ressignificando obviedades

O Logos no projeto de construção do ser. Alteridade dialógica como experiência radical.

Evandro Lui

Pensar é inevitável, refletir é opcional, meditar é espiritual. Ler é enriquecedor e escrever é um privilégio pelo qual ouso me arriscar. O viver sempre nos provoca e eu traduzo algumas provocações em palavras.

  • manipulacao-imprensa.jpg
    A objetividade e a (?) neutralidade (?) dos fatos

    Onde fica a objetividade dos fatos e das conclusões? Onde fica a neutralidade? No que podemos confiar como verdadeiro no meio de tudo o que nos chega? Qual o percentual disso que, em não sendo verdadeiro, nos aliena rumo a conclusões puramente ideológicas vinculadas a interesses escusos?

  • economia imagem.jpg
    a SUPREMACIA econômica

    O planeta é de todo e qualquer ser humano. Ou melhor, o planeta é de todo e qualquer ser vivo! Sem planeta, não há vida; sem a natureza, não se tem apenas a extinção do recurso, mas da existência. Aliás, incoerente foi o momento que se passou a considerar a natureza (assim como ao ser humano) como recurso. Antes de assumir esse papel, o planeta é a CASA de todos nós. Nem mais de um, nem menos de outro. Sem ele não existem nações, quanto mais suas ambições. E como se pode perguntar: quem vai pagar a conta?

  • flor_amarela.jpg
    fragmentos e POSSIBILIDADES

    Este é o fato. Todo o resto é seu julgamento. Se for uma desgraça ou uma sorte eu não sei, porque isto é apenas um fragmento. Quem sabe o que vai acontecer amanhã? É só um fragmento. Estão lendo apenas uma palavra de uma frase da existência. Como podem julgar o livro inteiro? A vida vem em fragmentos, e nunca nos dá mais que isto. Apenas mais um fragmento da vida, apenas isso... nada mais...

  • terceira.jpg
    O paradoxo do virtual libertário-escravizador

    Pensar a atualidade das relações virtuais é considerar uma condição da sociedade de hoje. Mas para pensar essa condição, também é necessário refletir sobre o bônus e o ônus que a “virtualização” dos relacionamentos tem trazido para a existência concreta da pessoa em si. Existir se des-concretiza rumo a uma virtualidade cada vez mais crescente? Pode-se afirmar ser isto bom ou ruim? Enriquecedor ou danoso? Libertário ou escravizador?

Site Meter