um abraço para o mundo

A vida é uma porta sem tranca e uma janela sem tramela

Frederico Tomazetti

Nasci Gaúcho, fui adotado por Minas Gerais, programado computadores para ganhar a vida e escrevo para alegrá-la.

Instruções para cantar

Cantar é algo natural do ser humano, cantamos para copiar a liberdade dos pássaros, pois a natureza não nos deu asas e penas. Mas se é algo assim, tão natural, por que parece ser tão difícil?


meninocantor.jpg

“Comece por quebrar os espelhos de sua casa, deixe cair os braços, olhe vagamente para a parede, esqueça. Cante uma nota só, escute por dentro. Se ouvir (mas isto acontecerá muito depois) algo como uma paisagem afundada no medo, com fogueiras entre as pedras, com silhuetas seminuas de cócoras, acho que estará bem encaminhado, e do mesmo modo se ouvir um rio por onde descem barcos pintados de amarelo e preto, se ouvir um gosto de pão, um tato de dedos, uma sombra de cavalo. Depois compre cadernos de solfejo e uma casaca e por favor não cante pelo nariz e deixe Schumann em paz.” Julio Cortázar - Histórias de cronópios e de famas, pág. 4.

Se você chegou até aqui é que provavelmente, assim como eu, tem alguma dificuldade para cantar, já tentou fazer aulas de canto, canta no chuveiro, mas existe algo que ainda trava o “Pavarotti” ou a “Monserrat Caballé” que vive em seus sonhos.

A voz é o instrumento musical natural de nosso corpo e uma voz afinada é aquela que emite as notas musicais na mesma frequência que as demais vozes ou instrumentos que acompanham a execução de uma música, formando assim um conjunto melódico agradável ao ouvinte.

Os chamados “desafinados” não conseguem projetar a própria voz de forma que ela se encaixe no padrão harmônico da melodia que está em execução e isso causa um desconforto tanto para os músicos que acompanham a peça quanto para a platéia que escuta a música.

O mundo da música está lotado de técnicos e burocratas das partituras, que prezam mais a técnica do que pela inspiração, talento, esforço e dedicação. Basta ter um pouco de noção musical para saber que o conhecimento da técnica e teoria é fundamental e os grandes músicos a estudam de forma intensa, diariamente, muitas horas por dia.

Grandes músicos, aqueles que parecem que brincam com seus instrumentos enquanto tocam músicas de extrema complexidade, estes estudam teoria e técnica de uma forma tão intensa que aquilo já faz parte de sua alma.

A técnica musical é algo que não tem fim, se você pretende um dia ser profissional da música ou apenas cantar para os amigos na roda de violão, você irá precisar das teorias musicais, em mais ou menos intensidade, ela é fundamental, pode-se dizer, imprescindível.

Durante muito tempo estudei teoria musical, por minha própria conta e também em alguns cursos teóricos e práticos que fiz de voz, violão e piano, aprendi ler partituras em clave de sol e fá, entendi intervalos, ritmos, compassos, descobri o que significa cada um daqueles pontinhos e risquinhos que há em uma partitura musical.

Mas isso tudo não me fez o músico e cantor que um dia eu sonhei ser, muito pelo contrário, já fui reprovado pelos burocratas da música que buscam primeiro a métrica da técnica em desfavor da dedicação e o amor à arte. Então, o que houve? O que faltou? “Se eu não perdi nenhum detalhe, onde foi que e eu errei?”

00cantar203-799394.jpg

Meu problema, e talvez o seu também, está no começo de tudo, fomos criados em uma cultura onde ser músico é ser um “inútil”, cantar ou tocar um instrumento musical é vadiagem, não é algo que lhe trará segurança financeira na sua vida adulta. As crianças são desestimuladas a cantar. A arte é vista como uma atividade para “os fracos” e você deve ser forte, deve ser um homem viril ou uma mulher “de respeito”. Cantar, tocar um instrumento, desenhar, pintar, interpretar, fará de você um “maricas” ou então uma mulher “mal-falada”.

Foi neste ambiente que crescemos e formamos nossas primeiras opiniões, a nossa infância teve este perfil e os adultos nos mostravam isso a todo momento, não necessariamente por palavras, mas por atitudes e gestos preconceituosos. Aqueles que despertam o interesse pela arte, e isso geralmente acontece no difícil período da saída da infância e entrada da adolescência, estes devem seguir seus sonhos artísticos por conta e risco, não existem incentivos neste sentido, muito pelo contrário, todos os incentivos são contrários. E assim nos transformamos em seres não-musicais, com medo da arte, com medo de encarar uma platéia, um microfone torna-se uma arma mais letal, temida e perigosa do que um revólver carregado, engatilhado e apontado para seu rosto.

Acabamos criados como burocratas da vida e achamos que a solução de tudo está na burocracia. Levamos nossos sonhos para as aulas de solfejo, para professores também burocratas que acham que basta ensinar técnica e colocar o aluno horas e horas na frente da partitura até que a técnica esteja toda decorada, transformando um músico em um computador que recebe um comando executa uma música.

Cantar é algo natural no ser humano, assim como o falar e o caminhar. Imagine ensinar uma criança a falar mostrando primeiro as regras gramaticais ou então a caminhar falando em estrutura do esqueleto, músculos e anatomia do corpo. Para aprender a falar a criança copia o adulto que está no seu entorno, balbucia sons a principio sem sentidos e aos poucos consegue ir expressando, com os sons que saem de sua boca, com os gestos corporais, aquilo que desejam. Os pais entendem estes gestos e sons dos filhos e o estimulam a aperfeiçoar a forma de comunicação e quando menos se espera a criança está falando fluentemente e a medida que evolui irá aprender as regras gramaticais do idioma. Isso é a forma natural de aprender, todos nós passamos por estas etapas e a todo momento vemos as crianças nestes diferentes estágios de aprendizado.

Agora, por que com a música tem que ser diferente? Por que não recebemos estímulos de forma natural desde pequenos? Por que devemos começar na música com a parte burocrática e chata?

Depois de muito penar e muitas vezes ser humilhado pela burocracia do ensino musical, depois de receber muito desestímulo, encontrei o texto que citei na abertura deste artigo, de autoria de Julio Cortázar e entendi que sempre tomei o caminho errado.

Resolvi então pegar o caminho correto para aprender a cantar, me livrei da burocracia, das regras rígidas e passei a prestar mais atenção no que realmente interessa, no som, na voz, nos detalhes que passam batidos da técnica, na beleza da arte. Só encontrei um pequeno problema para colocar em prática as instruções de Cortázar: Não fui autorizado a quebrar os espelhos aqui de casa ainda …


Frederico Tomazetti

Nasci Gaúcho, fui adotado por Minas Gerais, programado computadores para ganhar a vida e escrevo para alegrá-la..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/recortes// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Frederico Tomazetti