reticência

Faz escuro, mas eu canto.

Sálvia Haddad

Faz escuro mas eu canto.

  • soberba.jpg
    Nós e a soberba: um caso de amor

    A soberba humana é algo impressionante. Alguém se julga melhor que Taís Araújo e desfere ataques nas redes sociais. Outro propõe uma lei que determina o que é família, excluindo qualquer outra configuração familiar. Alguém interpreta a lei sagrada à seu modo e funda um “Estado” para dizimar os dissidentes. Soberba e mais soberba. A maturidade traz a certeza de que tudo é relativo e dinâmico. Somos tão pequenos! Quem somos para agir com intolerância diante de opções diferentes da nossa? Daqui alguns anos nenhum de nós estará aqui, porque somos pó. Somos um punhado de pó metido a besta.

  • Colcha-de-Retalhos-Neneca-Barbosa.jpg
    Colcha de Retalhos

    A família de muitos de nós transformou-se numa colcha de retalhos. As relações acabam e não nos preocupamos em preservar o que subjaz à elas: porque deixar que pessoas tão próximas de nós partam sem cerimônia? Afinal seu filho não tem culpa se sua mulher não quer mais ser sua mulher e sua irmã não pode ser punida por ter construído um laço de amizade com sua cunhada. Rompimentos resvalam naqueles mais próximos, mas o tempo passa e a vida é curta. Perdões concedidos e mágoas depuradas, sigamos em frente. A escolha será somar ou diminuir?

  • Amour. imagem.jpg
    Amour

    Dia desses assisti o filme Amour, drama francês que retrata a vida de um casal na velhice, após um derrame que levou Anne a uma situação irreversível, restando a Georges assistir o longo caminhar até o derradeiro fim. O filme propõe reflexão: afinal, poderia eu advogar que não havia amor em Georges, se tudo que vi nele foi amor? Diante dos mistérios insondáveis, o silêncio é a resposta mais prudente.

  • imagem salto.JPG
    Sobre descer do salto

    Ao final de uma relação, muito há a ser dito mas alguns preferem o silêncio, acorrentando as palavras na goela. Acontece que não adianta querer sair de boa gente, nada consola até que se diga o que é preciso ser dito. Então fale, grite; que o outro receba nossas palavras e faça com elas o que quiser. Passe o bastão e não adoeça. Suba novamente no salto e siga em frente.