Giseli Rodrigues

Especialista em Leitura e Produção de Textos, Gestão de RH e Gestão Empresarial. Psicóloga em formação. Viciada em livros, viagens e chocolate. Fã de José Saramago e Almodóvar. Gosta de Arte Abstrata e rabisca com frequência. Tem um filho, escreveu um livro e plantou uma árvore. Mais textos podem ser encontrados em http://amorcronico.wordpress.com

Casamento e quarentena

Não está fácil para ninguém. Um isolamento imposto, do qual não sabemos quando iremos sair e não temos qualquer controle, é diferente de passar um final de semana em casa, de pijama o dia todo, porque optou por fazer isso. Mesmo reconhecendo a importância desta atitude agora e certos de que a casa é um lugar seguro, é normal sentir ansiedade, medo e insegurança em relação ao futuro.


View image

No final de março li algumas matérias dizendo que a China que registrou recorde de divórcio após a quarentena. Eram 14 por dia e os cartórios já estavam sem horário de atendimento. Não faço ideia de quantos casamentos tenham sido desfeitos e não procurei por esta informação. Mas, vivendo o período de distanciamento social no Brasil, não é difícil acreditar que aqui acontecerá o mesmo.

O distanciamento social a qual estamos sendo submetidos é importante para resguardar a saúde e bem-estar social. Escolas e universidades estão fechadas e a maioria delas substituiu as aulas presenciais por online, empresas concederam férias aos empregados ou autorizaram o trabalho remoto, somente quem trabalha com serviços essenciais está circulando nas ruas e indo ao trabalho para assegurar que tenhamos o essencial para viver durante este período.

Tudo isso mudou a dinâmica familiar. Marido e mulher, pais e filhos, estão mais tempo juntos. Sem poder ir ao shopping, sem poder bater perna na rua, sem poder comer num lugar diferente, sem ir à praia, sem sair para trabalhar, sem deixar os filhos na escola, sem deixar as crianças na casa de parentes ou amiguinhos, sem visitar familiares, sem ir a festas. A casa virou ambiente familiar, corporativo, acadêmico. Quem tem filhos pequenos precisa acompanhar os estudos deles, além de dar conta do trabalho e cuidar dos fazeres domésticos.

Não está fácil para ninguém. Um isolamento imposto, do qual não sabemos quando iremos sair e não temos qualquer controle, é diferente de passar um final de semana em casa, de pijama o dia todo, porque optou por fazer isso. Mesmo reconhecendo a importância desta atitude agora e certos de que a casa é um lugar seguro, é normal sentir ansiedade, medo e insegurança em relação ao futuro.

Mas, diante de tantos relatos, arrisco dizer que no Brasil acontecerá o mesmo que na China: um recorde de divórcio depois que a quarentena terminar. Acredito que muitos casais já tinham problemas e ignoravam. Pelo bem dos filhos, por medo de ficar sozinhos, por vergonha da sociedade, por achar que as coisas um dia iriam mudar, por acreditar que casamento é assim mesmo. Eu não sei. Cada um tem suas razões.

Certamente, pessoas se desentendem, divergem, discordam. Inclusive pessoas que se amam. Uma pandemia mundial leva a muitas reflexões. E quando se trata de casamento muitos devem estar se perguntando: vale a pena continuar junto? Isso é um casamento feliz? É esse relacionamento que quero cultivar? Até que possam vir a perceber que o amor da sua vida não se encaixa mais na sua vida.

Se você está vivendo um problema conjugal nesta quarentena, procure ajuda profissional. Se já tinha um histórico de crise de ansiedade, depressão ou qualquer problema psicológico, procure ajuda profissional. A família não é responsável pelos seus problemas, é preciso se ajudar para ser ajudado. Atendimentos online estão autorizados e são importantes neste momento.

Se você é casado, tem filhos, e toda essa mudança repentina em sua rotina não está causando grandes problemas, sinta-se privilegiado e agradeça por isso.

Esse momento vai passar. Tudo vai passar.


Giseli Rodrigues

Especialista em Leitura e Produção de Textos, Gestão de RH e Gestão Empresarial. Psicóloga em formação. Viciada em livros, viagens e chocolate. Fã de José Saramago e Almodóvar. Gosta de Arte Abstrata e rabisca com frequência. Tem um filho, escreveu um livro e plantou uma árvore. Mais textos podem ser encontrados em http://amorcronico.wordpress.com .
Saiba como escrever na obvious.
version 4/s/recortes// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Giseli Rodrigues