todo ouvidos

Todo ouvidos

Letícia Barroso

Na amplitude, um grão de areia que não sabe pra onde vai. Gosto de explorar, sou curiosa do bem, gosto de conhecimento, mas sou preguiçosa também. Amo música, mas não tenho talento, nasci pras artes, pra escrita e pro novo.

Se tá todo mundo no mesmo barco furado pra quê brigar?

Competições sem sentido e um tentando passar por cima do outro, pra quê?
Baseado em um dos famosos memes das redes sociais eu me pergunto: Competições vazias, de onde surgem? Por que existem? Quem se importa com elas?


Ron-Burgundy-Nobody-Cares.jpg

Um dia seria tão boa em sociologia que todos ficariam impressionados, prometi a mim mesma. O cérebro palpita e as causas da brusca palpitação não são as provas chegando, o mestrado que ainda não passei, muito menos minha vida profissional que evolui na mesma velocidade que uma tartaruga. Minha palpitação tem uma origem: o pensamento exagerado. E o pior: o pensamento exagerado nos outros.

Não estudei muito sociologia, admito, mas o que o mínimo de estudos ou ao menos de bom senso poderia concluir é que: não vale a pena, se poupe, nos poupe, ninguém se importa. A vida se torna ridícula quando a boa vontade supera a prática de querer ganhar a qualquer custo, e ganhar o que? Dinheiro?

Esse é outro ponto, ganhar o que? Se você, caro amigo que estiver lendo esse texto, passa por cima de um colega de trabalho por esmolas, que é o salário que nós, trabalhadores recebemos, pense duas vezes. Vale a pena se estressar, causar constrangimento por míseros reais e para servir uma pessoa, ou pessoas que provavelmente não te dão a mínima?

Todos os dias a gente aprende coisas novas e meus estudos sociológicos nunca fizeram tanto sentido. Marx nunca fez tanto sentido e não venha me chamar de esquerdista, não tem nada a ver com posicionamento político, desta vez! Mas com o pensamento de como o pensamento de vocês funciona. Nosso, na verdade, me incluo neste barco furado.

Há um tempo separei alguns comportamentos que me seriam de cobaias, além do narrado acima, reparei pessoas que se fazem ser reparadas, para mostrar serviço talvez? O que me faz pensar, contudo é: mostrar serviço para quem? Ninguém se importa!

Sabe essa pessoa que você tenta agradar para conseguir um salário melhor? Tipo, cem reais por semana? Não vale a pena tratar mal os outros que assim como você, trabalharam pra quem não se importa. Sabe o seu chefe maneiro que te dá Kit Kat e uma rosa no dia da mulher? Ele não se importa!

Então, me explica, pra quê e por que, caro amigo, você, que trabalhar para encher os bolsos de alguém, enche o saco de alguém, que, assim como você está num barco furado?


Letícia Barroso

Na amplitude, um grão de areia que não sabe pra onde vai. Gosto de explorar, sou curiosa do bem, gosto de conhecimento, mas sou preguiçosa também. Amo música, mas não tenho talento, nasci pras artes, pra escrita e pro novo..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/// //Letícia Barroso