viver à deriva e sentir que tudo está bem...

A vida é uma colcha de retalhos. Todos da mesma cor...

Geraldo Costa

"Em tempos de engano universal, dizer a verdade é um ato revolucionário" (George Orwell)

Sétimo Selo / Cervantes em analogias tropicais

Dom Quixote, Antonius Block e Sergio Moro em analogias tropicais: Det sjunde inseglet (O Sétimo Selo) é um drama sueco de 1956, escrito e dirigido por Ingmar Bergman.


sinopse-o-setimo-selo.jpg

O filme ambienta-se em um dos mais obscuros e apocalípticos períodos da Idade Média europeia. O título é uma remissão ao livro bíblico denominado Apocalipse ou Revelação. Segundo esta escritura, na mão de Deus há um livro selado com sete selos e a abertura de cada um destes selos implica num malefício sobre a humanidade, mas a abertura do sétimo é o que leva efetivamente ao fim dos tempos. No desenrolar do enredo torna-se clara a preocupação do diretor em buscar, no passado, um período que traga à tona questões ainda presentes no mundo contemporâneo.

moro.jpg1.jpg

Ao fazê-lo, Bergman reconstruiu a Idade Média sueca não para tematizá-la em si, ainda que o trabalho de pesquisa histórica e de reconstrução da sociedade daquela época tenha sido cuidadosamente preparado, mas, principalmente, para expor as aflições do mundo em que vivia. Bergman busca no mundo medieval o medo apocalíptico, seja ele o temor de que o mundo pode acabar de repente ou de que ele seja dizimado gradualmente pela peste, o que acaba por expor a preocupação própria do diretor com essa mesma questão.

moro.jpg1.jpg1.jpg

O Sétimo Selo tem por tema, fundamentalmente, a questão do medo da morte; um cavaleiro que volta da Cruzada da Fé para encontrar em sua terra a peste e morte. Quando ele mesmo se depara com a personificação da morte, aceita-a como um visitante esperado, mas propõe-lhe uma negociação – numa disputa de xadrez - para que possa ganhar tempo e indagar sobre o sentido da vida e, consequentemente, o sentido da morte.

moro8.jpg

Dessa forma, abre-se uma pausa no caminho da morte para vermos qual é o sentido da aflição que está sendo promovida e qual o caminho possível para fugir desse destino. O jogo de xadrez aparece talvez como uma alegoria da busca do cavaleiro a um entendimento da vida através da racionalidade que, ao final do filme, fica evidente que não seria possível, assim como, o cavaleiro mesmo percebe, não seria possível vencer a Morte.

moro.jpg1.jpg1.jpg2.jpg3.jpeg

No mundo medieval tudo era entendido através da religião, então o sentido da indagação do cavaleiro é questionar a religiosidade, incluindo o papel de Deus e do Diabo na vida humana. No filme, todos os aspectos da religiosidade são questionados, porém nunca é dada nenhuma resposta sobre sua veracidade. Nem Deus nem o Diabo se manifestam para o cavaleiro ou durante todo o filme, porém homens aparecem pregando, teatralizando e punindo em nome do sagrado.

moro.jpg1.jpg1.jpg2.jpg3.jpeg4.jpg

O personagem que sempre aparece para falar em nome de Deus é o homem que roubava joias dos Mortos e que encabeça a procissão de flagelados, também foi aquele que convenceu o cavaleiro a partir para a cruzada, dez anos antes. Dessa forma, vemos como o sagrado é mudo neste filme; tanto Deus como o Diabo apenas existem na voz dos charlatães, em nome de uma igreja decadente - porque não consegue explicar a peste - e como formas de opressão.

O Sétimo Selo e o Dom Quixote chamado de O Justiceiro Juiz Sergio Moro

moro.jpg1.jpg1.jpg2.jpg3.jpeg4.jpg5.jpg

Remetendo ao  O Justiceiro Juiz Sergio Moro (Dom Quixote), temos o cavaleiro e seus escudeiros que chamaremos   Grupo dos Nove Predadores do Ministério Público Federal (Sancho's Pança's)* como contrapontos da forma de encarar o mundo. Assim como na Constituição Federal, o pragmatismo crítico dos escudeiros revela um conhecimento do mundo distante dos questionamentos e indagações do cavaleiro sobre a Morte (Corrupção) e o sagrado.

moro.jpg1.jpg1.jpg2.jpg3.jpeg4.jpg5.jpg6.jpg

Com uma visão ácida, porém justa, os escudeiros não procuram respostas, já as possuí pela experiência de vida, portanto não tem medo de enfrentar a própria Morte(Corrupção). Assim como Grupo dos Nove Predadores do Ministério Público Federal (Sancho's Pança's) sabem transitar como no filme entre o mundo da taverna, das brigas, da Morte (Corrupção), nesta analogia de Supremo Federal ,Senado Federal e Câmara dos Deputados do Brasil etc., e o mundo quase sublimado e filosófico em que está o cavaleiro.

moro.jpg1.jpg1.jpg2.jpg3.jpeg4.jpg5.jpg6.jpg7.jpg

 Grupo dos Nove Predadores do Ministério Público Federal

*Deltan Dallagnol, Antonio Carlos Welter, Henrique Pozzobon, Carlos Fernando dos Santos Lima, Orlando Martello Júnior, Antonio Carlos Welter,Athayde Ribeiro Costa,Paulo Roberto Galvão e Januário Paludo

moro.jpg1.jpg1.jpg2.jpg3.jpeg4.jpg5.jpg6.jpg7.jpg8.jpg

Apesar do filme retratar o tempo inteiro uma humanidade desesperada e moribunda, sob o agouro implacável da Morte, Bergman apresenta-nos um final onde é possível ter esperanças. A família de artistas ou “ família de brasileiros” são os únicos personagens que sobrevivem à “caçada” da Morte (Corrupção). A arte aqui tratada é aquela do malabarista ingênuo, puro; não a “arte” do homem que se proclamava o diretor da companhia, nem a encenação da procissão de flagelados, mas apenas aquela da família que vive pela arte e para levá-la para as pessoas.

moro9.jpg

Somente esses artistas conseguem escapar da Morte (Corrupção), ajudados pelo cavaleiro, que a distrai para que estes fujam. O sentido da continuidade da humanidade aparece claramente dado pela salvação através da arte; todos os demais personagens que representam outras categorias sociais perecem ou estão condenados.

moro5.png

Ao final de uma tormentosa tempestade, no momento seguinte ao da visita da Morte (Corrupção) ao cavaleiro, a família de artistas ou “família de brasileiros” e aos companheiros, o sol surge brilhante, abrindo um caminho de esperança no horizonte por onde a família de artistas ou brasileiros vai seguir.

Antonius Block é o exemplo ímpar deste homem questionador. Bergman gênio!

fonte.

don-quixote_picasso.jpg

O Justiceiro Juiz Sergio Moro tornou-se o protagonista da obra como Dom Quixote, um pequeno fidalgo castelhano que perdeu a razão por muita leitura de romances de cavalaria e pretende imitar seus heróis preferidos.

moro10.jpg

O romance narra as suas aventuras em companhia de Sancho Pança...assim como os Nove Predadores do Ministério Público Federal , seu fiel amigo e companheiro, ou fieis amigos e companheiros que tem uma visão mais realista. A ação gira em torno das três incursões da dupla por terras de La Mancha, de Aragão e da Catalunha, no nosso caso nas terras de Curitiba e Brasilia.

moro1.jpg

Nessas incursões, ele se envolve em uma série de aventuras, mas suas fantasias são sempre desmentidas pela dura realidade. O efeito é altamente humorístico. O encanto da obra nasce do descompasso entre o idealismo do protagonista e a realidade na qual ele atua.

moro3.jpg

Cem anos antes, Quixote teria sido um herói a mais nas crônicas ou romances de cavalaria, mas ele havia se enganado de século. Sua loucura residia no anacronismo. Isso permitiu ao autor fazer uma sátira de sua época, usando a figura de um cavaleiro medieval em plena Idade Moderna para retratar uma Espanha que, após um século de glórias, começava a duvidar de si mesma.

moro2.jpeg

Sétimo Selo é um filme maravilhoso... Obra prima em todos os sentidos... Ler Cervantes é um primor da literatura através de Dom Quixote... Acima de tudo observar o Brasil e os novos caminhos que estão nos apresentando por uma nova geração de pessoas em busca de uns pais pelo seu Estado de direito, no qual cada um é submetido ao respeito do direito, do simples indivíduo até a potência pública.

moro4.jpg

O estado de direito é assim ligado ao respeito da hierarquia das normas, da separação dos poderes e dos direitos fundamentais. Em outras palavras, o estado de direito é aquele no qual os mandatários políticos (na democracia: os eleitos) são submissos às leis promulgadas. Para que nossos sonhos não se transformem em Moinhos de Ventos.

moro7.jpg

Charge AROEIRA


Geraldo Costa

"Em tempos de engano universal, dizer a verdade é um ato revolucionário" (George Orwell) .
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/sociedade// @obvious, @obvioushp //Geraldo Costa