the insolitus

A liberdade de expressão guiando o mundo

Thalia Fontinele

"Ela me escapa... me escorre entre os dedos. E, ainda mais! Não é sequer tão definida: ainda me restam traços dela nas mãos, manchas relativamente lentas para secar ou que é preciso enxugar. Ela me escapa, escapa a toda definição, mas deixa rastros, manchas informes em meu espírito e sobre o papel."

Será que a busca pela felicidade não se tira o tempo de ser feliz?

Em uma sociedade completamente embaraçada com o espetáculo que ela mesmo criou para sustentar-se, a famigerada hipocrisia, ousar ser feliz é, insolitamente, uma virtude. Como Woody Allen diria: "Como seria feliz se eu fosse feliz"


Black-Mirror-Nosedive_unume6.jpg Em uma sociedade completamente embaraçada com o espetáculo que ela mesmo criou para sustentar-se, a famigerada hipocrisia, ousar ser feliz é, insolitamente, uma virtude. Como Woody Allen diria: "Como seria feliz se eu fosse feliz".

Lewis Carroll tentou explicar que a felicidade é algo que não pode ser aplicável a todas as pessoas, ou seja, não há fórmula. Alice chega em Wonderland pensando que as regras de England também se aplicariam ao novo mundo: essa é a grande questão da sociedade pós-moderna – achar que existe uma noção de felicidade imutável e, que se aplicará a todos de forma igual.

download.png

O pensamento aristotélico afirma que o homem é caracterizado por possuir a razão, e isto o diferencia dos demais seres. Assim, felicidade deve ser uma atividade da razão: é algo imutável, exercício de virtude (do grego, "aretê", significa adaptação perfeita) e de prudência (do latim, “prudentia”, significa sensatez). Com isso, pode-se inferir que ser feliz é prática de uma minoria. Já os epicuristas afirmaram que a fuga da dor e a busca pelo prazer são princípios fundamentais da natureza. Dessa forma, a busca pelo prazer é o fim do ser humano, sendo este prazer proporcionado pelas satisfações do corpo. Temos, portanto, uma visão hedonista de felicidade proposta pelos epicuristas. Essa perspectiva conversa com os estudos de Freud: em “O Mal estar na civilização”, ele afirma que o homem anseia pela felicidade e que esta advém da satisfação de prazeres, dentre eles, o do corpo. E, o mais intrigante: o pai da psicanálise tenta conceituar o que é felicidade a partir de um desejo reprimido e não de um explícito. Pode-se dizer que a felicidade pode sofrer restrições, devido a tabus ou próprio regimento da sociedade. Mais uma vez, afirma-se a prática de difícil acessibilidade de uma definição e de uma prática do que é ser feliz.

Em qual desses grandes filósofos acreditar? No que você quiser. Você é quem dita o que é felicidade. Ter um relacionamento dos sonhos? Se realizar profissionalmente? Bens materiais? Entenda antes que há uma enorme diferença entre felicidade e bem-estar: você pode estar “bem de vida”, mas não ser feliz. Ser feliz é encontrar o que faz você bem, sem prejudicar os outros. É se livrar de pesos. É ter liberdade. Cada pessoa para ser feliz depende de si próprio, independentemente do lugar e da situação. Esse conceito gira em torno da liberdade, e é, todavia, delimitado por certos grupos por não conhecerem ou ignorarem a natureza tão abrangente e mutável dessa definição.

Essa é a ideia de Black Mirror, uma série criada por Charlie Brooker, que apresenta ficção especulativa sobre temas bastante críticos e futuristas retratados na sociedade atual. Em especial, o primeiro episódio da terceira temporada, titulado como "Nosedive", retratou a hipocrisia das redes sociais: viver a vida para agradar os outros. O nome do episódio, queda livre, já é uma crítica maçante para reafirmar a decadência dos nossos valores, e a continuidade desse fenômeno. "E não vejo razão alguma pela qual a decadência da cultura não possa continuar(...)" - T. S. Eliot


Thalia Fontinele

"Ela me escapa... me escorre entre os dedos. E, ainda mais! Não é sequer tão definida: ainda me restam traços dela nas mãos, manchas relativamente lentas para secar ou que é preciso enxugar. Ela me escapa, escapa a toda definição, mas deixa rastros, manchas informes em meu espírito e sobre o papel.".
Saiba como escrever na obvious.
version 4/s/sociedade// @obvious, @obvioushp //Thalia Fontinele