viver à deriva e sentir que tudo está bem...

A vida é uma colcha de retalhos. Todos da mesma cor...

GCosta

Resposta certa, não importa nada: o essencial é que as perguntas estejam certas...

BENS CULTURAIS É ATO CONTINUO DE REFLEXÃO

Refletir sobre a dinâmica da urbanização e suas técnicas como devem ser aplicadas para a orientação, e interpretação das necessidades humanas no seu patrimônio construído. No âmbito da cultura na relação aos bens tombados regido, pelo Decreto Lei nº25 de 30/11/1937, que tem sua proteção assegurada por normas federais, que norteiam sua aplicação em critérios específicos, nem sempre sustentáveis frente à situações reais e limitantes no território nacional, na questão de renda e educação do povo brasileiro, e seu atual estagio tecnológico no pais

Galeria Hilario Alfredo virtual.jpg

 

Václav Havel  escritor checo disse: A falta de interesse pelas fachadas, pela imagem da cidade,é um elemento erosivo que corroi também os ser humano por dentro. Uma cidade sem justiça eqüitativa pode ter a beleza que quiser, nunca será capaz de desenvolver uma cultura verda­deiramente urbana. Pessoas que prejudicam a comunidade ou que a relegam ao abandono acabam prejudicando a si mesmas, en­trando elas próprias numa espécie de processo de deterioração. Por isso atribuo à comunidade urbana tanta importância para o desenvolvimento cultural.

Caio Brsil 10.jpg

A construção de  prédios novos em terrenos vagos vai transformando, tradicionais estruturas urbanas em novas áreas estereotipadas e despersonalizadas, pela especulação imobiliária, com séculos de memórias históricas, destruindo, assim, valores incalculáveis e insubstituíveis do trabalho humano. 

OSM Adoreci Galeria Virtual dos Apaixonados por fotografia.jpg

A produção seriada de moradias e a padronização de normas para o parcelamento do solo e estruturação da malha urbana uniformizaram as cidades brasileiras. O que as identifica, atualmente são as áreas centrais  urbanas, com características  do séc. XVIII,  XIX e  XX ainda existentes são denominados centros históricos que  em sua maioria, são relativamente protegidos por lei de Tombamento ou de preservação, mas o ato de pensar a cidade, vai ficando cada dia mais distante. 

Brasil

 O descarte da historia da sua população, não são  respeitados e, por isto, dependem da criação de instrumentos de proteção. São esses centros históricos que conservam, até hoje, sua estrutura física, a qual pressupõe a vigência de um contendo de cunho social, econômico, político e cultural, caracterizadores da imagem da cidade.

Brsil Caio.jpg

A relação entre preservação e conservação devem ser mecanismos de organização das cidades, como legislação e uso do solo, planos de desenvolvimento urbano, planos de circulação e transporte coletivo e demais instrumentos utilizados pelo setor público para orientar o desenvolvimento das cidades, pretende-se partir, então, para uma experiência concreta, que atualmente não é eficaz.

Brsil Caio5.jpg

A inserção de fatores de ordem social, econômica e política, quando se contempla a moradia e dentro dela o cidadão e sua problemática, deve provocar reformulação de critérios e alteração na ordem de prioridades para as avaliações e procedimentos no processo de ocupação nas áreas urbanas.

Brsil Caio7.jpg

Grave problema parece ser o das cidades com suas áreas históricas, inseridas em contextos culturais pouco estratificados e em processo acelerado de transformação com cortes profundos em áreas ambientais, demolições extensas, novas construções inadequadas; têm sido feitas nas cidades ao longo dos últimos trinta anos, sem que fossem determinados e por uma reflexão mais profunda, sem que tenham sido levados em conta apelos, advertências e criticas fundamentais aos órgãos representativos e dos vários setores da sociedade. 

Brsil Caio8.jpg

 

O crescente aumento demográfico das cidades tem provocado, na maioria dos núcleos urbanos, principalmente naqueles situados nos estados e cidades ditos em desenvolvimento, alterações dos gabaritos das construções e modificações na trama urbana, através do alargamento das vias ou da abertura de novas avenidas ou eixos rodoviários, trazendo como consequência a destruição do acervo edificado e o meio ambiente.

Fox Anarchist's.jpg Fazer Zeua Photografer

A sociedade vem pagando alto preço por este tipo de confusão, monotonia da chamada contemporaneidade urbana, como na cópia de produtos industriais, nos modelos da economia da produção em massa. Há necessidade de refletir, que construir não implica necessariamente em fazer, não pressupõe sempre mudar, mas, muitas vezes, apenas conscientizar a conservar as cidades brasileiras com problemas urbanos de alta complexidade no que diz respeito a transporte coletivo, habitação popular, educação básica e aumento de oportunidades de trabalho.

Marcos Kin Hennemann Galeria Virtual dos Apaixonados por fotografia.jpg

 O crescente aumento demográfico das cidades tem provocado, na maioria dos núcleos urbanos, principalmente naqueles situados nos estados e cidades ditos em desenvolvimento, alterações dos gabaritos das construções e modificações na trama urbana, através do alargamento das vias ou da abertura de novas avenidas ou eixos rodoviários, trazendo como consequência a destruição do acervo edificado e o meio ambiente.

Trem lotado.jpg

Há necessidade de novas alternativas em defesa dos elementos  culturais e ambientais na identidade das cidades com a integração do desenvolvimento urbano, adaptando-se assim as novas necessidades contemporâneas em função de uma realidade de investigação e experimentação, objetivando as gerações futuras á subsistência dos elos que estabeleceram a continuidade da corrente civilizadora, e que, darão ao homem, diante das mudanças da sociedade a sensação de segurança necessária em seu contínuo evoluir...

Povo.jpg

Leitura de um trecho de um texto chamado “Signos do Espaço” que está no livro a cidade desvendada de Paulo Casé.

“Da calçada eu os acompanho com o olhar”. É apenas um simples casal. Dois seres anônimos. Andam num silêncio mecânico, atraídos pelo mar.

Agora trocam informações e avaliam a situação.

Não estão perdidos, procuram:

Outra vez confabulam e parece haver um acordo. Mas ainda se deslocam para um lado e calculam a distância que os separa dos vizinhos e de um jogo de vôlei.

A decisão vai ser tomada. O sol é consultado, o vento observado e o terreno sondado com os pés. Ele, até então sereno, retira o pau da barraca e, num gesto brusco, finca-o na areia com todo vigor, marcando o lugar eleito para a sua bandeira.

O sítio é aquele, o acharam afinal.

Estendem a toalha sobre a areia, como se fosse seu chão, e armam a barraca, como se fosse seu teto. Tomam posse do terreno, particularizando a atmosfera que os envolve.

Termina o ritual. Parecem felizes identificados com eles mesmos, e aos poucos suas figuras vão se fundindo com a paisagem geral.

 “ Eu, à distância, contemplo fascinada aquela dança, aquela cerimônia de conquista, e digo a mim mesmo:” sem saber, organizaram espaços, criaram um microuniverso, fizeram arquitetura.”

É necessário, portanto, conservar os ambientes cujos valores o passado já tenha consagrado como indispensáveis ao equilíbrio emocional e crescimento cultural do homem.

 

Sonia Saldanha Galeria Virtual dos Apaixonados por fotografia.jpg

 BENS CULTURAIS É ATO CONTINUO DE  REFLEXÃO...

arquiteto.jpg


GCosta

Resposta certa, não importa nada: o essencial é que as perguntas estejam certas... .
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/arquitetura// @obvious, @obvioushp //GCosta