viver à deriva e sentir que tudo está bem...

A vida é uma colcha de retalhos. Todos da mesma cor...

Geraldo Costa

"Em tempos de engano universal, dizer a verdade é um ato revolucionário" (George Orwell)

Olhar Musical de Benjamin e Egberto

Sensibilidade e harmonia na musica brasileira e a percepção através das notas magicas que transbordam a essência da musicalidade no país chamado Brasil.


musica popular.jpg

benjamin.jpg

Benjamim Taubkin iniciou o estudo do piano aos 18 anos e desde então dedica-se integralmente à música. Inicialmente trabalhou em espaços de dança contemporânea como no Ruth Rachou, Klaus Viana, Clarisse Abujamra; em peças de teatro, entre as quais a versão paulista de a Ópera do Malandro e 39 com direção de Flávio Rangel. Motivado pelo desejo de tocar jazz e bossa-nova passou a atuar em casas noturnas da cidade como Baiuca e Padock.

Em 1997 lançou seu primeiro disco, A Terra e o Espaço Aberto, com apenas composições inéditas, acompanhado por instrumentistas como Toninho Carrasqueira, Lui Coimbra, Teco Cardoso, Caíto Marcondes e Marcos Suzano, o disco lhe rendeu indicação ao Prêmio "Sharp" e "Movimento" em 1998.

Benjamim atua diferentes formações, do solo à Orquestra Sinfônica. Já tocou ou gravou com músicos como: Marcos Suzano, Banda Savana, Rafael Rabello, Zizi Possi, Moacir Santos, Paulo Moura, Mônica Salmaso, Hermeto Paschoal.

Egberto Gismonti nasceu em uma família de músicos em Carmo, pequena cidade do interior do estado do Rio de Janeiro em 5 de dezembro de 1947, filho de pai libanês, Camilo Amim, e mãe italiana, Ruth Gismonti Amim[2]. Começou a estudar piano aos cinco anos. Ainda na infância e adolescência, seus estudos no Conservatório Brasileiro de Música já incluíam flauta, clarinete, violão e piano. Interessou-se pela pesquisa da música popular e folclórica brasileira, chegando a passar uma temporada vivendo com os índios no Xingu.

egberto_gismonti_2_590x250.jpg

Em 1968, participou de um festival da TV Globo com a canção "O Sonho", defendida pelos Três Morais. Partiu nesse mesmo ano para a França, onde estudou música dodecafônica com Jean Barraqué e análise musical com Nadia Boulanger. Em 1969, lançou seu primeiro disco, Egberto Gismonti.

Nos anos 1970, Gismonti se dedicaria a pesquisas musicais e voltaria-se quase exclusivamente para a música instrumental. No V Festival Internacional da Canção, em 1970, concorreu com "Mercador de serpentes". A hesitação das gravadoras brasileiras com o seu estilo o levou a procurar refúgio em selos europeus, pelos quais lançou vários álbuns nas décadas seguintes.

A sonoridade de Benjamin e Egberto vem a tona o toque de raras harmonias...dois pianos...dois músicos... maravilha do encontro das teclas sonoras.


Geraldo Costa

"Em tempos de engano universal, dizer a verdade é um ato revolucionário" (George Orwell) .
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/musica// @obvious, @obvioushp //Geraldo Costa