thiago de melo

"É fácil trocar as palavras, difícil é interpretar os silêncios!" (Fernando Pessoa)

Thiago de Melo

Se você também não aguenta mais tantas notícias na internet sobre desgraças sem fim, vamos fugir para uma realidade alternativa por meio das palavras. Venha "Ler pra Esquecer". Mais textos de Thiago de Melo em: http://lerpraesquecer.blogspot.com.br/

Qual seria o mínimo que eu precisaria ensinar aos meus filhos para me considerar um pai realizado?

Depois que me tornei pai, comecei a refletir sobre o tamanho da responsabilidade que é criar e educar os filhos. Tentei reduzir essa tarefa imensa a algumas linhas, para servir de base para mim mesmo ao longo dos anos que estão por vir. Talvez outras pessoas possam se identificar com essas mesmas linhas, por isso estou deixando-as aqui publicadas.


800px-Tattoo_withchild.jpg

Sempre tive o sonho de ter uma família, uma esposa que me amasse muito e filhos a quem eu poderia ensinar o pouco que sei e mostrar as mais belas coisas do mundo pela primeira vez. Eu imaginava como seria a expressão no rosto dos meus filhos quando eles vissem o mar pela primeira vez, a primeira ida ao zoológico. “– Papai, olha, um leão!”. As crianças têm a oportunidade de experimentar sensações pela primeira vez e a dádiva de ainda não terem se fechado emocionalmente com vergonha de expressar suas emoções. Para quem assiste, é um espetáculo sem comparação.

Esse sempre foi meu sonho e, graças a Deus, estou conseguindo realizá-lo. Tenho 34 anos e uma esposa linda, que é minha namorada e companheira na alegria e na tristeza há 13 anos. Temos uma menina linda de 4 anos, Beatriz, e um pequeno ainda no forno, Mateus, que deve fazer sua estreia neste mundo no final de junho de 2015.

Não obstante os sonhos que eu sempre tive quando jovem, desde o nascimento da minha filha, passei a refletir um pouco melhor sobre o que eu quero, de fato, mostrar e ensinar aos meus filhos. No excelente discurso de Steve Jobs aos formandos da Universidade de Stanford, em 2005, o fundador da Apple comentou que foi diagnosticado com um câncer no pâncreas e que uma das primeiras coisas que ele pensou sobre o diagnóstico foi: “Significa ter que dizer aos seus filhos, em alguns meses, o que você pensou que teria os próximos 10 anos para dizer”.

Essas palavras me fizeram pensar... pensar muito... A vida moderna é complicadíssima. Cada vez fica mais difícil encontrar seu espaço neste mundo. Pode-se dizer que é mais fácil ganhar na loteria do que atingir a excelência no polinômio: Trabalho – Realização profissional – Dinheiro – Realização pessoal – Vida familiar – Vida afetiva... E a lista continua. Quem achar que estou exagerando que atire a primeira pedra. Conseguir ensinar, ou auxiliar, meus filhos a dominar tantos aspectos da vida vai levar décadas (eu mesmo, estou longe de conseguir dominar qualquer coisa – muito longe).

Mas e se eu não tiver tanto tempo? E se eu tivesse só este artigo? Qual seria o mínimo que eu precisaria ensinar aos meus filhos para me considerar um pai realizado? Quem é pai sabe o quão inatingível é essa última pergunta.

Depois de muito refletir, e logicamente influenciado pelas minhas experiências pessoais, cheguei à conclusão de que, se eu conseguir incutir nos meus filhos três características básicas, vou me considerar um pai realizado:

1º – Não ter medo de trabalho duro. Muito duro. Seja físico ou intelectual;

2º – Manter-se constantemente aprendendo, curioso, lendo, descobrindo;

3º – Acreditar que nada é impossível.

Ernest_Hemingway_with_sons_Patrick_and_Gregory_with_kittens_in_Finca_Vigia,_Cuba.jpg Ernest Hemingway brincando com os filhos em Cuba.

Não sou guru. Não tenho e nem nunca tive uma ideia original. Esses três pontos não representam nada de novo para muita gente, são quase clichês do século 21, mas para mim, foi o meu momento “Eureka” como pai.

Veja, esses três aspectos são como um tripé, na falta de um, os outros dois não se sustentam. De nada adianta simplesmente trabalhar duro, sem rumo, sem foco. Muitas pessoas trabalham duro a vida inteira e não se sentem realizadas, não alcançam os seus sonhos. Ler muito e ser curioso por continuar aprendendo, por si só, sem trabalho, sem dedicação, não leva a lugar algum também. E por fim, se você não acreditar que pode realizar seus sonhos, não vai trabalhar duro e não vai se interessar por continuar aprendendo.

Com as raríssimas exceções daqueles que recebem tudo de mão beijada, nada nesta vida se alcança sem muito trabalho duro, mas a nova geração ainda não se deu conta disso. Então, não ter medo de trabalho duro, já colocará meus filhos à frente de mais da metade da população mundial deste novo milênio. “Beatriz, você quer ser bailarina? Esteja preparada para anos e anos de muito treino e dedicação.” “Mateus, você quer ser astronauta, piloto de avião, Juiz ou o que quer que seja? Somente se estiver disposto a enfrentar de peito aberto anos e anos de trabalho duro e dedicação é que você conseguirá alcançar o seu sonho. Não existem atalhos, meu filho."

Sou bibliófilo de carteirinha. Adoro ler e ter a oportunidade de viver situações que jamais viveria na vida real. Ver acontecimentos por pontos de vista completamente distintos do meu, aprender sempre e o máximo possível. Eu sou o produto de todos os livros que li na vida.

Com meu espírito leitor, dedico-me bastante, diariamente, para despertar nos meus filhos o prazer da leitura. (Peraí, “filhos”? No plural? Mas o Mateus ainda nem nasceu!) Pois é, mas eu também leio para o Mateus, que ainda está dentro da barriga da minha esposa! Também ouvimos música com ele e conversamos sobre os mais variados temas! (rs) Acredito que ler, ler muito, em profusão, todos os dias, infinitamente, o tempo todo, o ano inteiro, é, em uma só palavra: fundamental! Os livros poderão ensinar aos meus filhos muito mais coisas do que eu jamais conseguiria, então, minha prioridade é fazê-los gostar de ler, o resto é entre eles e os livros.

Por fim: acreditar.

Sabe aquela pergunta que todo mundo faz às crianças: “O que você vai ser quando crescer?” Essa pergunta, em um dia distante da minha infância, ficou marcada para sempre na minha memória, mas não na ordem natural. Quem fez a pergunta fui eu. Eu tinha 6 ou 7 anos de idade e perguntei a minha mãe: “Mãe, o que EU vou ser quando crescer?”. Ela, inspirada pela sabedoria infinita da maternidade, disse:

“– Você pode ser o que você quiser!”

“– Mesmo astronauta? Ou até Presidente?”

“– Sim. O que você quiser!”

Aquele foi um momento libertador. A partir daquele momento eu podia ser o que quisesse! (Podia sim, minha mãe me disse! rs). E essa liberdade me fez perder o medo de tentar qualquer coisa, mesmo que parecesse maluca ou inatingível. E nesses 34 anos eu já fiz muita coisa que foi considerada completamente maluca e inatingível para as pessoas ao meu redor, mas deu certo! Meus filhos, acreditem em vocês mesmos!!

Esses seriam os conselhos mais básicos que eu poderia dar aos meus filhos, na esperança de que sejam suficientes. Contudo, se Deus permitir, pretendo estar ao lado deles por muitos e muitos anos ainda, compartilhando cada momento, desfrutando de cada olhar, de cada nova descoberta. Amo vocês!

O desejo inicial era ser resumido, mas nem sempre a gente consegue realizar 100% do planejado. Preciso aprender com essa experiência e melhorar no futuro. Aprender com os próprios erros também é um bom conselho. Quem sabe esse pode ser o último dos meus três ensinamentos para meus filhos, como em “Os três mosqueteiros”, que na verdade eram quatro.

Ao ler este texto, você pode achar que a minha “receita básica de sucesso” é, na verdade, mais uma autobiografia resumida do que, de fato, conselhos para meus filhos. E eu sou obrigado a concordar com você! Mas, por mais condescendente que possa soar, mesmo com meus inúmeros defeitos e projetos ainda por realizar: eu sou feliz! E não há nada neste mundo que eu queira mais do que a felicidade dos meus filhos. Não sou o dono da verdade, não consigo prever o futuro. Dadas as minhas circunstâncias, o melhor que posso fazer para os meus filhos é dizer: essa fórmula funcionou para mim, quem sabe ela é impessoal o suficiente para funcionar para vocês também! Tentem!


Thiago de Melo

Se você também não aguenta mais tantas notícias na internet sobre desgraças sem fim, vamos fugir para uma realidade alternativa por meio das palavras. Venha "Ler pra Esquecer". Mais textos de Thiago de Melo em: http://lerpraesquecer.blogspot.com.br/.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Thiago de Melo