Agatha Andrade

Em meio a milhares de vidas amontoadas buscamos o que está dentro de nós mesmos para nos sentirmos mais autônomos em um mundo tão igual. É só ao observar o vazio que tememos que ele, também, esteja além das estrelas. Medo de que essas estejam tão perdidas quando nós. Blog:www.screepeer.com.br

Feminismo é mais do que aparenta!

Ser feminista se tornou quase que uma ofensa em alguns ambientes femininos. Mulheres que dizem que isso é chato e que deveriam parar de falar sobre isso. Será? Será que isso é tão irrelevante assim? Justo em um país, em que se deve tomar cuidado de como se vestir ou não para não despertar o estuprador da esquina.


feminismo-0154670.jpg

Sempre foi assim. Uma sociedade que controla ambos os sexos em regras que lhes impõe papéis que os moldam de uma maneira que foi naturalizada por séculos. O homem que deve agir assim e a mulher que deve agir daquele jeito. Isso pode parecer normal até se enxergar o que há em meio á essas relações.

Problemas que coagem um e o outro, e, quando um tenta lutar contra as diversas mazelas lhe imposta, é ridicularizado. Talvez, essa seja a questão de ser feminista hoje. Ser ridicularizada por não querer fazer parte de um papel social que sempre fora lhe imposto. Por não querer agir segundo á uma cultura que construíram para ela trajar.

Ser feminista se tornou quase que uma ofensa em alguns ambientes femininos. Mulheres que dizem que isso é chato e que deveriam parar de falar sobre isso. Será? Será que isso é tão irrelevante assim? Justo em um país, em que se deve tomar cuidado de como se vestir ou não para não despertar o estuprador da esquina.

Ser feminista é mais do que ser a favor ou contra o aborto. Ser feminista não é deixar de ser mulher, mas não ser tratada como inferior por isso. É, também, não ser tratada como um corpo ou estereótipos.

Ser feminista não é deixar de amar ou ser amada. Não é ser superior ao homem ou pregar ódio ao tal. Pelo contrário é igualdade. É ir além dos papéis que lhe são impostos culturalmente. É saber que você como mulher tem o direito de escolher tudo o que fará com a sua vida. É saber que é mais que o gênero ou uma cultura, é um ser humano.

Mas, porque esta conversa agora? Pois é necessário em um país, onde a mulher é tratada como objeto sexual, às vezes por ela mesma.

Um país, onde uma garota de 12 anos é vitima agressões verbais com intuito sexual, após aparecer em um programa culinário infantil. Um país, onde se discute projetos em que a mulher deve provar que ela foi violentada. Isso é mais que uma crise qualquer. Isso é o fato de uma sociedade machista que vê a mulher como um objeto.

É fácil dizer que o feminismo é um exagero, mas tente passar por agressões verbais com intuito sexual diariamente. Dizer que a novinha é gotosinha, enquanto uma garota passa é um tipo de agressão, assim como usar diversos outros tipos expressões. Isso é vergonhoso para quem passa. É ruim e degradante, mas é tão normalizado com respirar.

Fingir que nada aconteceu sempre parece a melhor ideia. Passar por uma rua e deixar de passar por outra por causa de olhares estranhos é tão comum na vida de uma mulher que é naturalizado por toda uma sociedade. Deixar de usar esta ou aquela roupa para evitar olhares é tão comum que chega a ser chato comentar. Afinal, fingir que isso é comum aparenta ser a melhor opção, mas não é.

Já ouvi muito: Isso é triste, mas normal. Infelizmente, é normal. É uma triste norma social, não obstante nem por isso deve ser ignorada. Não é porque você não suporta mais falar de feminismo que ele não é relevante.


Agatha Andrade

Em meio a milhares de vidas amontoadas buscamos o que está dentro de nós mesmos para nos sentirmos mais autônomos em um mundo tão igual. É só ao observar o vazio que tememos que ele, também, esteja além das estrelas. Medo de que essas estejam tão perdidas quando nós. Blog:www.screepeer.com.br.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// @obvious //Agatha Andrade