Soraya Rodrigues de Aragão

Psicóloga, psicotraumatologista,Expert em Medicina Psicossomatica e Psicologia da Saude. Escritora e palestrante.Estudante de Sexologia. Sócia da Sociedade Italiana de Neuropsicofarmacologia e membro da Sociedade Italiana de Neuropsicologia. Autora dos livros Fechamento de Ciclo e Renascimento, Supere desilusões amorosas e pertença a si mesmo e Liberte-se do Pânico e viva sem medo! Sites: www.sorayapsicologa.com e www.alquimiadavida.org.
Email: [email protected]

Época de empatia ou de protagonismo individualista?

Em uma época em que presenciamos um arsenal teórico de orientações morais, valorativas e filosóficas, de vieses espiritualistas e quânticos, no momento da prática, toda a teoria parece cair por terra, cada um só faz o que lhe convém. Perdemos o compromisso com o outro.


Não alimentar expectativas das pessoas parece algo bastante abordado e discutido, não é verdade? Então porque existem tantas pessoas decepcionadas, solitárias, desiludidas e frustradas? Onde está o hiato entre a conscientização e a internalização de posturas empáticas em nossos comportamentos na vida prática?

As pessoas ocupam em nossas vidas um papel fundamental, estruturante, posto que para nos constituirmos como seres humanos precisamos dos outros para o desenvolvimento de nossos recursos psicológicos e para o estabelecimento e fortalecimento de vínculos. Em outras palavras, precisamos das pessoas para a formação do nosso “psiquismo”, para a constituição de um ser humano.

Nem que seja apenas com um grupo restrito, uma pessoa ou um animal, o homem precisa de vínculo e afetividade, do sentimento de pertencimento. Contudo, embora exista a necessidade desta afetividade estruturante e de laços de pertencimento, o ser humano precisa conquistar uma certa independência emocional, sair do posicionamento arcaico e infantil, não alimentando ilusões e expectativas de outras pessoas (principalmente as infundadas) e isto é pressuposto para uma boa saúde mental e equilíbrio psicofísico.

Hoje em dia as pessoas só fazem o que lhes convém e não quero generalizar em nenhum momento que existem pessoas desprovidas de valores que as norteiam em seus comportamentos e posturas perante determinadas condições. No entanto, mesmo diante de circunstâncias específicas, tenho observado um solipsismo exacerbado. Pode parecer cruel, mas é a realidade nua e crua. E não precisamos de tanto para constatar esta verdade, basta observar como as pessoas se relacionam hoje, onde elas são protagonistas e os outros são uma extensão para a satisfação de seus “egos”. Interessante é a contradição que tanto reza da “supressão do ego”, enquanto nos tornamos cada vez mais egoístas, reativos e individualistas.

children-1869265_1920.jpg

Felizmente ainda existem pessoas que pensam no bem comum, que tem empatia e amor ao próximo. Em uma época em que presenciamos um arsenal teórico de orientações morais, valorativas e filosóficas, de vieses espiritualistas e quânticos, no momento da prática, toda a teoria parece cair por terra, cada um só faz o que lhe convém, perdemos o compromisso com o outro. Somos individualizados, mas não deveríamos ser individualistas. A percepção que tenho é que estamos em um aglomerado desorganizado, em um caos relacional sem precedentes, sem mãos dadas, num “salve-se quem puder” onde perdemos a estabilidade, a coesão saudável dos nossos relacionamentos, em que não queremos ceder um pouco do lugar individual para o equilíbrio do todo.

Precisamos dos outros para compartilharmos a nossa felicidade, pois enquanto seres sociais precisamos de companhia, de ternura, de afeto, de socialização por mais que queiramos ficar sozinhos. Mas, será que de fato ainda existe socialização ou colocamos os outros em uma posição secundária, de pano de fundo, onde somos as figuras principais?

Talvez o vazio existencial que tanto assola a humanidade seja proveniente desta perda de valores e referências em que tínhamos laços afetivos genuínos com os outros. Em uma época, estávamos com os outros; hoje estamos para sermos apreciados pelos outros. E cada um faz o que lhe convém de acordo com seus interesses.


Soraya Rodrigues de Aragão

Psicóloga, psicotraumatologista,Expert em Medicina Psicossomatica e Psicologia da Saude. Escritora e palestrante.Estudante de Sexologia. Sócia da Sociedade Italiana de Neuropsicofarmacologia e membro da Sociedade Italiana de Neuropsicologia. Autora dos livros Fechamento de Ciclo e Renascimento, Supere desilusões amorosas e pertença a si mesmo e Liberte-se do Pânico e viva sem medo! Sites: www.sorayapsicologa.com e www.alquimiadavida.org. Email: [email protected] .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Soraya Rodrigues de Aragão