reforma íntima

Autotransformação com leveza e esperança

Ana Cristina Sampaio

A educação dos sentimentos é a maior transformação que podemos almejar. O esforço pessoal nesta jornada é menos penoso se nos cercamos de boas leituras e amizades. Compartilho com vocês minhas reflexões para juntos plantarmos consciência.

  • estrelas além do tempo.jpg
    As mulheres negras da Nasa e o preconceito inconsciente

    A cisão racial é sempre tema de filmes envolventes e dramáticos. O recém-lançado Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures, 2016), um dos concorrentes ao Oscar, conta a história verídica de três negras norte-americanas que, em 1961, momento em que os Estados Unidos começam a questionar o racismo, contribuem com suas mentes brilhantes para o sucesso na corrida espacial. O mérito do filme, no entanto, está numa cena que demonstra de forma inequívoca como o racismo permanece inconsciente e latente mesmo entre os que se dizem livres de preconceito.

  • vergonha.jpg
    Você tem vergonha de que?

    Tem quem se envergonhe tanto de ser quem é que vive a fingir ser outra pessoa. Há quem minta e interprete personagens para esconder as vergonhas que tem de si próprio. A vergonha corrói tanto a autoestima que é impossível conviver com si próprio, um ser com tantas imperfeições, defeitos e falta de graça.

  • elogio.jpg
    Você sabe como fazer um elogio?

    Elogios frequentemente emitem um julgamento, mesmo que positivo. Para Marshall Rosenberg, autor de Comunicação Não Violenta, essa não é a forma correta de expressar apreciação por alguém. Frases como "Você fez um ótimo trabalho!", "Foi muito gentil de sua parte me oferecer carona" ou "Você é muito inteligente" não são as melhores maneiras de externarmos um elogio. Como assim? O artigo explica por que.

  • o mundo precisa de pessoas melhores.jpg
    O mundo precisa urgentemente de pessoas melhores

    Ninguém disse que seria fácil evoluir. Se você já tomou consciência do propósito da vida, sinto muito dizer, mas esse é um caminho sem volta. A partir de agora, e para toda a eternidade, você vai viver dramas e conflitos, vai buscar ajudas, vai perder o sono e se arrepender de muitas coisas, vai ter raiva de si mesmo, enfim, sua vida nunca mais será aquele mar de rosas dos que pensam que basta comer, beber, dormir e comprar para ser feliz.

  • erro.jpg
    Erro, uma oportunidade para a autotransformação

    Errar é humano, mas quem não se martiriza e se autoflagela com o erro? Fonte de doloridos arrependimentos e remorsos capazes de entristecer toda uma vida, o erro tem destruído famílias, amizades, sonhos, amores. O problema não é o erro em si, que sempre pode ser reparado ou superado, mas o sentimento de pecado que vem intrínseco a ele. Errar, em nosso inconsciente, é quase que uma transgressão divina, algo que não pode ser feito, que tem consequências punitivas que transcendem este mundo.

  • medo.jpg
    As sutis máscaras do medo

    O medo é uma das quatro emoções básicas do ser humano, junto com a raiva, a alegria e a tristeza. Apesar de básico, o medo não tem nada de simples e é justamente essa característica de sentimento primário que o torna capaz de se esconder sob as mais variadas formas em nosso inconsciente.

  • sobre morrer.jpg
    Sobre morrer

    Pedro Bial disse: morrer é ridículo. Sempre que morre alguém próximo, aquela pessoa que encontramos outro dia, somos tomados de um sentimento estranho, um misto de pavor e incredulidade. A verdade é que a morte inesperada nos assusta. Mas como este é o único momento que não temos certeza de quando será, para morrer bem é preciso começar a morrer agora. Ou melhor, é preciso viver como se fôssemos morrer amanhã.

  • orgulho.jpg
    Orgulho, humildade e as tragédias que vivemos

    Uma família destruída pela tragédia. Um pai mata os dois filhos e tenta se matar. O que devemos aprender sobre orgulho e humildade.

  • desistencia.jpg
    O preço das desistências de cada dia

    A autoestima se constrói à base de muita insistência. Digo isso porque é insistindo - e não desistindo - que vamos experimentando o doce sabor da conquista. É ela, ao final, a base da estima que sentimos por quem somos.

  • mais feliz aos 50.jpg
    Como Rita Lee, chego aos 50 mais feliz e sem referências

    Eu sei que no imaginário popular uma mulher de 50 anos é quase uma idosa, está vários quilos acima do peso, tem dor na coluna, sofre com calores, insônia e talvez depressão, as pernas têm varizes e o olhar já perdeu aquele brilho de quem espera muito da vida. Mas o que eu vejo no espelho é tão diferente de tudo isso que não me canso de citar Rita Lee que, num momento inspirado, viu-se como parte da primeira geração de mulheres que chega aos 50 sem referências. Afinal, nossas mães e avós não nos servem mais de parâmetro.

  • deus do di repenti.jpg
    Deus é do di repenti

    Tenha em mente o que você quer concretizar, aja na direção certa, mas não se preocupe com o que não está a seu alcance. Porque o que não depende de você está sendo providenciado. Talvez não como você imagina, mas da maneira que vai cair como uma luva para seu aprendizado.

  • intuição.jpg
    Por que preferimos racionalizar ao invés de usar a intuição?

    O segredo para tomarmos atitudes baseadas em nossos mais profundos desejos está em ouvir a intuição e aprender a nela confiar. Se não houver brilho nos olhos e calor no coração, não siga por esse caminho. Por mais que a análise dos fatos te diga o contrário.

  • viajar leve.jpg
    O segredo de viajar leve: nas férias e na vida

    Assim como nas férias, viajar leve na vida requer uma grande dose de autoconhecimento e determinação de mudança. Abrir mão é a palavra de ordem. Saber quando e como abandonar o excesso é o pulo do gato para uma vida com menos exigências e cobranças.

  • marguerite 1.jpg
    Em Marguerite, a mentira que não temos coragem de desfazer

    Mentir por amor, mentir por medo de ofender ou magoar, mentir simplesmente por falta de coragem de enfrentar as consequências da verdade. Todas estas escusas para mentir estão presentes no filme francês Marguerite, sucesso do festival Varilux 2016.

  • amor por contrato.jpg
    Qual o preço da aparência?

    Tem gente que não mede esforços para apenas "aparentar" e é sobre os limites e abrangência desse movimento que trata o filme Amor por Contrato (The Joneses, 2010). Até onde se vai para aparentar riqueza e ser aceito e invejado em um grupo? Até que ponto a indústria do consumo é capaz de influenciar um padrão de vida insustentável?

Site Meter