submundo do som

Eles não vão entender, não vão consumir

Jeff Ferreira

Eu sou um misto de ossadas indigentes
Ao lado do cadáver de Tim Lopes
Com fliperama violento de boteco
Informação para desviciar os olhos

Quem é o Criolo?

A voz da nova geração da música brasileira contém o Criolo, poeta do rap, que tem respingos de sua arte em outras esferas da música brasileira. Com um estilo ímpar, o Criolo arrasta uma multidão por onde passa e influencia os jovens com os temas de suas canções, trazendo para o rap novos adeptos, e leva para o samba, MPB, reggae e até bolero as gírias do hio hop, conheça um pouco do Criolo e qual é a sua missão.


Criolo.jpeg Kleber Cavalcante Gomes, vulgo Criolo O Criolo é o Kleber Cavalcante Gomes, pesquisando rapidamente você vê que o cara é do meio artístico do rap, porém o ouvinte old school (pra não dizer conservador) pode escutar os discos “Nó na Orelha” e o mais recente “Convoque seu Buda” e ficar desconfiado, pois a levada desses dois álbuns é diferente do primeiro registro “ Ainda há Tempo”, nesse disco as faixas são “rap” da primeira a última, letras carregadas, flow, gírias, os BPM das pick up’s, os sampler’s e os discursos contundentes, seguindo a escola do rap nacional como Thaide, Racionais, RZO, Sabotage ou SNJ. Um pesadíssimo disco de rap do Criolo Doido.

“Cantar rap nunca foi pra homem fraco, saber a hora de parar é pra homem sábio”, rima Criolo em “Sucrilhos no Prato”, pois após 10 anos de hip hop decidiu que era hora de aposentar o flow, por insistência dos irmãos de caminhada resolveu “documentar”, como ele mesmo disse, as músicas que estavam engavetadas. Como seria apenas um registro ora família, sem a pretensão de virar um CD comercial, o Criolo queria colocar todo seu potencial que ia além do rap, gravou samba, bolero, reggae, inde, MPB além de muito hip hop, tudo bem mesclado, então a primeira vez que se ouve o Nó na Orelha vem a desconfiança: “Música comercial pra tocar na rádio!”, mas o ouvinte mais atento percebe a poesia das letras e a melodia dos hinos de uma música ímpar, que foi feito pra tocar nos auto falantes de um grupo seleto, sem a pretensão de vender, Criolo botou o coração em cada faixa desse disco.

Há uma máxima que os Racionais MC’s são o grupo de rap mais rock n' roll do país, não por ter rock, o estilo musical, nas composições de Mano Brown ou nas batidas de KL Jay, mas pela atitude rock n' roll que o grupo apresenta. Nessa pegada, eu digo que o Nó na Orelha, e o Convoque seu Buda também, são duas pauladas, dois discos de rap raíz, mesmo não sendo rap de uma ponta à outra, mas por que traz a essência do rap em cada faixa, o discurso, a mensagem, o louvor, o samba do Criolo, o Bolero do Criolo, o reggae do Criolo é mais rap do que artistas e músicas que se dizem rap “puro”, tô falando da essência meu irmão!

criolo-bio.jpg Criolo inspiração para nova geração Então o Criolo sobe no palco canta seus raps, canta suas músicas que as vezes não são rap, mas que tem a essência e a vibe do rap e acaba sendo mais rap do que muitos rap. Isso atrai uma molecada nova, que se pá nem é do rap, mas ouve um Criolo é se identifica, com a poesia, com a levada, e hoje você vai no YouTube e vê vários maluquinho fazendo versão do Criolo com violão, e não é só das MPBs do Criolo não, “Subirusdoistiozin”, “Lion Man”, “Esquiva da Esgrima” e por aí vai. Então aí que você vê que o Criolo é doido mesmo, e que virou o jogo, do “ — Ihh Man… esse é mais um som comercial, pra prayboy” para um “ — Véio, Criolo representa a quebrada, levou o rap e as gírias pra onde muito medalhão num conseguiu (ou nem tentou)!!!

Pra finalizar, se ainda dúvida do Criolo é só ver as causas que o maluco apoia, são causas que o hip hop apoiava lá trás, nos anos 90, séc xx, mas que com as facilidades da informação deixaram de lado. Então lição de casa: prestar atenção nos discursos do Criolo e se lembrar da essência do RAP, rapaz!


Jeff Ferreira

Eu sou um misto de ossadas indigentes Ao lado do cadáver de Tim Lopes Com fliperama violento de boteco Informação para desviciar os olhos.
Saiba como escrever na obvious.
version 28/s/musica// @obvious, @obvioushp //Jeff Ferreira