos tratar de sonhos com certa maturidade e realismo, vendo-os como fruto de nossos esforços e não simplesmente como fatos utópicos, mas sem perdermos a vontade de sonhar e perseguir nossos objetivos, sem perder a determinação de realizar nossas quimeras.

  • dream.jpeg
    As pessoas deixam de viver não quando morrem, mas quando desistem de sonhar.

    Em síntese, vamos tratar de sonhos com certa maturidade e realismo, vendo-os como fruto de nossos esforços e não simplesmente como fatos utópicos, mas sem perdermos a vontade de sonhar e perseguir nossos objetivos, sem perder a determinação de realizar nossas quimeras.

  • sonho-1024x692.jpg
    As pessoas deixam de viver não quando morrem, mas quando desistem de sonhar.

    Os sonhos são nosso combustível, os propulsores da vida humana, os motivos pelos quais temos esperança e cremos em um futuro melhor; no fundo mesmo, nossos sonhos são nossa essência, são tudo que temos. " Nada te pertence mais que os teus sonhos. " ( Nietzsche )

  • Realidade e sonhos
    http://cms5.obviousmag.org/mt.cgi?__mode=view&_type=entry&blog_id=1836&id=30203
  • FB_IMG_1500921854303.jpg
    Aprender a gerenciar suas emoções e ser líder de si mesmo é preciso.

    Não podemos deletar nossa memória, tudo que vivemos fica armazenado em nosso consciente ou inconsciente, não temos ferramentas para apagar o passado, todavia, podemos sim lidar de maneira saudável com elas, reescrevendo-as de uma forma que não nos causem mais ferimentos. Devemos tomar a efetiva posse de nossas vidas, decidir nossos caminhos e gerenciar nossos sentimentos de modo a amenizar nosso sofrimento e problemas. Não podemos deixar-nos sermos vítimas do destino, seres determinados pelo meio ambiente e pelas situações, como representado no romance naturalista " O Cortiço " de Aluísio Azevedo. Temos que fazer as escolhas possíveis para realizarmos nosso melhor sempre, mesmo perante circunstâncias adversas. Temos que escolher acerca daquilo que nos cabe fazer uma escolha, e deixar as contingências para o destino.

  • alegria-ou-felicidade.jpg
    Eudaimonia

    Diariamente as pessoas acordam e partem em busca de seus sonhos e metas. Desempenham suas tarefas cotidianas, como trabalho e estudo em meio a uma rotina acelerada, em que não há tempo designado para parar, sentar e refletir sobre o que realmente buscamos com nossas atitudes. Fazemos tantos esforços e sacrifícios para a concretização de certos objetivos, como o esmerado diploma do curso superior, um carro novo, uma casa nova, subir de cargo no emprego, obter o sucesso, adquirir cada vez mais e mais dinheiro e bens, que nos esquecemos de nossa real busca: a felicidade, porque no fundo todos queremos viver momentos felizes, estar bem conosco e com as pessoas ao nosso redor.

  • Mario Quintana.jpg
    Sanidade X Loucura

    O objeto de debate desse artigo contempla um embate entre a sanidade e a loucura no âmbito literário e como isso está mais presente em nosso cotidiano do que pensamos e de como a loucura e a sanidade são conceitos subjetivos e assim continuarão sendo, pois não há definição que diga perfeitamente o que é um comportamento maluco ou “normal”. No final entende-se que a loucura nada mais é do que um momento esplêndido de alcance e vislumbre da mais pura e verídica realidade.