sobre filmes e lobos

Cinema e outras espécies, com um olhar particular sobre esta grande matilha chamada "mundo".

Diego Ribeiro

Gostou do texto?

Confira esse e outros tantos no site www.inspiracine.com.br

Inspira Cine, respire cinema.

Facebook: /inspiracine
Instagram e Twitter: @inspiracine

8 ou 80? Há como amar os 8 odiados de Tarantino?

Sabemos que a capacidade de realização de Tarantino é espantosa, mas será que o diretor conseguiria sobreviver, e por sobreviver diga-se rodar um novo filme, sem o uso de um exagerado banho de sangue, violência gratuita e abuso de esteriótipos?


oito2.jpg

Neve e sangue, bem e mal, justiceiros e condenados em um lugar remoto onde anjos e demônios eclodem para dar forma a um dos filmes mais violentos que Tarantino já fez: Os 8 odiados. Mas será o filme brilhante?

oito3.jpg

O novo filme do queridinho da América chegou às telonas como uma ferocidade fora do comum, esquentando o inverno norte americano num banho de sangue sem precedentes. Quentin reúne um elenco de peso e figuras habituadas a trabalhar com o diretor como Samuel L. Jackson e Kurt Russel.

Usando a narrativa da história como uma ferramenta para prender o público e dividindo o filme em atos ou capítulos, como num grande teatro, Tarantino nos mostra uma história de vingança recheada de reviravoltas proporcionadas por 8 personagens bastante heterogêneos.

oito5.jpg

Por conta de uma nevasca, o carrasco John Ruth (Kurt Russell), que está transportando a famosa prisioneira Daisy Domergue (Jennifer Jason Leigh) em busca da recompensa, acaba tendo que realizar uma parada num local conhecido como Armazém do Minnie, na companhia de um "colega de profissão" Marquis Warren (Samuel L. Jackson) e o suporto novo xerife de uma cidade próxima, o misterioso Chris Mannix (Walton Goggins).

oito6.jpg

Uma vez neste local, um sentimento de desconforto e apreensão cresce entre os recém-chegados, já que eles não estão sozinhos ali e sim na companhia de pessoas até então desconhecidas e suspeitas. Paulatinamente, o clima entre os 8 chegará a um conflito inevitável em que na ausência de qualquer sentimento de confiança, um sentimento de "todos contra todos" irá tomar conta do local, causando um banho de sangue.

O filme tem uma fotografia belíssima e uma trilha sonora encantadora, que torna mais saboroso apreciar cada minuto da obra Além disso, o filme foi totalmente rodado em 70mm, já que Quentin é um defensor caloroso do celuloide. Realmente, olhando por cima, não há o que se queixar do filme. Todos os aspectos estéticos são bons, atuações dignas de Oscar e cada elemento é posto no longa de forma pensada e calculada.

oito7.jpg

Mas será que não parece mais do mesmo? Algumas fórmulas, jargões e piadas, reviravoltas e cenas em "Os 8 odiados" parecem ser claramente uma repetição de artimanhas já usadas pelo diretor em outros filmes da sua carreira. Sabemos que a capacidade de realização de Tarantino é espantosa, mas será que o diretor conseguiria sobreviver, e por sobreviver diga-se rodar um novo filme, sem o uso de um exagerado banho de sangue, violência gratuita e abuso de esteriótipos?

"Os oito odiados" não deixa a desejar, mas entre 8 e 80, Tarantino deveria, na sua próxima obra, buscar o equilíbrio entre trama e sangue para que os momentos de êxtase do seu filme não sejam, principalmente, quando algum personagem tem sua cabeça explodida.


Diego Ribeiro

Gostou do texto? Confira esse e outros tantos no site www.inspiracine.com.br Inspira Cine, respire cinema. Facebook: /inspiracine Instagram e Twitter: @inspiracine.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/cinema// @obvious, @obvioushp //Diego Ribeiro