serestar

Reflexões de um cidadão honorário de Pasárgada

Rafael Senra

Já escreveu de romances até artigos acadêmicos, mas publicou pouco. Seu livro Dois Lados da Mesma Viagem é sobre Milton Nascimento, com prefácio de Fernando Brant. Fez uma graphic novel, Balada Sideral. Também mexe com poesias e composições. Adora gatos, rock progressivo e pesquisa contos de fadas. É Doutor em Letras pela UFJF.

Deixa de ser artista! Deixa de ser sonhador!

Esse Zé Celso Martinez tá precisando ouvir umas verdades.


silvio zé celso.jpg

"Deixa de ser artista! Deixa de ser sonhador!". Ô Zé Celso Martinez, quer dizer que o Sílvio Santos te falou isso? Mas ele tá certo, cara.

Deixa de ser artista, Zé. Que importa você ser o diretor e o fundador do mais antigo grupo de teatro do Brasil, Teatro Oficina, reconhecido internacionalmente, e ser assim um desvairado, um sonhador?

Deixa de ser artista, Zé. Insistir em manter um imóvel tombado? Nesse Brasil do século XXI? E que papo é esse do bairro Bixiga em São Paulo ser uma região de casarões históricos e estabelecimentos culturais, arrasado por construções imobiliárias gigantescas e especulação? Que vitimismo Zé, que coisa de sonhador!

Deixa de ser artista, Zé. Claro que Sílvio precisa de mais um prédio. Pergunta meio idiota, cara. Pois é. Ele sempre vai precisar, não importa o quão rico seja. Ele não pode parar de lucrar, você não entende? É da índole dele. Você tem que aprender a respeitar, Zé Celso. Você e as pessoas do bairro. São apenas três prédios de vinte e oito andares. No fim vocês vão gostar, cê vai ver. Vai dar tudo certo.

Deixa de ser artista, Zé. O pessoal do conselho estadual de defesa do patrimônio histórico de São Paulo tem bom senso. Deram ganho de causa para o dono do SBT. O entorno do Teatro Opinião foi "destombado". Eles são técnicos, são como o pessoal do judiciário, esse povo estudou pra chegar onde chegou. São profissionais.

Deixa de ser artista, Zé. Você tem 80 anos. E ainda trabalhando feito um burro, fazendo bicos pra ter que pagar o aluguel? Peraí, foi mal, eu disse trabalho? Arte não é trabalho, Zé. Essas coisas aí de dar aula, fazer teatro, isso é bico. Você precisa ser alguém Zé. Que adianta ter esse reconhecimento internacional todo? Que adianta ter fundado o grupo de teatro mais antigo do Brasil? Hein? Se você não consegue pagar nem o aluguel direito? Deixa de ser sonhador.

Deixa de ser artista, Zé. O país será um lugar melhor se você e todos os artistas deixar de ser sonhadores. Vai por mim. Deixa os construtores modernizarem essa joça, deixa os profissionais fazerem o seu trabalho. Você não é profissional, é um mambembe. Artista é sinônimo de mambembe, eu li isso em algum lugar.

Sabe, xeu te dar uma moral aqui, não vou só jogar pedra... é até legalzinho o que você faz, o que esses cantorzinhos e escritores fazem, não vou negar. Já usei trecho dos seus versos pra conquistar umas minas aí, tá ligado? Pra enfeitar uns discurso de posse. Tem uma importânciazinha sim, eu falo, eu sou justo.

Mas vou falar: cês arrumam muita confusão, tá entendendo? Reclamam de tudo. Porra. No fim, se for botar no papel, a gente nem precisa tanto assim dessa arte de vocês. Agora, esses prédios de vinte e oito andares, isso é imprescindível, isso é totalmente necessário pro país. Isso vai dar emprego pros pedreiros e engenheiros ao longo de dois anos, entende?

Depois? O impacto disso? Ah, não faz pergunta difícil, Zé Celso. Isso é pergunta de sonhador. Você precisa aprender a fazer só o seu trabalho e ficar quieto no seu canto.

Ah, então quer dizer que era isso que você queria? Ficar quieto no seu canto, no Teatro Oficina, fazendo suas pecinhas?

Deixa de ser sonhador, Zé. Cê deu azar do Sílvio Santos ter comprado aquele entorno. Não importa se era tombado, porra: cê deu azar. Nessas horas, cê pega seus trapos e vaza, entendeu? É assim que funciona. Nesse país é assim: você deu azar, meu irmão, cê vaza e não cria mais problema.

Então quer dizer que professor e artista sempre dá azar nesse país? Cê falou isso mesmo? Sério? Ôoooo Zé, tô falando co'as parede esse tempo todo? Cê não tá escutando nem o que o Sílvio te falou? Dizem que cê é inteligente... e esses prêmio tudo no exterior? Desculpa, tô rindo de nervoso.

Rapá, guarda essa lição pro resto da sua vida: como cê acha que essa turma fica rica? Foi mal irmão, mas cê vai me obrigar a ser chato e repetir de novo: deixa de ser artista! Deixa de ser sonhador!


Rafael Senra

Já escreveu de romances até artigos acadêmicos, mas publicou pouco. Seu livro Dois Lados da Mesma Viagem é sobre Milton Nascimento, com prefácio de Fernando Brant. Fez uma graphic novel, Balada Sideral. Também mexe com poesias e composições. Adora gatos, rock progressivo e pesquisa contos de fadas. É Doutor em Letras pela UFJF..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// //Rafael Senra