thiago de melo

"É fácil trocar as palavras, difícil é interpretar os silêncios!" (Fernando Pessoa)

Thiago de Melo

Se você também não aguenta mais tantas notícias na internet sobre desgraças sem fim, vamos fugir para uma realidade alternativa por meio das palavras. Venha "Ler pra Esquecer". Mais textos de Thiago de Melo em: http://lerpraesquecer.blogspot.com.br/

RAIVA!!!

Neste exato momento a minha raiva é tanta que deforma o ar em volta de mim...


raiva-conversa-entre-adeptus.jpg

Muito já foi escrito sobre o comportamento e as relações humanas. A quase infinita bibliografia a respeito do tema seria uma excelente fonte de consulta para a elaboração deste artigo, mas, no momento, estou com raiva demais para consultas bibliográficas. Vai no improviso mesmo.

Se o amor é um sentimento natural do ser humano, pode ter certeza de que a raiva também o é. Aliás, ouso dizer que é mais característico ao ser humano sentir raiva que amor. Muitas pessoas passam longos períodos sem amar nada e nem ninguém, mas isso não acontece com a raiva. Mesmo que sejam pequenos momentos de raiva, quase todos os dias ela está lá. Para nós, ela é tão natural quanto respirar.

Religiões inteiras foram construídas em torno do controle emocional e do domínio sobre a raiva e as frustrações. Não é coincidência que o homem declarado pela ciência como “o mais feliz do mundo” seja um monge budista. Eu poderia colocar esses ensinamentos milenares em prática, também poderia sair quebrando tudo a minha volta (talvez isso ajudasse), mas estou ocupado tentando descarregar a minha raiva martelando o teclado do computador enquanto escrevo este artigo.

this-buddhist-monk-is-the-worlds-happiest-man.jpg Matthieu Ricard, segundo a ciência, o homem mais feliz do mundo.

Dizem que a origem da raiva são as frustrações, as expectativas que criamos. Acreditamos, ou esperamos, que determinada coisa irá acontecer, mas ela não acontece e – BUM! – lá está a raiva. Acreditamos que ninguém vai nos fechar no trânsito ou que vamos receber aquela promoção que o chefe vem prometendo há tempos (e demandando trabalho extra para justificar a promoção), mas nada acontece. Acreditamos que o novo técnico vai fazer o nosso time sair da zona de rebaixamento, ou que aquele marido ingrato vai nos fazer uma surpresa no dia do aniversário de casamento, mas (advinha!) nada acontece! Maldito!

Ah! Raiva, nós já partilhamos tantos momentos juntos. Te odeio!

Mas o que podemos fazer?

Segundo os especialistas, que eu também não consultei, mas que devem dizer isso mesmo, a alternativa lógica seria tentar suprimir as expectativas, cortar as frustrações pela raiz e, assim, impedir que a raiva apareça. Sem expectativas, sem frustrações, sem raiva. Como se fosse assim tão fácil.

Será possível não ter expectativa quanto a absolutamente nada e continuar vivo? Quero dizer, nem sempre a nossa expectativa está ligada a conseguir algo novo, como conseguir um novo emprego, ganhar um presente ou comprar um carro zero. Muitas vezes a nossa esperança é simplesmente conseguir passar um mísero dia sem que ninguém venha encher o nosso saco, ou que não fiquem andando de vagar na nossa frente quando estamos com pressa (Aff!!!), ou mesmo que aquela menina gatinha de quem a gente gosta não resolva ficar justo com aquele cara babaca da sala. É só o Obvious® que queremos!

hulk.jpg

O grande Érico Veríssimo escreveu em “O Tempo e o Vento”: “(...)Isso é história antiga (...) Não tem nenhuma importância. Joga fora o passado. E alegra-te com a ideia de que o homem é o único animal que tem um futuro(...)”.

Veríssimo estava certíssimo, mas é justamente a consciência de que temos um futuro, e o que projetamos para esse futuro, que torna quase impossível suprimir as expectativas de nossas vidas. Ter expectativas é como respirar, como se dizia em latim “dum spiro spero”, enquanto respiro, tenho esperança (ou expectativa).

Não há receita de bolo para lidar com a raiva, alguns bebem, outros brigam, outros escrevem artigos enfurecidos. Faça a sua escolha, tente manter a calma, só não troque de faixa sem dar seta(!!!).

anger-inside-out.png


Thiago de Melo

Se você também não aguenta mais tantas notícias na internet sobre desgraças sem fim, vamos fugir para uma realidade alternativa por meio das palavras. Venha "Ler pra Esquecer". Mais textos de Thiago de Melo em: http://lerpraesquecer.blogspot.com.br/.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/sociedade// @obvious //Thiago de Melo