viver à deriva e sentir que tudo está bem...

A vida é uma colcha de retalhos. Todos da mesma cor...

Geraldo Costa

"Em tempos de engano universal, dizer a verdade é um ato revolucionário" (George Orwell)

ORDOS 100

O documentário conta o projeto Ordos 100, no qual 100 arquitetos de diferentes nacionalidades foram escolhidos pelos arquitetos do estúdio Herzog e De Meuron e pelo artista e ativista chinês Ai Weiwei para criar uma casa em um terreno de 1.000 metros quadrados.


ordos.jpg

Ordos 100 é um projeto iniciado em 2008 pelos arquitetos Herzog & De Meuron e o artista chinês Ai Weiwei, no qual 100 arquitetos de 27 países diferentes foram escolhidos para desenhar uma casa num terreno de 1000m², tudo como parte de um “Master Plan”, desenhado pelo artista chinês, desenvolvido na Mongólia Interior, China. Dentro dos arquitetos selecionados, encontram-se os chilenos Alejandro Aravena, Cecilia Puga y Smiljan Radic.Veja o vídeo a seguir.A primeira visita ao terreno foi realizada no começo de 2008, todavia, o projeto ainda não foi construído. O documentário dirigido por Ai Weiwei, mostra o seguimento dos 100 arquitetos participantes durantes as três visitas realizadas aos terrenos enquanto o plano diretor e o projeto de cada parcela se finalizavam. Ordos 100 (China 2012) foi selecionado para o International Film Festival Rotterdam 2012.

Ai_Weiwei_01-Ai_Weiwei_cropped_square.jpg

Ai Weiwei foi o assessor artístico na construção do Ninho de Pássaro (Estádio Nacional de Pequim) onde foram celebrados os Jogos Olímpicos de Pequim de 2008, que foi uma empreitada conjunta entre os arquitetos Jacques Herzog e Pierre de Meuron de Herzog & de Meuron, o arquiteto Stefan Marbach e Ai Weiwei.

Na América Latina, Ai Weiwei realizou algumas das suas exposições artísticas marcantes, com foco nos refugiados internacionais da atualidade e sua origem chinesa, em três países:na Argentina, no Chile e no Brasil. Na Argentina e no Chile a exposição de nome Ai Weiwei: Inoculación foi sediada na Fundación Proa em Buenos Aires e na Fundación CorpArtes em Santiago. Já o Brasil foi o país onde a sua exposição de maior acervo, até agora, ocorreu Raiz: Ai Weiwei foi sediada em São Paulo capital na Oca do Parque Ibirapuera, em Belo Horizonte no Centro Cultural Banco do Brasil e na data 20 de agosto de 2019 irá para o Rio de Janeiro capital. Em todos os locais onde ele passou com seu trabalhos artísticos o chinês utilizou de elementos regionais para compor a galeria, como a 200 Ex-Votos em que ele usou dos trabalhadores locais do Juazeiro do Norte para a realizar a obra.

ai-weiwei-thinks-about-the-state-of-athens.jpg

Foi especialmente conhecido por suas críticas à construção de uma instalação escolar destruída durante o terremoto de Sichuan de 2008. Em novembro de 2010, ficou em prisão domiciliar depois de anunciar a organização de uma confraternização para o dia 7 de novembro em Xangai, com a que pretendia denunciar a demolição do seu estúdio nessa cidade, ação ordenada e executada pelas autoridades chinesas em razão de sua ilegalidade. Por sua parte, Ai Weiwei negou, assinalando que tinha o beneplácito das autoridades de Xangai e que a atuação do governo só obedecia a um castigo contra ele por seu apoio à dissidência no país. Pouco depois, o governo chinês ordenou demolir seu estúdio, no qual havia investido um milhão de euros.

Em 3 de abril de 2011, Ai Weiwei acabou sendo preso pelas autoridades chinesas quando embarcava para Hong Kong. Poucas horas após sua detenção, seu estúdio em Pequim foi invadido por mais de 40 policiais. Dezenas de itens foram confiscados e funcionários foram interrogados. Passou três meses detido num local secreto.

Em 21 de novembro de 2011 foi divulgada uma foto onde Ai Weiwei e mais quatro mulheres aparecem nus. O ato eclodiu com a ação diversas pessoas que publicaram fotos nus em apoio ao artista e protestando contra o governo chinês com o argumento de que nudez não é pornografia.


Geraldo Costa

"Em tempos de engano universal, dizer a verdade é um ato revolucionário" (George Orwell) .
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/arquitetura// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Geraldo Costa