viver à deriva e sentir que tudo está bem...

A vida é uma colcha de retalhos. Todos da mesma cor...

GCosta

Resposta certa, não importa nada: o essencial é que as perguntas estejam certas...

Maravilhosa Nina Simone

Nina Simone foi uma das vozes mais lindas que o universo já viu e também uma das principais ativistas na luta pelos direitos dos negros.


nina 0.jpg

Eunice Kathleen Waymon mais conhecida pelo nome artístico Nina Simone (Tryon, 21 de fevereiro de 1933 - Carry-le-Rouet, 21 de abril de 2003) pianista, cantora, compositora e ativista pelos direitos civis norte-americanos. Cantora, pianista e compositora ícone do jazz, mas trabalhou com música clássica, blues, folk, R&B, gospel e pop.

Nina Simone 00.jpg

Nina Simone foi uma das artistas mais poderosas e influentes da sua época, com dúvidas, inseguranças, incertezas e frustrações. É exatamente este lado humano que o documentário What Happened, Miss Simone?, Dirigido por Liz Garbos, aborda com tanto respeito. What Happened, Miss Simone? É um documentário obrigatório, não apenas para quem gosta de música e se interessa pela trajetória de uma das mulheres mais relevantes da história política e musical dos anos 60, mas também para revelar todo o brilhantismo e sensibilidade de uma artista perseguida por seus próprios medos e fantasmas, mas que teve a coragem de enfrentar de peito aberto os preconceitos de sua época e os opressores de sua vida, em busca da liberdade que tanto desejava.

What Happened, Miss Simone? - Filmes Online 10

nina 1.jpg

O nome artístico foi adotado aos 20 anos, para que pudesse cantar blues escondida de seus pais, enquanto treinava para tornar-se uma pianista clássica, em bares de Nova York, Filadélfia e Atlantic City. "Nina" veio do espanhol de menina e "Simone" foi uma homenagem à atriz francesa Simone Signoret. Foi à sexta de oito filhos, sendo sua mãe uma ministra metodista e seu pai um marceneiro, quando jovem foi impedida de ingressar no Instituto de Música Curtis na Filadélfia, apesar de ter cursado piano clássico na severa Juilliard School, em Nova York. Também se destacou por posicionar-se contra o racismo na crescente onda que tomava os Estados Unidos na década de 1960. Devido ao seu envolvimento, cantou no enterro de Martin Luther King.

nina 2.jpg

Depois de frustrar-se na tentativa de ser uma grande concertista através do conservatório, Nina permaneceu algum tempo em Nova York até ir para Atlantic City e, nessa cidade, trabalhando como pianista em um bar, cedia aos pedidos do dono para cantar enquanto tocava piano. Adotou o nome Nina Simone, que deu início a uma carreira bem-sucedida, com hits como:

FEELING GOOD,

DON'T LET ME BE MISUNDERSTOOD,

AIN'T GOT NO - I GOT LIFE,

I WISH I KNEW HOW IT WOULD FEEL TO BE FREE

HERE COMES THE SUN,

Além de My Baby Just Cares For Me, que foi usado em uma propaganda televisiva para o perfume Chanel Nº 5 em 1986, que ocasionou em um relançamento da gravação e na volta de Simone às paradas musicais.

Em sua carreira, interpretou canções de diversos estilos, indo do gospel ao soul, e também compôs algumas canções. Foi uma das primeiras artistas negras a ingressar na renomada Escola de Música de Juilliard, em Nova Iorque. Sua canção Mississippi Goddamn tornou-se um hino ativista da causa negra. Fala sobre o assassinato de quatro crianças negras em uma igreja de Birmingham em 1963. Ao se apresentar em um evento militar em Forte Dix, Nova Jersey, em 1971, em plena Guerra do Vietnã, Nina Simone deu voz àqueles que eram contrários ao conflito, quando cantou um poema em que Deus é chamado de assassino, após 18 minutos de My Sweet Lord, de George Harrison.

nina 3.jpg

Nina esteve duas vezes no Brasil, onde gravou "Pronta pra cantar (Ready to sing)" com Maria Bethânia em 1990. Seu último show ocorreu em 1997 no Metropolitan. Morreu enquanto dormia em Carry-le-Rouet em 2003, após lutar por vários anos contra o câncer de mama.

PERÍODO DOS DIREITOS CIVIS

Em 1964, ela mudou de distribuidora fonográfica, passando da American Colpix para a gravadora holandesa Philips, o que também significou uma mudança no conteúdo das gravações. Simone sempre incluiu canções que remetiam à sua origem afro-americana em seu repertório (como Brown Baby e Zungo no álbum Nina at the Village Gate, de 1962).

BROWN BABY

ZUNGO

nina 5.jpg

Em seu álbum de estreia na Philips, Nina Simone in Concert (gravação ao vivo de 1964), Simone pela primeira vez referiu-se à desigualdade social que prevalecia nos Estados Unidos com a canção Mississippi Goddamn; sua resposta ao assassinato de Medgar Evers e a explosão de uma igreja em Birmingham, Alabama, que matou quatro crianças negras. A canção foi lançada como single e boicotada em alguns estados do sul. Old Jim Crow, no mesmo álbum, referia-se às leis de Jim Crow.

MISSISSIPPI GODDAMN

OLD JIM CROW

nina 6.jpg

A mensagem de direitos civis passou a estar presente nos repertórios de gravação de Simone, tornando-se parte das duas apresentações. Simone apresentou-se e discursou em muitos encontros pelos direitos civis, incluindo nas marchas de Selma a Montgomery. Simone defendeu, durante esse período de direitos civis, uma revolução violenta, contrastando com a abordagem não violenta de Martin Luther King, e acreditava que os afro-americanos poderiam, através do combate armado, formar um estado separado. De qualquer modo, ela escreveu em sua biografia que ela e sua família viam todas as raças como iguais.

nina 4.jpg

Gravou para o álbum Pastel Blues (1965) a canção Strange Fruit, de Billie Holiday, uma canção sobre o linchamento de homens negros no sul. Também cantou o poema Images, de William Waring Cuney, em Break Down And Let It All Out (1966), sobre a falta do senso de orgulho que viu entre as mulheres afro-americanas. Simone escreveu Four Women, uma canção sobre quatro estereótipos diferentes de mulheres afro-americanas, e incluiu a gravação em seu álbum de 1966 Wild is the Wind.

STRANGE FRUIT

BREAK DOWN AND LET IT ALL OUT

FOUR WOMEN

Simone mudou-se da Philips para a RCA Victor durante 1967. Cantou Backlash Blues, escrita por seu amigo Langston Hughes, no seu primeiro álbum pela RCA, Nina Simone Sings the Blues (1967). Em Silk & Soul (1967), gravou a canção I Wish I Knew How It Would Feel to Be Free, de Billy Taylor, e Turning Point. O álbum Nuff Said! (1968) contém gravações ao vivo do Westbury Music Fair, de sete de abril de 1968, realizado três dias após a morte de Martin Luther King, Jr. Dedicou toda a apresentação para ele e cantou Why? (The King Of Love Is Dead, uma canção escrita pelo seu baterista, Gene Taylor, pouco após de receberam a notícia da morte de King.No verão de 1969 ela apresentou-se no Harlem Cultural Festival, no Harlem’s Mount Morris Park.

BACKLASH BLUES

I WISH I KNEW HOW IT WOULD FEEL TO BE FREE

NUFF SAID!

WHY?

Junto de Weldon Irvine, Simone transformou a peça inacabada To Be Young, de Lorraine Hansberry, em uma canção pelos direitos civis. Hansberry foi uma amiga íntima a quem Simone creditou por cultivar a sua consciência social e política. Apresentou a canção ao vivo no álbum Black Gold (1970). Uma gravação em estúdio foi lançada como single e versões da canção foram gravadas por Aretha Franklin (em seu álbum Young, Gifted and Black, de 1972) e por Donny Hathaway.

GIFTED AND BLACK

What Happened, Miss Simone? Documentário de uma cantora incrível ,mulher firme nas suas convicções de sua época fazia shows e pregava contra descriminação racial , tanto que marcou sua vida e na sua carreira ,colaboradora dos Panteras Negras, militante em todo os sentidos, para que gosta de uma boa historia , bem dirigido de jazz e blues ...What Happened, Miss Simone?... Nina Simone era conhecida por ser uma mulher independente, decidida e de pulso firme, com uma personalidade marcante quando estava em cima do palco, mas principalmente quando estava fora dele.


GCosta

Resposta certa, não importa nada: o essencial é que as perguntas estejam certas... .
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/musica// @obvious, @obvioushp //GCosta