reflexões de um cronista

Sentimentalismos, opiniões e reflexões de um jovem que vive numa sociedade desumana e acrítica.

Matheus Dantas

Pernambucano, acadêmico de jornalismo, blogueiro e eterno aprendiz na complexa escola da vida

Adeus

Cortar alguém que amamos da nossa vida não é nada fácil mas, quando realmente necessário, é o que deve ser feito.


tumblr_static_tumblr_static_65d71bi5710c4ok488s8kcks4_640.png

São muitas as dúvidas que movem o mundo e, uma delas, é sobre o que é o amor de fato. Qual a definição correta desse sentimento? Como ele pode ser tão específico e generalizado ao mesmo tempo? Até que ponto estamos dispostos a tê-lo? O que nos faz amar alguém?... Bom, eu poderia levantar centenas de questionamentos em relação a isso, mas não é minha intenção. Para falar a verdade, o meu grande objetivo durante todo esse tempo foi tentar te entender.

Há anos que você se submete a um relacionamento que só te machuca, te entristece, te diminui. Há anos que, entre idas e vindas, você aceita as mesmas desculpas esfarrapadas, as mesmas promessas que nunca se cumprem e os mesmos erros que, de tanto se repetirem, já se tornaram previsíveis. Há anos que você aceita ser figurante na vida de alguém, mesmo sabendo que pode ser protagonista na vida de qualquer pessoa que, ao menos, te valorize.

Eu lutei, eu busquei, eu tentei abrir os seus olhos. Mostrei que amar é cuidar, proteger, ter zelo. Fiz do teu sorriso, o combustível da minha alegria; Dos teus braços, minha morada; Dos teus olhos, minha fraqueza; e dos teus lábios, meu insaciável desejo. Dei-te carinho, atenção, afeto. Compartilhei minhas histórias, minha rotina, minha vida. Ofereci tudo o que você jamais recebeu, sem cobranças, sem moderação.

O grande problema é que, por mais que eu cuidasse das suas feridas, você sempre queria voltar a andar em meio as espinhos. Por mais que eu segurasse tua mão, te puxando para frente, você sempre insistia em olhar para trás. Por mais que eu te alertasse, você sempre seguia na contramão e acabava errando mais uma vez, de novo, novamente. Foi então que eu percebi que toda a história estava se repetindo só que, agora, eu é que estava aceitando migalhas, me contentando com lapsos de reciprocidade e alguns breves momentos de atenção. Porém, ao contrário de você, eu decidi que não vou aceitar menos do que mereço.

Apesar de não conseguir expressar com precisão o que é o amor, tenho certeza de que não se trata disso que me oferece. Sendo assim, por mais que o coração doa, que as lembranças me sufoquem e que o teu cheiro não saia da minha pele, eu decidi parar. Torço para que, um dia, você consiga se libertar do passado e que, enfim, comece a construir seu futuro. Talvez, um dia, você irá perceber o quão indiferente foi em relação a nós. Porém já será tarde, muito tarde. Eu cansei.


Matheus Dantas

Pernambucano, acadêmico de jornalismo, blogueiro e eterno aprendiz na complexa escola da vida.
Saiba como escrever na obvious.
version 4/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Matheus Dantas