viver à deriva e sentir que tudo está bem...

A vida é uma colcha de retalhos. Todos da mesma cor...

Geraldo Costa

"Em tempos de engano universal, dizer a verdade é um ato revolucionário" (George Orwell)

Por que precisamos de abelhas?

A vida das abelhas é crucial para o planeta e para o equilíbrio dos ecossistemas, já que, na busca do pólen, sua refeição, estes insetos polinizam plantações de frutas, legumes e grãos. Esta polinização é indispensável, pois é através dela que cerca de 80% das plantas se reproduzem.


IMG-20191030-WA0000.jpg

O desaparecimento ou extinção das abelhas é um fenômeno que pode colocar fim não somente às abelhas, mas também à espécie humana. Isso porque esses pequenos seres polinizam mais da metade dos nossos alimentos, sendo cruciais para a manutenção da vida no planeta da forma como a conhecemos.

IMG-20191030-WA0002.jpg

Além de esforços individuais, é preciso realizar ações coletivas para institucionalizar mundialmente a proteção às abelhas, como a proibição de pesticidas nocivos; a agroecologia; a criação e o resgate de abelhas em situação de vulnerabilidade e outras formas sustentáveis de proteção às abelhas que deverão ser decididas por meio de democracia direta. Mas, individualmente, você pode fazer sua parte com algumas dicas.

Imagen Thumbnail para IMG-20191030-WA0003.jpg

A importância das abelhas Os insetos, incluindo as abelhas sem ferrão (jataí e arapuá, por exemplo) cumprem um papel importante no ecossistema, assim como em nossas vidas. Elas são os agentes polinizadores mais eficientes da natureza, além de serem responsáveis pela reprodução e perpetuação de milhares de espécies vegetais, produzindo alimentos, conservando o meio ambiente e mantendo o equilíbrio dos ecossistemas. Estima-se que o valor econômico da polinização seja de 12 bilhões de dólares.

IMG-20191030-WA0004.jpg

A polinização feita por elas garante a alta produtividade e qualidade dos frutos. Segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO - na sigla em inglês), 70% das culturas de alimentos depende das abelhas. Mas a eficácia delas não para por aí! Ao transportar o pólen entre as plantas, elas garantem a importante variação genética das espécies para o equilíbrio dos ecossistemas e a reprodução das espécies. Ou seja, sem abelhas, não temos alimentos na mesa (seja vegetal ou animal) e muito menos oxigênio.

IMG-20191030-WA0005.jpg

No Brasil, as plantações de maracujá, melancia, acerola e melão dependem 100% da polinização. Enquanto culturas de maçã, pera, ameixa, pêssego, abacate, goiaba, girassol e tomate dependem de 40% a 90%. Para as culturas de café, canola, algodão e soja, estima-se que essa dependência seja de 10% a 40%; e para as culturas de feijão, caqui e laranja de 0% a 10%.

IMG-20191030-WA0006.jpg

Nos últimos anos, os apicultores perceberam a morte massiva de abelhas em apiários, após um grande número de espécies polinizadoras desaparecerem em um fenômeno chamado de "Síndrome de Colapso de Colônias".

IMG-20191030-WA0007.jpg

Os causadores do desaparecimento Os culpados? Eles são muitos e nós já falamos de pelo menos um deles. Entre os especialistas parece haver um consenso entre os vilões do desaparecimento das abelhas polonizadoras: pesticidas, aquecimento global e desmatamento. Esse último, por exemplo, traz diversas consequências ruins. Para as abelhas, significa a perda de seu lar e dos frutos que as alimentam, tornando difícil sua sobrevivência. Já o uso de químicos, como pesticidas e agrotóxicos, causa problemas na memória da abelhas, fazendo com que elas se desorientem e percam a habilidade de retornar à colmeia; razão esta que torna impossível para os apicultores encontrarem as abelhas desaparecidas.

IMG-20191030-WA0008.jpg

Quando as abelhas entram em contato com os neonicotinoides, elas perdem o senso de direção, não conseguindo voltar à colmeia. A água exsudada das plantas, que é uma fonte de hidratação para pequenos insetos, contém altas quantidades de veneno, e mata não só abelhas, mas também besouros, borboletas, mariposas, entre outros. Esses agrotóxicos intoxicam não só os alimentos vegetais e os polinizadores, mas também peixes, aves e mamíferos. Uma vez na cadeia alimentar, podem causar câncer da tireoide em humanos e outros quadros graves.

Na China a situação já é mais que alarmante, e deu origem aos "humanos abelhas", que são pessoas responsáveis por subirem em árvores para fazer o trabalho dos polinizadores extintos pelos agrotóxicos.

IMG-20191030-WA0009.jpg

O problema não é somente a morte das abelhas, pois elas não são as únicas polinizadoras, mas sim que o seu desaparecimento iria desencadear uma reação em cadeia no meio ambiente que iria afetar cada ser vivo da natureza.

IMG-20191030-WA0010.jpg

Tome a produção agrícola no Brasil como exemplo. Colmeias são alugadas para polinizar culturas em fazendas por todo o país. Em 2011, não havia abelhas para polinizar culturas de maçã, pepino, melão e melancia. Por falta de polinização suficiente, os frutos nascerem com sabor e formato adulterado. Houve perda de produção de outros alimentos, como laranja, algodão, soja, abacate e café, segundo David De Jong, professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, campus de Ribeirão Preto, em entrevista à Revista Planeta.


Geraldo Costa

"Em tempos de engano universal, dizer a verdade é um ato revolucionário" (George Orwell) .
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/sociedade// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Geraldo Costa