Krissia Gomes

As cores por trás do filme O Fabuloso Destino de Amelie Poulain

Após uma longa crise no cinema europeu, um filme agradou o público e resgatou o gosto pelo cinema francês. Atualmente considerado “alternativo” e o queridinho da cena “cult”, O Fabuloso Destino de Amelie Poulain é muito mais importante do que aparenta ser, com cores inusitadas a obra de Jean-Pierre Jeunet se tornou um marco do cinema mundial.


amelie.jpeg

O cinema francês, antes o principal do mundo, devido ao fato da França ser o berço do cinema, entra em crise após a Primeira Guerra Mundial. Os estúdios cinematográficos foram usados para fins relacionados à guerra, e devido a isto, há uma devastação em todo mercado cinematográfico Europeu e a transformação dos EUA no que conhecemos hoje, a maior potencia do cinema mundial. Mas no inicio do séc XXI, um filme é responsável por resgatar o gosto pelo cinema francês, e esse filme é O Fabuloso Destino de Amelie Poulain. Mas o que um filme, com um roteiro relativamente simples, tem de tão especial? As Cores.

O Fabuloso Destino de Amelie Poulain é um filme francês de 2001, dirigido por JeanPierre Jeunet, tem como diretor de fotografia Bruno DelBonnel e é estrelado por Audrey Tautou. O trabalho meticuloso do diretor Jeunet nessa obra, fez dele um ícone de fotografia e direção de arte. Para ele, a realidade já é muito cruel, o que faz com que busque criar imagens fantasiosas sobre a própria realidade, a composição utilizada por ele nos dá uma sensação visual muito positiva e agradável e é exatamente essa a intenção. Quem o vê a primeira vez, percebe logo a diferença deste filme para os demais, a peculiaridade na escolha e no uso das cores dá um ar poético e melancólico ao filme, com sensibilidade e ao mesmo tempo intensidade de todas elas, que estão no cenário, figurino, filtros de lente e também foram utilizadas na edição. São principalmente verdes, vermelhos, amarelos e pontos azuis apenas para sair do óbvio. Mas o que poucos sabem é que a inspiração para todas essas cores e alguns cenários, como o quarto de Amelie, são os quadros de um artista plástico brasileiro, Juarez Machado. Os quadros do pintor possuem a mesma paleta de cores intensa com vermelhos e verdes fechados, além dos olhos pretos e grandes de Amelie que se assemelham muito a personagens de obras do artista.

Juarez MAchado1.jpg Imagem de um quadro do pintor Juarez Machado

Esses detalhes podem passar despercebidos por alguns, mas como nada é por acaso e as cores possuem uma influencia psicológica nas pessoas, podemos tentar entender o porquê da utilização dessas cores específicas, além é claro do design. O vermelho representa a paixão, a força, energia, intensidade e o amor, o verde representa calma, proteção e segurança, o amarelo representa luz, calor, descontração, otimismo e alegria e o azul representa profundidade, paz, serenidade e relaxa o olhar. Ou seja, tudo foi pensado e analisado para dizer mais do que podemos ver. As cores não estão ali apenas para fazer o filme ficar mais bonito, e sim para mostrar algo mais, para contar a história da personagem e caracterizar sua personalidade.

O filme conta a história da doce e ingênua Amelie, uma menina que cresceu sob os cuidados de pais superprotetores que a proporcionaram uma infância solitária. Após certa idade Amelie se muda para Paris, onde encontra uma caixa antiga escondida em seu apartamento e resolve devolvê-la ao dono, decidindo que se o dono da caixa ficasse feliz ela sempre iria ajudar as pessoas. Os personagens principais são caricatos e fora do comum, parecendo ter saído de um livro de histórias infantis e suas histórias entram em foco ao longo do filme, todos recebem algum tipo de ajuda da protagonista, mas o que não era esperado era que ela encontrasse alguém para deixa-la feliz, e começa uma jornada romântica e sensível para encontrar um rapaz misterioso pelo qual ela se apaixonou.

As cores dão ênfase à história, e fazem com que consigamos compreender que Amelie é uma moça que vê o mundo de uma forma diferente, é otimista e acredita no melhor das pessoas, ela é intensa e apaixonada. E que ao tentar fazer o bem e proteger a todos, consegue encontrar algo de bom para ela mesma, um amor simples e ingênuo. Em cenas mais intensas, quando Amelie ajuda alguém e muda algo dentro daquela pessoa, as cores são mais fortes e saturadas com uma mistura de vermelho e amarelo intensos, o mesmo acontece quando ela mesma se depara com Nino, o rapaz por quem se apaixona. São detalhes como esses que fazem com que o filme saia do habitual para algo mágico, pois as cores transformam uma Paris comum em um ambiente fantástico, onde tudo pode acontecer. Todas essas cores, nada mais são do que a visão de Amelie sobre a vida, é o ponto de vista dela, uma fantasia criada pela personagem que vive em seu mundo imaginário. Analisando mais a fundo, podemos dizer que essa é a história de Amelie contada através das cores, uma menina insegura que para se adaptar a sociedade cria em sua imaginação um mundo no qual tudo tem uma explicação e uma história, buscando um sentido para ser feliz.

Amelie_Heart_by_angel6611-1024x435.jpg

Então podemos concluir que o uso das cores em um filme tem um significado muito mais profundo do que imaginamos ao assisti-lo na tevê ou cinema. E não só O Fabuloso Destino de Amelie Poulain faz uso de uma paleta de cores diferenciada para criar um padrão mais artístico à obra, podemos ver isso em 300, Sin City, Maria Antonieta, entre outros. E assim como Jeneut também existem outros diretores que tem as cores como característica, como Quentin Tarantino e Wes Anderson. Agora, na próxima vez que ver um filme veja além e pense: qual história as cores querem contar?


version 9/s/cinema// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Krissia Gomes