tributo ao caos

Palavrar é libertar

Aline Valadares

Escrevo melhor que falo, mas não tenho nenhum livro publicado. Tenho um bom humor, mas não quando estou de TPM. Costumo me expressar escrevendo e fotografando, mas nem sempre sou boa nisso. Estou acabando com o curso de jornalismo antes que ele acabe comigo

É que desaprendi a chorar

Chorar é sair da zona de conforto. Sorriso é o que as pessoas esperam de você. Reaprenda a chorar.


a-lenda-da-chuva-1.jpg

Hoje eu não te fiz rir. Estou me sentindo culpada. Fui para casa com o coração apertado, inconformado. Dormi de embriaguez, não de sono. Caso contrário, ainda estaria acordada tentando lembrar em qual momento eu poderia ter tirado um sorriso seu. Se bem que aqui estou eu de novo, pensando em me afastar enquanto não tiver motivos para te arrancar um sorriso. Uma gargalhada, de preferência.

“Sua risada é contagiante”. Ouvi uma vez de você. Não só de você, mas de outras pessoas também. O problema é justamente que minha tristeza também contagia. Minha ira contamina. Meus lamentos ecoam alto. E é esse o motivo. O que não consigo explicar. O que não consegue entender. Desculpa. Já até escreveram antes isso. Até já cantaram.

“Eu não consigo ser alegre o tempo inteiro”.

Estou aprendendo a lidar com isso há algum tempo. É muito difícil. Parece que você já sabe. Você manja dos “paranauê”. Na verdade, acho que você descobriu uma forma de cobrir isso. A minha continua bem descoberta. Aberta. Vagando por aí. Descontrolada, desgovernada. Estou um pouco desiludida. Mas, sabe de uma coisa? Descobri, não tem nem muito tempo, que sou eu, acredita? Eu que fico me desiludindo.

Gosto muito mais de sorrir, de fazer sorrir. É como se estivesse dando um presente pra o mundo. Pra você! Mas, sorrir cansa. Acho que cansei um pouco. Você me perdoa? Estou querendo chorar mesmo. Mas, não encontramos muitas companhias para isso, né? É um pouco difícil de achar. Como vou te convidar para chorar comigo? Não dá, né? Te peço compreensão.

Aí é que mora o segredo da minha maior glória. A minha maior virtude ainda não conquistada. A luz para essa minha escuridão. Eu preciso mesmo é aprender a ser sozinha. Perceba, não digo “ficar” sozinha e sim “ser”. Eu sempre acho que preciso de alguém. É minha obsessão. Minha droga. Meu vício. Pessoas. Eu não basto para mim.

Desculpa se não consegui te fazer rir hoje. Se não te contei um caso interessante. Se não te perguntei como você estava. Tentei esconder, mas sou metade obscura. Não se espante! Você também é. Mas ainda quero sorrir. O mundo fica em câmera lenta quando dou risada. O mundo também sorri. É meu dom, sinto isso. Mas, quando eu estiver distante, você já sabe. É que com essa coisa toda de ter de ser feliz, desaprendi a chorar.


Aline Valadares

Escrevo melhor que falo, mas não tenho nenhum livro publicado. Tenho um bom humor, mas não quando estou de TPM. Costumo me expressar escrevendo e fotografando, mas nem sempre sou boa nisso. Estou acabando com o curso de jornalismo antes que ele acabe comigo.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Aline Valadares