Catarina Vasconcelos

Escritora por paixão. Inconformada por vocação. Feminista por convicção. Teimosa todos os dias. Mau feitio de sobra. Sonhadora nas horas vagas

O dia em que me apaixonei por Alberto Caeiro

Apaixonei-me por Alberto Caeiro no primeiro verso que li. Voltei a apaixonar-me, uma e outra vez, em cada poema que lia e relia até à exaustão. Há amores assim.


fc883a641f3911e7f5e0fd239838f6bb.jpg

Lembro-me como se fosse hoje. Era um dia de sol de Outono. Tudo o que eu queria era olhar pela janela ao invés de prestar atenção nas palavras melódicas do senhor professor. Mentira. Nunca gostei de olhar pela janela. A janela apenas mostrava um pátio vazio e cinzento, nada mais. Preferia olhar os livros e, a partir deles, voar para longe dali.

Foi então que, numa página perdida do grande manual de português, encontrei o Guardador de Rebanhos. E comecei a ler para mim. E apaixonei-me nesse exacto segundo. E começou aí, numa sala bafienta de um colégio frio e triste, esta minha paixão desmedida. O dia transformou-se em belo e tudo fez mais sentido.

“Eu sou um guardador de rebanhos”, dizia ele. E eu suspirava. “Sei a verdade e sou feliz”. E eu suspirava outra vez, vezes sem conta perante o olhar quase atormentado do senhor professor. E voltava ao início. E lia outra vez, como se fosse a primeira vez. Tinha 17 anos, pouco mais se poderia esperar de uma miúda de 17 anos cheia de sonhos na alma. Sentia que Alberto Caeiro me compreendia. Como se, tantos anos antes, tivesse adivinhado a minha pessoa e os meus pensamentos e decidisse escrevê-los para que, quando eu os lesse, me recordasse de mim mesma ainda antes de existir. Confuso, eu sei. Mas era este o meu pensamento de cada vez que lia e relia os seus poemas. Foi Alberto Caeiro que me valeu muitos dezanove valores nos testes de avaliação. Era nele que me inspirava para escrever tudo direitinho. E quase morria de alegria quando o poema para analisar era dele ou quando o texto expositivo-argumentativo era sobre ele.

Alberto Caeiro não é só um heterónimo. Não é apenas um heterónimo. É mais, muito mais, tão mais do que isso. Alberto Caeiro existiu, se mais não foi, na minha imaginação e na devoção que ainda hoje lhe tenho. É, para mim, como um Deus. O Deus das palavras simples. Alberto Caeiro ensinou-me a ser simples, a olhar de forma simples, a sentir de forma simples. Pena eu me ter esquecido de alguns desses ensinamentos. Alberto Caeiro ensinou-me a gostar mais do rio que corre pela minha aldeia.

Chamam-lhe o poeta da Natureza. O mais simples. O mais verdadeiro. Aquele que apenas olhava e era feliz por isso. Aquele que se contentava com o sabor do vento, sem querer saber mais do que isso. Aquele que contemplava a beleza de uma borboleta sem querer saber de onde ela veio ou para onde vai. Alberto Caeiro era assim, fiel aos sentidos.

Talvez seja esta melancolia feliz, ou esta felicidade melancólica, que nos une. Talvez veja nos seus versos identidade. Sentimento. Emoção. Ingenuidade. Talvez os seus poemas me devolvam um pouco da criança que fui um dia e deixei morrer algures no caminho que percorri até aqui. Talvez.

Quando estou triste, só os poemas dele me alegram. E me confortam. E me fazem chorar. Porque chorar também é bom, limpa a alma, alivia a dor que às vezes é tanta. E, por momentos, volto a ser aquela menininha de 17 anos, cheia de sonhos na alma, naquela sala bafienta de um colégio sem sol. E volto a apaixonar-me, uma e outra vez, as vezes que forem precisas.

Não me peçam para fazer análises semânticas dos seus poemas. Não me peçam para estabelecer comparações e linhas paralelas com o seu progenitor Fernando Pessoa (que também muito estimo). Não me peçam para descobrir correntes linguísticas em cada verso, ou nos versos todos. Por certo, não o saberei fazer com a mestria dos que dominam o mundo das letras. Mas, se me pedirem para falar daquilo que sinto quando leio os seus poemas, passarei horas e horas a falar e a demonstrar, por vezes de forma incompreensível, todo esse sentimento, todo esse amor. Amor, sim, amor. Porque é possível amar muitas coisas. Porque devemos sempre amar aquilo que nos faz bem, que nos sustenta, que nos permite parar e desfrutar da simplicidade de cada coisa.

Esta paixão sem tamanho pela obra de Alberto Caeiro já faz parte de mim. Devo-lhe este amor pelas letras, pela poesia, pela arte. Devo-lhe a sensibilidade que fui desenvolvendo ao longo dos anos e que me faz olhar o mundo de forma diferente. Devo-lhe o dom de conseguir escrever aquilo que sinto, aquilo que me define, aquilo que me sustenta. Devo-lhe tanto que todas as palavras e todos os poemas do mundo são poucos para demonstrar a minha gratidão.

E em jeito de despedida:

"Saúdo todos os que me lerem,/ Tirando-lhes o chapéu largo/ Quando me vêem à minha porta/ Mas a diligência levanta no cimo do outeiro./ Saúdo-os e desejo-lhes sol,/ E chuva, quando a chuva é precisa,/ E que as suas casas tenham/ Ao pé de uma janela aberta/ Uma cadeira predilecta/ Onde se sentem, lendo os meus versos." - Alberto Caeiro em O 'Guardador de Rebanhos'


Catarina Vasconcelos

Escritora por paixão. Inconformada por vocação. Feminista por convicção. Teimosa todos os dias. Mau feitio de sobra. Sonhadora nas horas vagas.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// @obvious, @obvioushp //Catarina Vasconcelos