vamos falar sobre isso

Tudo o que ninguém quer falar.

Estêvão Reis

para saber sobre mim pegue um ônibus, venha até a minha casa e tome um café comigo.

De mim, para mim, com amor

Não faça nenhuma besteira. Afaste os pensamentos ruins. E acredite em mim.


demim.png

Calma, fera! Que desespero é esse? Você já passou por isso antes e vai passar outras vezes. Porque a impaciência?

A nossa vida é loop infinito entre expectativa e decepção, e isso tem um lado positivo. Nossas experiências passadas nos ajudam a lidar com as atuais. Hoje, nesse cenário que parece ser desesperador, só te peço uma coisa: mantenha a sua cabeça no lugar.

Não faça nenhuma besteira. Afaste os pensamentos ruins. E acredite em mim.

Você vai sair dessa. Relacionamentos são assim, eles vem e vão. O fim de um não é o fim do mundo. Sério! Eu sei que, por enquanto, isso pode parecer piegas, um jogo de palavras barato digno de sorte do dia do orkut, mas não é.

Todo mundo sofre. Às vezes, todo mundo chora.

Pense assim: como você estava antes disso tudo começar? Viu? Estava tudo bem. Esse sentimento, que dói agora, é momentâneo. Ele não é eterno. Por isso, tente um pouco mais. Dê mais um passo. Suporte mais um pouquinho.

Eu me preocupo com você. Não gosto de te ver assim. Mas entendo perfeitamente o que se passa na sua cabeça.

Nunca mais sentirei algo tão forte e tão real. Nunca mais terei sorte nessa vida. Nunca mais... Nunca mais... Nunca mais!

O único nunca mais que você pode falar é: nunca mais vou duvidar de mim mesmo. Nunca mais vou por a culpa 100% em mim. Nunca mais vou perder a esperança. Nunca mais abrirei mão de mim mesmo.

E então, daqui há algum tempo (que pode demorar dias, semanas ou meses), você vai reler esse texto e entender o que eu dizia.

E será você, minha versão atual, que ajudará quem seremos no futuro.

Aguente. Aguente de novo. Aguente um pouco mais.

Todo mundo sofre.


Estêvão Reis

para saber sobre mim pegue um ônibus, venha até a minha casa e tome um café comigo..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/recortes// //Estêvão Reis