sombras do dia

Olhares sobre o que resta da palavra dita

Lia Gabriele Regius

Lia Gabriele Regius é tradutora e revisora de textos. Pós-graduada em assessoria linguística, está sempre atenta ao universo da comunicação. É vegetariana, praticamente nômade e adepta da arte de dar nomes literários a animais de estimação.

O narcisismo das redes sociais chega à literatura nacional

Se você já observou que redes como o Facebook se transformaram em um exercício de culto ao espelho, não vai se surpreender quando observar a nova leva de aspirantes a escritores ou autores iniciantes


De médico e de louco todos temos um pouco. Na era das redes sociais, porém, as pessoas tendem a evidenciar que são caracterizadas por um monstro bem mais comum: o narcisismo. Não bastou usar a rede como uma espécie de diário aberto a quem quiser ler, com direito a avisar ao público quando você acorda e quando decidiu ir dormir. Os usuários ainda se renderam aos famigerados testes de personalidade. Sim, porque todos querem que o mundo saiba que animal foram na última vida ou qual o seu grau de ciúme em relação ao parceiro.

Embora essa tendência possa ser bastante irritante quando manifestada em massa em nossa timeline, a situação não é desesperadora. Desesperador é o fato de desconfiar de que, como as mídias sociais ocupam grande parte de nosso tempo livre, é evidente concluir que a leitura da população nos dias de hoje se limite ao conteúdo das redes. Se você acha essa afirmação exagerada, lembre-se das últimas discussões políticas que protagonizou. O desafio é encontrar um adversário que não tenha usado um post amplamente compartilhado como argumento. Se não encontrar nenhum, talvez quem use o Facebook como fonte para dados seja você.

Vamos ignorar todos os problemas envolvidos nesse panorama. Afinal, em sua página pessoal cada um faz o que quer. E se falar unicamente de si parece ser uma boa pedida para muita gente, não somos ninguém para reclamar. Vivemos em um país livre certo? Cada um que seja egocêntrico no grau que desejar.

As coisas ficam mais complicadas, porém se você imaginar que dessa rede estão saindo vários de nossos futuros escritores. Para falar a verdade, alguns deles já estão lançados, inclusive com página para os fãs, em geral criada pelos próprios autores.

Antes de chegarmos a eles, falemos um pouco sobre antigos escritores que nem são tão antigos assim. Pense em Luis Fernando Veríssimo, um mestre em retratos do cotidiano, ou Rubem Fonseca, que muitos descrevem como o autor da vida-como-ela-é, tanto quanto Nelson Rodrigues. Volte um pouquinho no tempo e relembre as reflexões em verso do poeta Mario Quintana também.

Pronto. Podemos voltar à literatura nacional contemporânea. Nessa parte nenhum nome será citado. Publicidade ruim continua sendo publicidade, de modo que é melhor se limitar ao que merece ser gritado aos quatro ventos. Desafio você a encontrar uma lista dos livros mais vendidos no Brasil. Dessa lista, selecione os títulos de novos autores. Leia as sinopses das histórias e tente encontrar algo que se afaste de temáticas como “como perdi minha virgindade”, “como reagi ao fim de meu relacionamento” ou algo do gênero.

Se esse exercício não convencer você, temos o desafio de número dois. Acesse a página de um novo autor brasileiro e percorra brevemente suas publicações. Procure definir o conteúdo predominante na página. É literatura ou autopromoção? Temos reflexões cotidianas ou aprofundadas sobre o universo ou relatos pessoais enfeitados como anedotas ou poesia? Pode haver quem ainda não esteja satisfeito. Tenho um último desafio. Participe de grupos de autores independentes ou escritores iniciantes. A tarefa é simples: procure posts que não sejam sobre venda de livros ou novos capítulos disponíveis em alguma plataforma. Também não podem ser referentes a promoções de livros próprios ou comemorações pessoais dos autores que figuram na lista de mais vendidos de algum site de comercialização de ebooks.

Isso é o que temos para o jantar. Estamos testemunhando o surgimento de uma nova geração de autores. Eles sabem falar só de si mesmos como se fossem o assunto mais interessante do universo. Eles fazer book trailers de suas obras como nós fazemos o exercício de procrastinação de tarefas diárias. Alguns, e pode acreditar em mim, colocam a própria imagem na capa do livro (não, não basta a foto na contracapa). Eles sabem se vender e se autopromover de uma forma que causaria inveja a vendedores ambulantes de artigos do Paraguai ou da China.

A comparação com produtos baratos não foi uma mera coincidência. Eu me pergunto se uma pessoa com uma veia tão forte de vendas também tem a sorte de ter uma veia efetivamente literária pulsando. Me pergunto se alguém tão acostumado a falar sobre si mesmo é capaz de penetrar o universo de outras pessoas. Além de um relato sobre o que gostam de comer ou o que pensam sobre dias de chuva, poderão esses novos escritores nos fazer olhar o mundo com novos olhos? E quem vende três isqueiros por um real na rua costuma oferecer produtos duradouros?

Tudo indica que a literatura intimista de Clarice Lispector agora tem ramificações monstruosas. Chegamos à literatura narcisista. Ganha quem for mais apaixonado por si mesmo, quem tiver mais anedotas para contar da própria vida ou sentimentos que precisam ser gritados ao mundo todo. O público? Bem, os leitores ganham a oportunidade incrível e única de saber mais sobre um estranho que talvez nem tenha uma vida tão diferente da sua. Mirror.jpg Eu não sei quanto a vocês, mas se eu tiver que ler sobre o que alguém pensa sobre a combinação “café com pão de queijo”, eu prefiro me limitar a acompanhar as publicações de meus amigos nas redes sociais. Nosso laço de convivência acaba tornando essas novidades atraentes. Para quem quiser literatura, de verdade e à moda antiga, a solução é garimpar bastante. Talvez aquela velha imagem do autor que se esconde atrás de sua máquina de escrever em uma casa isolada não fosse um estereótipo tão desnecessário assim.


Lia Gabriele Regius

Lia Gabriele Regius é tradutora e revisora de textos. Pós-graduada em assessoria linguística, está sempre atenta ao universo da comunicação. É vegetariana, praticamente nômade e adepta da arte de dar nomes literários a animais de estimação..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Lia Gabriele Regius