solidão sociável

O uivo do Silêncio e a descoberta humana do verdadeiro Conhecimento

Yan Masetto

Em busca do equilíbrio fundamental para viver. Escreve para sobreviver, pois com palavras supera os obstáculos cotidianos. Um pouco de louco, somado a um fator imparável para pensar e refletir a vida que rodeia a cada passo.

Falácia do Batman

Sabe aquele momento em que você está conversando, dialogando, e, inclusive, argumentando seu ponto de vista, quando seu interlocutor te responde com frases do tipo "rouba, mas faz", "não critique, pois poderia ser pior", "aceita isso que é melhor, poderia estar sofrendo todo mundo, não só aquele grupo", entre outras? Então, você está diante da Falácia do Batman.


eu sou ricaaaaaa.jpg

Todos gostam de conversar, ou, pelo menos, trocar umas palavras com outras pessoas. Nessas conversas nem sempre conseguimos manter a compostura, ou argumentar com a outra pessoa que pensa diferente de nós. E, em muitos casos, sair de perto não é aceitar a posição alheia, é apenas para não criar um mau-estar. Entretanto, e infelizmente, raras vezes aceitamos que não conseguimos defender racionalmente aquilo com que lidamos e pimba, damos aquela famosa apelada: dizemos que a outra pessoa é chata, ou que não suporta escutar ideias contrárias. Ou até mesmo que é para parar de impor suas ideias sobre as outras. E mais: ainda dizemos que, se não gostamos de algo, que procure outro bem absurdo. Eis o que é a Falácia do Batman. Não entendeu ainda qual o ponto? Então, vamos para os exemplos.

Vamos imaginar a situação: dois cozinheiros estão trabalhando, e um deles vê o outro fazendo algo equivocado. Aquele comenta a circunstância e o equivocado, em vez de aceitar e tentar entender o que não está saindo bem, ou até mesmo mostrar o porquê de fazer daquele jeito e explicar, inicia um ataque dizendo que só ouve reclamação, ele sempre diz que não faz nada certo, que não quer saber porque é injustiçado, até o ponto em que, nesse rompante de fúria, diz que é para o outro procurar outro cozinheiro para seu lugar, pois não vai aturar mais isso.

Estranho? Difícil de entender a situação? Diria que é muito tranquilo e fácil de compreender tal reação, aliás. É muito mais "normal" do que deveria ser. Uma atitude passional pura, que não leva a lugar algum, além de conflitos e desentendimentos. Vejamos outro exemplo para que fique ainda mais claro.

Um casal, pronto para sair. Decidiram que vão jantar fora. Um deles comenta sobre o perfume, que está incomodando. A outra pessoa, que passou o perfume, em vez de tentar argumentar que é seu preferido, que gosta muito, ou perguntar o motivo do incômodo, começa a gritar, dizendo que nada que faz está bom, sempre ouve críticas, tudo sempre está errado quando parte desta. E, em meio a isso, normalmente virão algumas ofensas, descabidas e descontroladas. Moral da história: muito provavelmente já era o jantar.

O que ambas histórias têm em comum? A Falácia do Batman. Como isso, me perguntarão. Simples: em vez de um ganho significativo, em vez de conhecer o motivo da crítica, da reclamação, inclusive, a única coisa que perdura no momento é o ataque passional, uma defesa incomensurável, que não levará a lugar algum. Não há ganho, não há a mínima possibilidade de diálogo quando se apela para este campo sentimental. Não se tem como argumentar, tentar entender algo desse modo.

E o que tudo isso tem a ver com as nossas vidas? Simples: convivemos com tal postura todos os dias, praticamente em todos os momentos. Quantas vezes não encaramos, em conversas informais, na fila do supermercado, na lanchonete, e fazemos um comentário qualquer e se escuta uma resposta assim? É uma atitude que beira a infantilidade, diria. Não se tem como amenizar, ou mesmo se fazer entender: quem rompe as barreiras racionais de um diálogo, após um comentário/crítica, não escutará nada. É uma verdade, podem perceber. Não é um argumento, e mais, não há mais modo algum de argumentar com esta pessoa. Quem se utiliza da falácia apenas faz a pessoa parecer que fez algo errado (e, muitas vezes, nem o tom foi realmente motivo).

E o mais interessante: por que Falácia do Batman? Surgiu de um vídeo com o mesmo nome que, no último exemplo usado, ele conta o causo de uma das manifestações que, em uma das faixas dos manifestantes, estava Abaixo a PM, que obteve como resposta, de um policial, exatamente: - Não gostou, chama o Batman! Sim, exatamente por isso. Usando da falácia, houve a citação do personagem Batman. A ideia é a mesma: não argumentou, apenas o passional ficou à mostra.

Bem, é isso. Espero que tenham entendido, ou ao menos visto que aquele tipo de reação bem comum tem até um nome. Um nome legal, aliás. E fica a dica: tentem argumentar, apontar, apresentar suas ideias devidamente, a Falácia do Batman não te leva a lugar algum, não te ajuda, e pior: não serve para nada!

Ps: Um agradecimento especial para o canal Desconstruindo Ideias e, um segundo vídeo, analisando pelo viés Anarquista, do canal Papo Subversivo pela análise sensata e bem feita, já que ambos serviram de inspiração para este texto.


Yan Masetto

Em busca do equilíbrio fundamental para viver. Escreve para sobreviver, pois com palavras supera os obstáculos cotidianos. Um pouco de louco, somado a um fator imparável para pensar e refletir a vida que rodeia a cada passo. .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/artes e ideias// @obvious, @obvioushp //Yan Masetto