repensar

Para que o óbvio não seja esquecido

William Felipe Zacarias

A Teologia é o meu pressuposto. A Filosofia é meu esporte. A Arte é a minha essência.

Sou eu assim sem você

Ainda é possível encontrar um verdadeiro amor? Alguém que nos faz falta? Alguém cuja ausência questiona a nossa própria existência? A música “Fico assim sem você” de Claudinho e Buchecha é um norte para tentarmos responder a estas perguntas.


coracao.jpg

As coisas são significas a partir da sua relação com aquilo que lhe é inerente. É nas relações intersubjetivas que a realidade é conhecida e significada. Coisas recebem sentido (do gr. logos) quando encontram aquilo que lhes causam um “encaixe perfeito.”

Tendo isto em vista, a música “Fico assim sem você” de Claudinho & Buchecha, interpretada também por Adriana Calcanhotto, carrega em si uma grande e profunda filosofia: tal como algumas coisas dependem de outras para receberem sentido/significado, um ser humano só encontra sentido na sua relação com outros seres humanos, seja na amizade (do gr. fileo), seja na dependência (do gr. éros), seja no amor (do gr. ágape).

A amizade foi definida por Aristóteles como sumamente necessária para a vida. Para o filósofo clássico, a amizade é um dos caminhos para a felicidade, pois a verdadeira amizade ultrapassa o simples utilitarismo ou o prazer, como faz o éros. “A amizade não é apenas necessária, mas também nobre, pois louvamos os homens que amam os seus amigos e considera-se que uma das coisas mais nobres é ter muitos amigos. Ademais pensamos que a bondade e a amizade encontram-se na mesma pessoa.”¹ Assim, fileo é o caminho perfeito por conduzir à felicidade tanto as outras pessoas como a si mesmo. Fileo é o amor vivido entre familiares ou entre uma comunidade; melhor: ama-se como parte da família quem naturalmente não faz parte dela. Por conseguinte, fileo serve também para expressar o amor do sábio pela sabedoria, i. é, filos sofia. Seguem algumas frases encontradas consc