viver à deriva e sentir que tudo está bem...

A vida é uma colcha de retalhos. Todos da mesma cor...

Geraldo Costa

"Em tempos de engano universal, dizer a verdade é um ato revolucionário" (George Orwell)

Lyle Mays o primeiro solo álbum

Lyle Mays é o primeiro solo álbum ,verdadeira raridade e preciosidade que foi lançado em 1986. O álbum foi gravado no The Power Station , em Nova Iorque , em 1985. O álbum demostra a sensibilidade da universalização da musica de Lyle Mays.


lyle.jpg

LYLE MAYS há algum tempo vinha sendo continuamente interrogado por seus fãs, colegas músicos e executivos da indústria sobre quando lançaria seu primeiro disco solo. Finalmente, após demoradas considerações, esse brilhante compositor e tecladista conseguiu encontrar tempo entre as tournées realizadas com Pat Metheny pela Europa, América do Sul, Japão e Estados Unidos para gravar seu disco. "LYLE MAYS" O LP, produzido por Steve Cantor, foi gravado nos estúdios "Power Station" (NY).

Participam do disco grandes músicos contemporâneos. A maioria deles já tocou diversas vezes com Mays em clubes e concertos, como o baixista Marc John Son, que fez parte do último trio de Bill Evans. Johnson conheceu Mays em 1974 e desde então ambos têm se apresentado juntos sempre que possível. O percussionista e vocalista brasileiro Nanã Vasconcelos, que também participa do disco, é velho amigo de Mays. Eles tocaram juntos durante três anos no "Pat Metheny Group".

Há ainda Billy Drews, que toca sax alto e soprano, o guitarrista Bill Frisell e o baterista Alex Acuna, que embora seja novo nesse círculo, tem tocado nos últimos anos com o grupo Weather Report Mays declara sobre o LP: “a maior parte das músicas do disco foram apresentadas em um concerto solo realizado em Montreal em julho de 1984.

lyle-mays-20160226140829.jpg

Foi o primeiro concerto deste tipo que realizou e constituiu um verdadeiro desafio mescla as sonoridades dos diversos teclados utilizados por Mays, apesar de todos os solos terem sido feitos em um piano acústico. Além disso há a fusão do jazz com outras linguagens musicais, como a música "folk" escocesa e às escalas japonesas, sobre as quais Lyle improvisa livremente. Um dos destaques certamente é “Alaskan Suite", uma belíssima peça composta de 3 partes, com 14 minutos de duração. Também está incluída no LP a famosa "Mars", que foi rebatizada para “Close To Home”.

A música está presente na vida de Mays desde sua infância. Ele nasceu a 27 de novembro de 1953 em uma a cidade do estado de Wisconsin. Ele relembra, seu pai era guitarrista e cantava e sua mãe tocava órgão na igreja. Desde cedo aprendeu a ler música, mas sempre fui encorajado a compor e a improvisar"

Ainda adolescente Mays participava de cursos de verão de jazz, quando teve a oportunidade de estudar com O instrumentista Rich Matteson, que dava aulas na Faculdade do norte do Texas e mais tarde com a famosa pianista Marian McPartland. Em 1975, já estudante da Universidade do Texas, Mays se apresentou no Wichita Jazz Festival. Foi lá que conheceu um guitarrista de 20 anos de idade que estava se apresentando com o vibrafonista Gary Burton o musico era Pat Metheny.

Lyle_Mays_-_Lyle_Mays_(1986).jpg

No final do mesmo ano, Mays foi convidado a tocar com Woody Herman, com quem percorreu os Estados Unidos de costa a costa. Foi nessa época que ele novamente encontrou Pat Metheny. Ao perceberem que seus direcionamentos musicais convergiam, eles decidiram formar uma aliança que provou ser uma das mais bem-sucedidas, tanto musical como comercialmente, e que perdura até hoje.


Geraldo Costa

"Em tempos de engano universal, dizer a verdade é um ato revolucionário" (George Orwell) .
Saiba como escrever na obvious.
version 5/s/musica// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Geraldo Costa